Ricardo Salles pede desculpas a Luiz Eduardo Ramos - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 25 out 2020, 19:50

Ricardo Salles pede desculpas a Luiz Eduardo Ramos

25 out 2020, 19:50

Ministro do Meio Ambiente fala em “ponto final” em discussão

ricardo salles e luiz eduardo ramos

Ricardo Salles: desculpas encerram discussão com Luiz Eduardo Ramos | Foto: José Cruz/Agência Brasil

As críticas públicas trocadas entre os ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo da Presidência da República) não contará com novos capítulos. Ao menos é o que prometeu na tarde deste domingo, 25, um dos personagens envolvidos na história. Salles afirmou ter colocado um “ponto final” na situação.

Leia mais: “Corrida pela prefeitura de SP tem candidato sem partido e sem vice”

Salles confidenciou que se desculpou com o colega de primeiro escalão do governo federal. “Apresentei minhas desculpas pelo excesso e colocamos um ponto final nisso. Estamos juntos no governo, pelo presidente Bolsonaro e pelo Brasil. Bom domingo a todos”, afirmou o ministro do Meio Ambiente em mensagem divulgada em seu perfil no Twitter.

O “excesso” assumido por Salles se refere a registro feito na última quinta-feira, 22. Na ocasião, ele se referiu a Ramos como “Maria Fofoca”. O termo foi utilizado por ele acreditar que o ministro-chefe da Secretaria de Governo serviu como fonte para uma colunista do jornal O Globo, que cravou que ele tinha “esticado a corda” diante dos militares do governo federal.

Sem briga

Mais cedo, Luiz Eduardo Ramos também não deu atenção ao caso. Ao conversar com jornalistas em Brasília, ele afirmou que “não tem briga nenhuma” travada contra Ricardo Salles.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Espero que Ramos tenha feito o mesmo, né? Estas armações do Ramos pra tirar CONSERVADORES do governo estão ESCANCARADAS!!
    RAMOS QUER CONCENTRAÇÃO DE PODER E INFLUÊNCIA TOTAL. “MUI AMIGO!!”

    Responder
  2. As tentativas para a desestabilização do governo continuarão constantes.
    Principalmente em relação à Salles e Damares, como foi o caso de Weitraub.
    A esquerda é isso, desunião, degradação, sabotagem, mas não porque tem alguém melhor ou ela se sairia melhor no comando, como faz prova o desastre em vários aspectos experimentados pelo País de FHC até Dilma.
    O que esses marginais, corruptos, alienados e amorais brasileiros desejam é o poder.
    Poder esse para distribuir benesses para seus afiliados!

    Responder
  3. O ministro Salles, que conta com minha admiração e do Brasil, agiu muito mal, pior não poderia ter feito. Ele estava em clara posição de vantagem contra Ramos, que tudo faz para minar a base mais competente do governo a fim de manter o papo furado de “facilitar” o caminho no congresso. Não deveria ter pedido desculpas coisíssima nenhuma. Enquanto isso, amargamos a presença de Ramos no governo. já deveria ter sido demitido.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês