Rússia apoiou terrorismo do Taleban, diz inteligência dos EUA

Edição da semana

Em Em 13 jul 2020, 17:00

Rússia apoiou terrorismo do Talibã no Afeganistão, aponta inteligência dos EUA

13 jul 2020, 17:00

Informação foi divulgada em relatório da inteligência norte-americana; tropas estão saindo do Afeganistão após quase 20 anos

Rússia Taleban

Tropas dos EUA em operação no Afeganistão | Foto: Kyle Davis/U.S. Army

A inteligência norte-americana descobriu que a Rússia recompensou o Talibã por ataques realizados a tropas dos EUA e da coalizão no Afeganistão.

A informação pegou de surpresa os meios políticos em Washington durante as durante as negociações de paz com o grupo radical muçulmano. O governo da Rússia e o Talibã rejeitaram a acusação feita pela inteligência dos EUA.

Mesmo antes da divulgação desse relatório, as autoridades dos EUA viam uma inavegável parceria entre o Talibã e a Rússia há alguns anos. Moscou via essa aproximação como um modo de se contrapor ao governo afegão aliado aos EUA e manter a influência na região.

A Rússia e os EUA estão em meio a uma crescente hostilidade, estando em lados opostos na guerra civil da Síria e antagonizando em relação à Venezuela, Ucrânia e Irã.

A retirada das tropas dos EUA no Afeganistão, após quase 20 anos de guerra, não é algo que vá garantir a paz no país, visto que não existe um acordo assinado. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o acordo da Rússia com o Talibã não tinha o objetivo de modificar o conflito, mas sim causar dano moral à imagem das tropas norte-americanas.

“Foi em quantidades modestas; não foi projetado para ser um divisor de águas no campo de batalha”, afirmou o general aposentado John Nicholson ao Comitê de Relações Exteriores da Câmara sobre armas russas e ajuda ao Talibã. “Por exemplo, o Talibã queria mísseis terra-ar, os russos não lhes deram. Por isso, sempre concluí que o apoio deles ao Talibã era calibrado em algum sentido”, concluiu.

Putin “é um estudante de história”

Guerrilheiros radicais islâmicos, como os do Talibã, receberam auxílio dos EUA quando a então União Soviética mantinha tropas no Afeganistão. A Guerra Afegã-Soviética durou entre 1979 e 1989.

De acordo com o ex-agente da CIA Marc Polymeropoulos, que trabalhou como oficial de campo no Afeganistão, os EUA fizeram o mesmo no final do conflito. “Nós aumentamos o calor quando os russos estavam saindo do Afeganistão”, disse.

Ele não acha uma surpresa que os russos estejam tendo um atitude similar à que os EUA tiveram no passado, visto que Putin “é um estudante de história”.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês