Rússia vacinará população com imunizante ainda em testes

Edição da semana

Em 20 ago 2020, 12:45

Rússia vacinará população com imunizante ainda em testes

20 ago 2020, 12:45

Em coletiva virtual, cientistas e presidente do fundo soberano do país admitiram que vacina só foi dada em 220 pessoas até agora

vacina, rússia, covid-19, testes, coronavírus

O presidente do Fundo Soberano de Investimentos da Rússia, Kirill Dmitriev| Foto: RFDI/Flickr

Em coletiva virtual realizada nesta quinta-feira, 20, cientistas do Instituto Gamaleya de Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia e o presidente do Fundo Soberano de Investimentos da Rússia, Kirill Dmitriev, deram mais detalhes sobre a vacina aprovada pelo Ministério da Saúde do país no último dia 11.

De acordo com Dmitriev, apenas 220 pessoas receberam doses da vacina até o momento — incluindo a filha do presidente, Vladmir Putin.

Com isso, para a comunidade científica, o imunizante estaria em fase 2 de pesquisa científica, ainda distante da aprovação para uso e comercialização em escala, como já propõe o governo russo.

Por isso, para evitar questionamentos sobre a efetividade do imunizante, o ministério entrou em acordo com os cientistas, que, agora, vão testar a vacina em 40 mil pessoas.

Ou seja, a vacina russa será testada enquanto já é aplicada na população — que receberá as doses do medicamento a partir de outubro — e comercializada, visto que o país negocia com Índia, Brasil, Coreia do Sul e Cuba a venda do produto e a transferência da tecnologia de produção.

“Nós queremos exportar a vacina a partir de novembro”, garantiu o presidente do fundo russo.

Imunidade da vacina russa pode chegar a dois anos

Os cientistas afirmaram que chegaram rapidamente à vacina porque já estavam trabalhando em um imunizante similar, contra outro coronavírus, a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS, na sigla em inglês). Por isso, a fase 2 da pesquisa pôde ser alcançada em tempo recorde.

Para ser imunizado, o paciente precisa tomar duas injeções intramusculares com o medicamento, com um espaço de tempo de três semanas entre elas.

As pesquisas feitas até aqui mostram que a imunidade à covid-19 pode durar até dois anos, segundo Alexander Gintsburg, microbiologista do instituto.

 

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês