Rússia irá oferecer ao Brasil e a outros países remédio contra a covid-19

Edição da semana

Em 24 set 2020, 13:48

Rússia irá oferecer ao Brasil e a outros países remédio contra a covid-19

24 set 2020, 13:48

Para ser usado em território brasileiro, o medicamente precisa ser aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Avifavir | Foto: Reprodução/ Fundo Russo

O fundo soberano da Rússia e a farmacêutica ChemRar anunciaram nesta quinta-feira, 24, um acordo para fornecer a 17 países, inclusive o Brasil, um antiviral contra a covid-19.

Trata-se do Avifavir, que foi aprovado em maio pelo Ministério de Saúde russo. Para ser usado no Brasil, ele precisa ser aprovado pela Anvisa.

LEIA MAIS: Japão fica perto de regulamentar remédio contra covid-19

O fundo é o mesmo que bancou criação da vacina Sputnik V, a primeira a ser registrada no mundo. Os russos destacaram um estudo realizado pelo grupo japonês Fujifilm que corrobora a eficácia de medicamentos à base de faviparitr.

A Rússia já iniciou testes próprios sob licença japonesa e, em junho, aprovou o uso emergencial de 60 mil doses do remédio em 74 de suas 85 regiões.

Como ocorreu com a vacina Sputnik V, a aprovação do medicamento, sem se concluir os testes, gera críticas da comunidade científica.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Oeste, seria muito interessante e esclarecedor se vcs conseguirem o preço do Avifavir e compará-lo com o tratamento padrão com a Cloroquina, Azitromicina, Ivermectina e associados.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês