-Publicidade-

Safra de 2021 deve superar recorde de 2020, aponta IBGE

Expectativa é de que a produção atinja 260,5 milhões de toneladas

Expectativa é de que a produção atinja 260,5 milhões de toneladas

Safra
Segundo o IBGE, a estimativa final para a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2020 totalizou 254,1 milhões de toneladas | Foto: Reprodução

A safra nacional de grãos deve atingir mais um recorde, o terceiro consecutivo, em 2021, com 260,5 milhões de toneladas, um crescimento de 2,5% em relação a 2020. As informações estão no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado nesta quarta-feira, 13, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, a estimativa final para a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2020 totalizou 254,1 milhões de toneladas.

A soja continua em alta: as estimativas iniciais de 129,7 milhões de toneladas indicam um aumento de produção de 6,8% (8,2 milhões de toneladas) em relação ao que foi colhido no ano passado e de 1,5% em relação ao segundo prognóstico, divulgado em dezembro.

Já para o milho é esperada uma queda de 1,5% (menos 1,5 milhão de toneladas) em relação a 2020, embora tenha havido aumento de 1,6% diante da estimativa anterior.

De acordo com o levantamento, a produção de algodão herbáceo, após três anos de recordes, deve chegar a 6,1 milhões de toneladas, com redução de 0,6% em relação ao segundo prognóstico e de 14% em relação ao que foi colhido em 2020.

Para o arroz, esta terceira estimativa, de 11 milhões de toneladas, aponta aumento de 0,8% na produção em relação ao prognóstico anterior, mas ainda há declínio, também de 0,8%, em relação a 2020.

Leia também: “Café terá safra recorde em 2020; MG é o maior produtor”

Com informações da Agência Brasil

-Publicidade-
Envie-nos a sua opinião, sugestão ou crítica! Fale conosco
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Eu me lembro do tempo em que se importava feijão do México, trigo da Argentina, EUA e até Rússia, leite do Uruguai, arroz não sei da onde, o milho era péssimo. Que diferença!

Envie um comentário

Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês