Europeus foram informados de que empresas sediadas em seus países compravam madeira ilegal

Autoridades brasileiras procuraram os representantes estrangeiros para trabalharem juntos na fiscalização e responsabilização dos envolvidos
-Publicidade-
Foto: Beto Barata/Estadão Conteúdo
Foto: Beto Barata/Estadão Conteúdo

Autoridades brasileiras procuraram os representantes estrangeiros para trabalhar juntos na fiscalização e responsabilização dos envolvidos

Foto: Beto Barata/Estadão Conteúdo
-Publicidade-

Líderes europeus foram informados de que empresas sediadas em seus países compravam madeira extraída de forma ilegal da Amazônia. A informação foi repassada pelas autoridades brasileiras durante visita de embaixadores ao Amazonas, promovida pelo vice-presidente Hamilton Mourão, no início de novembro.

Segundo o procurador Leonardo Galiano, responsável pela Operação Arquimedes no MPF, as autoridades brasileiras procuraram os representantes estrangeiros para trabalhar juntos na fiscalização e responsabilização dos envolvidos.

Leia mais: “Brics reconhecem candidatura do Brasil ao Conselho de Segurança da ONU em 2022”

“Já identificamos as empresas e os países que são sede para, por meio da cooperação jurídica internacional, fornecer esses elementos aos Estados estrangeiros que queiram promover a responsabilização desses compradores, a exemplo do que o Brasil fez com os vendedores”, afirmou Galiano à Jovem Pan.

A Operação Arquimedes tem desarticulado uma rede de exportação ilegal de madeira a partir da Amazônia desde 2017.

O procurador não confirmou se todos os países representados na comitiva são base para as empresas investigadas pela Operação Arquimedes, mas disse que os que foram notificados ainda não deram retorno.

“Quem compra essa madeira não são os países, mas empresas que precisam ser identificadas e responsabilizadas nos termos da legislação vigente”, afirma Galiano.

A cooperação proposta aos líderes da Europa é a mesma que o MPF e a Polícia Federal mantêm com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Além dos EUA, os órgãos brasileiros estão buscando cooperação com países vizinhos.

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 comments

  1. “Quem compra essa madeira não são os países, mas empresas…” Quem empresas são essas? As exportadoras daqui deste país ou as importadoras dos outros países? Será que os governos desses países importadores fazem vista grossa para essas madeiras que chegam aos seus portos, vão chegando e vão entrando sem fiscalização algumas das autoridades portuárias? De fato quem compra não são os governos desses países (isso é óbvio) mas esses mesmos governos tem participação nessa lambança aí.

  2. Kd os nomes das empresas para serem expostas d quais países? Isso precisa ser divulgado. por isso q querem manter a Amazônia “intocada”, comprando ilegalmente sai muito mais barato p eles, ouro, diamante, nióbio madeira etc.., Vê se alguém fala da Amazônia da Venezuela, Guiana Francesa? todos ficam calados, mas o desmatamento é aqui, a preservação só tem q existir aqui. ladrões, assim como nos anos de 1.500, continuam saqueando o pais na nossa cara e dizem q é p nosso próprio bem.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site