Ribeiro rebate acusações de que é homofóbico - Revista Oeste

Edição da semana

Em 27 set 2020, 11:40

Ribeiro rebate acusações de que é homofóbico

27 set 2020, 11:40

Vice-procurador-geral da República pediu ao STF para investigar o ministro da Educação

milton ribeiro

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, em evento no MEC | Foto: Cláudio Reis/Estadão Conteúdo

Depois de conceder entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o ministro Milton Ribeiro vem recebendo críticas de que é homofóbico. No sábado 26, ele foi às redes sociais se defender das acusações. “Minha fala foi interpretada de modo descontextualizado. Jamais pretendi discriminar ou incentivar qualquer forma de discriminação em razão de orientação sexual”, escreveu Ribeiro no Twitter, ao mencionar que parte da entrevista foi omitida: “Ademais, trechos da fala, retirados de seu contexto e com omissões parciais, passaram a ser reproduzidos nas mídias sociais, agravando interpretação equivocada e modificando o real sentido daquilo que se pretendeu expressar”.

Ribeiro também pediu desculpas às pessoas que se sentiram ofendidas com a entrevista. “Diante de meus valores cristãos, registro minhas sinceras desculpas àqueles que se sentiram ofendidos e afirmo meu respeito a todo cidadão brasileiro, qual seja sua orientação sexual, posição política ou religiosa”, concluiu. Conforme noticiou Oeste, o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, pediu ao Supremo Tribunal Federal a abertura de um inquérito contra Ribeiro, pelo crime de homofobia. Na Corte, o relator do caso é o ministro Dias Toffoli. Além disso, Medeiros quer que o ministro da Educação preste depoimento à Polícia Federal.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. A esquerda é sempre igual. Sem base nem argumentos, acusam pessoas de bem a serem o que elas são !! Esse assunto de homofobia já encheu o saco !! Eiii, esquerda, eiii gramscistas, eiiii psololulopetistas….., que tal pedirem o boné e mudarem para Argentina, Venezuela, Irã, Coreia do Norte, Cuba, Haiti, Angola e similares ??

    Responder
  2. Também fica dando entrevista pra Foia.
    Fica procurando sarna pra se coçar

    Responder
  3. Seja qual for o contexto , seja como tenha sido equivocadamente interpretado o Ministro atribuiu sim a homossexualidade a “famílias desajustadas” . Não pretendo defender A ou B ,mas no contexto atual seria interessante o Ministro apresentar seus projetos para educação e não lhe cabe nem lhe foi dada delegação para tratar de assuntos fora de sua pasta. Dessa forma perde-se tempo com o quê é realmente importante e oferece pauta para imprensa de esquerda explorar o Presidente e seu Governo. Portanto, é melhor trabalhar mais pela construção da educação do Brasil (arrasada pela esquerda) e parar de dar entrevista e ficar depois se justificando e pedindo desculpas. Será que não aprendem?

    Responder
  4. Não se pode esperar nada diferente do que venha do UOL, GLOBO, ESTADÃO, FOLHA, …
    São entidades voltadas pra o mal, cuja necessidade de sobrevivência juntamente com a de seus empregados, fala mais alto, muito mais alto do que a competência, a moral e a ética.
    Cabe a nós enfrentarmos essa luta e não esmorecer!

    Responder
  5. Li a entrevista e até admirei o ministro por ter recebido uma comissão de deputados composta até por aquela deputada de laboratório, Tábata Amaral, que já chamou Bolsonaro de ordinário em um de seus enfadonhos artigos na Folha, e que no Roda Viva, disse, “não houveram cinco, houve um……”, e que parece querer ser ministra da educação.
    Criticado até por seguidores do governo, disse que recebeu uma comissão externa da Câmara e não Tábata. Corretíssimo.
    Agora, um vice Procurador Geral da Republica, pedir ao STF abertura de inquérito para investigar crime de HOMOFOBIA, por sensata manifestação pessoal do ministro, é notória a pouca noção desse notável jurista na interpretação de texto das respostas nessa entrevista.
    Sugiro que nossos leitores, leiam a entrevista respeitosa e apropriada do ministro para demonstrar suas posições pessoais como religioso e como ministro da educação. Não podemos esquecer que recentemente o notável decano do STF Celso de Mello, LEGISLOU, comparando homofobia com o crime de racismo. Será essa a intenção do vice PGR?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês