Ricardo Felício, climatologista
Ricardo Felício, climatologista

‘Falar que o clima é controlado pela atividade humana é patético’

Diferente das correntes majoritárias, o climatologista Ricardo Felício nega que as variações climáticas sejam causadas pelo homem

Poluição atmosférica, automóveis movidos a combustíveis fósseis, desmatamento, queimadas. Essas são algumas das causas do aquecimento global? Definitivamente não, afirma o cientista Ricardo Felício, mestre em meteorologia e professor-doutor de climatologia, uma das vozes dissonantes quando o assunto é mudança climática. “Atribuir o aquecimento global ao homem, e principalmente ao CO2 da atividade humana, é um reducionismo absurdo”, diz. “As variações climáticas da Terra são causadas por um emaranhado muito grande de variáveis.”

Além de esmiuçar os dados que embasam sua teoria, Felício explica as causas da cíclica escassez na Bacia do Rio Paraná e da intensa onda de frio que abraça boa parte do país. Confira os principais trechos da entrevista.

Quais são as causas das variações climáticas no planeta?

São elementos de escala muito grande. Primeiro, a própria energia solar, que não é constante, já que ele é uma estrela. Ela é fundamental para o clima do planeta. Na mesma proporção vem a mecânica celeste: a distância entre a Terra e o Sol – outro fator variável, mas de período longo. Esses são alguns dos elementos extraterrestres. Depois, num segundo escalão, estão os fatores internos: a quantidade de superfícies dos oceanos, a atividade vulcânica e a presença de nuvens, as quais regulam a entrada e a saída de energia do globo terrestre e trabalham com a água na atmosfera. É um emaranhado muito grande de variáveis que se complementam e se alternam. Agora, gases como CO2 não têm participação nenhuma na variação do clima. Colocá-lo como o principal agente das mudanças é um reducionismo, é jogar a ciência climática no lixo. Veja o exemplo dos vulcões, eles emitem muito mais gás carbônico que a atividade humana. Entretanto, o que importa em suas erupções são as cinzas. Elas são lançadas na estratosfera — a terceira camada de baixo para cima da atmosfera — e interceptam os raios solares, fazendo com que a temperatura caia. A erupção do Krakatoa em 1883, por exemplo, deixou o mundo dois anos sem verão.

Quais dados contradizem a ideia de que o homem está causando o aquecimento global?

Falar que o clima é controlado pelo CO2 e pela atividade humana é patético. O próprio Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) mostra que os principais responsáveis pelos fluxos de CO2 na atmosfera são os oceanos. Os seres humanos têm uma contribuição tão pequena que estão na margem de erro dessa estimativa. Inclusive, a estação oficial do IPCC fica em Mauna Loa, no Havaí. Ela foi colocada no meio do Oceano Pacífico exatamente para medir a emissão de carbono que não é de origem humana. Veja a incoerência, eles usam essa estação para fazer justamente o oposto: mensurar a emissão feita pelo homem.

O que é o IPCC? Quais previsões feitas através dele não se concretizaram?

O IPCC é um órgão internacional ligado à ONU, e é político. Ele usa de cientificismo para legitimar decisões políticas. Existe viés na aquisição e interpretação dos dados. No fim, ainda é feita uma votação para decidir quais os principais pontos que serão divulgados para a sociedade através dos “sumários executivos”. Na verdade, o que eles fazem é ficar rodando todo tipo de cenário possível. Seus cerca de 120 modelos mostram a Terra tanto como uma bola de sorvete quanto como “a sucursal do capeta”. E, aí, se uma delas coincidir com a realidade, eles dizem que estão certos. Isso não é previsão. Eu chamo de “regra da mamãe”: quando alguém põe o celular no bolso detrás por um ano, com a mãe dizendo todo dia que ele irá perder o aparelho. No momento em que ele perde, ela vira e diz que a “mamãe sempre tem razão”.

Em algum momento da existência humana a quantidade de carbono na atmosfera já foi maior que a atual?

Sim, e o IPCC sempre soube disso. Eles tiraram a informação entre as “safras” dos relatórios. Atualmente, é aceito que o nível de carbono na atmosfera é de 350 partes por milhão e os mais alarmistas falam em 400. No início do século 19, essa proporção esteve acima de 400. O mesmo ocorreu entre 1935 e 1945. Nas duas situações, as temperaturas estavam baixas. Na primeira, por causa do que ficou conhecido como “mínimo solar de Dalton”, que terminou por volta de 1830. Na outra, em razão do Oceano Pacífico, que estava mais frio.

Por que os cientistas que defendem a hipótese do aquecimento global causado pelo homem têm mais espaço na mídia?

Nigel Calder, que era editor de uma revista científica, dizia que uma pesquisa que mostra que nada está diferente não é interessante. Um ponto é essa questão estética de que alertas “vendem” mais. O outro é que existe uma corrente dominante, e estando nela você garante o seu financiamento e as portas se abrem. É política, não ciência.

A energia nuclear é a mais eficiente e a que produz mais ocupando menos espaço

Os cientistas que corroboram a ideia de que a atividade humana é responsável pelo aquecimento do planeta têm maior facilidade em conseguir verbas?

Quem contesta o esquema é cerceado, perde financiamento para suas pesquisas e para os trabalhos dos alunos. Dificilmente o deixam publicar qualquer conclusão. Fiz meu último artigo em 2017. Ficaram dois anos e meio analisando-o para me dizer, no fim, que meu trabalho estava muito bom, mas a revisão bibliográfica era muito extensa e, por isso, não poderiam publicar.

Com frequência, jornalistas chamam cientistas como o senhor de “negacionistas”. Isso ocorre na academia também?

Na academia existe uma separação, mas ninguém usa esse termo comigo. Ao menos não na minha frente. De fato, negacionismo é um termo pejorativo utilizado por gente incompetente que, em vez de defender seus argumentos com fatos, ataca o lado oponente de forma pessoal.

No fim do mês passado, uma onda de frio tomou o Brasil. Nesta semana, as baixas temperaturas parecem ceder. Por que esse movimento acontece e o que podemos esperar até o fim do inverno?

Tivemos algumas confluências aqui na América do Sul. A combinação da chegada de massas polares e de ciclones extratropicais, desde a Antártida até o centro do Brasil, impulsionou os fluxos de ar frio, sustentando temperaturas bem baixas no início deste inverno. Essa onda, provavelmente, vai durar por mais um ou dois meses, mas com intensidade menor.

O país passa por uma crise hídrica. A Bacia do Rio Paraná, por exemplo, enfrenta a maior seca dos últimos 22 anos. O que está causando essa escassez?

A escassez é cíclica. Ora acontecem períodos mais chuvosos, ora mais secos. Essa estiagem é normal dentro do ano hidrológico. As chuvas por lá devem recomeçar por volta de setembro ou outubro. Depois, elas voltam a diminuir por volta de maio até chegar junho. Não é uma crise hídrica. O pessoal gosta de alarmismo. Mas um ciclo, claro, não é idêntico a outro. Para amenizar isso deveríamos ter feito reservatórios, uma infraestrutura que ajude a resolver o problema, em vez de empurrá-lo para frente.

O Brasil sempre apostou nas hidrelétricas. Qual é o melhor modelo de produção de energia?

Eu investiria em energia nuclear. Ela é a mais eficiente e a que produz mais ocupando menos espaço, tem resíduo controlado e ainda gera desenvolvimento em qualquer lugar — uma vez que atrai um capital humano altamente qualificado. Construiria três usinas atômicas em cada uma das grandes regiões do país. Essas tecnologias estão avançando e nós estamos ficando para trás. Índia, China, Rússia, Estados Unidos e grande parte da Europa, por exemplo, são parceiros no desenvolvimento do Reator Internacional Termonuclear Experimental, o Iter [na sigla em inglês], que promete revolucionar a geração de energia.

Leia também “O sequestro da bandeira ambiental”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

18 comentários Ver comentários

  1. Gosto muito do Ricardo Felício e ele parece ter bons argumentos. Mas como muitos leigos fico atônito. Nunca conseguimos ter certeza se ele está realmente com a verdade e é injustamente perseguido ou se ele é um cara meio do contra e encrenqueiro por natureza pessoal.

  2. A revista Oeste poderia contratar o prof Ricardo para uma coluna sobre meio ambiente. Ele desde sempre defendeu estudos científicos e dados técnicos. Um cara para se manter vivo!

  3. Somente a R O é capaz de publicar uma matéria desta importância, com um cientista acima de qualquer suspeita.
    Infelizmente vivemos os tempos da “pós verdade”, atolados nos interesses hipocritas e aplaudidos pelos idiotas úteis ( também chamados de “progressistas “.
    Parabéns ao Piva e R O
    Obrigado!!!

  4. Acabo de ler o relatório IPCC AR6 WGI. De cabo a rabo nada suporta as posições defendidas nesse artigo. Sabe-se que o IPPC perdeu credibilidade no passado, mas desde então a qualidade dos trabalhos melhorou ano a ano e hoje é incontestável. Atribui-se ao grande Euclides o dito “o que é afirmado sem provas pode ser contestado sem provas”. O fato é que o IPCC apresenta centenas de dados concretos que SÃO PROVAS. Dialética não é ciência.

  5. Em relação a matéria do texto ela era ministrada na disciplina de Ciências, na 3ª série do 1º grau. Fotossíntese significa a síntese de O² e matéria orgânica a partir de CO², água e exposição à energia solar, produzida pelo reino vegetal. Baseado nesse conceito é bastante suficiente que se possa concluir o QUANTO É IMPORTANTE O GÁS CARBÔNICO

    1. Infelizmente meu comentário ficará partido por conta do tempo oferecido para fazer o mesmo. Sem CO² não há formação de O², não haverá formação de matéria orgânica e nem produção de alimentos. Simples assim.

  6. Muito bom!!!! O professor Ricardo Felício sempre didático e seguro com suas afirmações. Cada vez mais temos certeza que somos enganados pela mídia e pela maioria dessas agências internacionais. Parabéns professor.

  7. acho que essa é a primeira entrevista na mídia de um cientista que não compactua com essa bobagem do “aquecimento global de origem antropogênica”. Só mesmo os prof Molon e Almério França é que atacam o problema de forma adequada nos seus vídeos, mostrando o que a entrevista apresenta (temperatura na terra ligada principalmente à atividade solar, aos movimentos da terra e em torno do sol (além de rotação e translação, que aprendemos na escola, excentricidade, precessão e obliquidade, que definem os chamados Ciclos de Milankovitch, que determinam as glaciações). Os dois, inclusive, previram um baixo nível de manchas solares nessa década, o primeiro já ocorrendo agora e o segundo para 2030…representando uma queda da temperatura mundial. Enquanto esquecem os recordes de frio aqui na Espanha em Janeiro (onde passo parte do ano, – 16 graus negativos em Madrid, com recorde de neve) e não dão bola para as ondas de frio desse ano no Brasil, os catastrofistas de plantão deliram com as ondas de calor aqui na Espanha e Itália essa semana, “esquecendo-se” de dizer que elas são provocadas por frentes quentes vindas do deserto do Saara, que duram alguns dias somente…eu peguei 2 dessas, uma Líbia e outra na Tunísia, ambas em 2007…ou seja, quase todo ano tem…mas não tem nada a ver com “aquecimento global”…não são realmente técnicos…são políticos…e desonestos como a maioria…

  8. No Brasil, felizmente, temos algumas gratas referências no campo da climatologia, entre elas, os professores Luiz Carlos Molion, Thiago Maia e Ricardo Felício, que participa desta entrevista. Vale a pena acompanhá-los nas redes sociais. São cientistas verdadeiramente com o pé no chão.

  9. A energia nuclear, embora não pareça é a mais eficiente entre todas. Já imaginaram o que faremos daqui a 50 anos com os parques eólicos, quando essa energia se tornar obsoleta? Quanto às mudanças climáticas estou de acordo com o entrevistado, mesmo que se parem os carros e as indústrias, a natureza continuará a sua trajetória de aquecer ou esfriar a terra.

  10. Muito bom ouvir um cientista que preza pela lógica e verdade. Infelizmente por questões geopolíticas nosso país não avança com o imenso potencial energético que temos.

    1. Sempre muito esclarecedor o Ricardo Felicio!
      Deveria haver mais espaço para o debate de mudanças climáticas com ambos lados defendendo seus argumentos. Uma pena que o mainstream só mostre um único lado.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.