Salles vê participação da iniciativa privada na Amazônia como fundamental

Edição da semana

Em 26 ago 2020, 12:30

Salles vê participação da iniciativa privada na Amazônia como fundamental

26 ago 2020, 12:30

Ministro do Meio Ambiente ressaltou que quem se beneficia da região deveria “partilhar parte de sua receita com exportações” para ajudar na preservação

ricardo salles, amazônia, iniciativa privada, agronegócio

Para o ministro Ricardo Salles, iniciativa privada pode explorar, mas deve ajudar a preservar a Amazônia também | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nessa terça-feira, 25, ser fundamental a participação da iniciativa privada na conservação da Amazônia.

Em videoconferência da Sociedade Nacional da Agricultura (SNA), Salles ressaltou que o agronegócio exportador, que recebe benefícios da Amazônia e quer preservar sua imagem de sustentabilidade no mundo, deveria “partilhar parte de sua receita com exportações” para ajudar na preservação da região.

De acordo com o ministro, o proprietário de terras na Amazônia pode explorar economicamente apenas 20% de sua área, o que, em muitos casos, torna inviável sua sobrevivência.

Para manter intacta a floresta, a iniciativa privada deveria colaborar. E não só o setor agropecuário, segundo Salles. “Quem não vive na Amazônia mas dela se beneficia deveria colaborar com essa preservação”, destacou.

Ele também enfatizou que o sistema até então vigente na região, de verbas estatais e do terceiro setor, “claramente não deu certo e não reduziu a pobreza na região”. “Muita gente fez palestra, viajou (em função das ações na Amazônia), mas a região continuou pobre.”

Dessa forma, para Salles, qualquer plano que se fizer sobre a Amazônia, deve levar em conta o reconhecimento do papel da iniciativa privada no desenvolvimento e na conservação da Amazônia.

“Vivemos muitos anos com visão de planejamento estatal e destinação de recursos estatais ou de captação internacional (como o Fundo Amazônia) mas, mesmo assim, geridos por governos”, recordou. “E houve uma espécie de desconsideração, na prática, do papel do setor privado na Amazônia.”

Ainda segundo ele, para atrair o capital privado à região, é necessário garantir inicialmente a segurança jurídica quanto à questão fundiária da região, com a regularização da posse de terra.

“Em segundo lugar, deve-se remunerar a reserva legal por meio do pagamento por serviços ambientais, e isso está num programa recentemente lançado pelo governo, o Floresta Mais”, disse, e reforçou que quem se beneficia do bioma sem nele residir, deve contribuir. “Se o Brasil como um todo e o resto do mundo se beneficiam da Amazônia, nada mais natural do que pagar por isso; porque estão usufruindo”, completou.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Até concordo em ter a iniciativa privada como parceira, mas desde que exclua paises como China, Alemanha, França e organizações estrangeiras terroristas que queiram se aproveitar dos nossos recursos naturais. Fiscalização tem que ser ”full time” e não deixar esses caras respirarem mais do que podem em nosso solo.

    Responder
  2. Certeiro, assim deve ser.
    Salles faz um trabalho excelente.

    O projeto Floresta+ é muito interessante.
    Se for para guardar áreas, que se receba por isso.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês