Incêndio da boate Kiss: sem julgamento oito anos depois

Mais de 240 pessoas morreram na tragédia no interior do Rio Grande do Sul
-Publicidade-
Fachada da boate Kiss dias após o incêndio, em 2013
Fachada da boate Kiss dias após o incêndio, em 2013 | Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O incêndio na boate Kiss, na cidade gaúcha de Santa Maria, resultou nas mortes de 242 pessoas em 27 de janeiro de 2013. Exatamente oito anos depois da tragédia, nenhuma pessoa ainda foi julgada. Por ora, quatros réus aguardam realização de júri popular, mas sem data definida.

Leia mais: “Tragédia de Brumadinho: processo está parado por falha no sistema da Justiça”

A falta de parecer por parte do Poder Judiciário incomoda quem perdeu um familiar ou amigo na tragédia. É o caso de Flávio Silva. A filha dele, Andrielle, foi uma das vítimas do incêndio, que além dos mais de 240 mortos foi responsável por cerca de 680 feridos.

-Publicidade-

“São oito anos de sofrimento e dor”

“Essa situação é muito injusta”, lamenta Silva, que é presidente da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria. “São oito anos de sofrimento e dor e, durante esses anos, a gente perdeu muitos familiares, pais de vítimas, que tiveram outras doenças, agravadas pela dor da perda, e acabaram morrendo”, relatou, informa a Agência Brasil.

Os réus

Segundo a Agência Brasil, o processo criminal a respeito do incêndio da boate Kiss conta com 85 volumes, com quatro pessoas atualmente na condição de réus: Elissandro Callegaro Spohr (sócio da boate Kiss), Mauro Londero Hoffmann (sócio da boate Kiss), Marcelo de Jesus dos Santos (vocalista da banda Gurizada Fandangueira) e Luciano Bonilha Leão (produtor musical). O quarteto responde por homicídios e tentativas de homicídios.

O incêndio na boate Kiss teve início com sinalizador acendido por um dos integrantes do Gurizada Fandangueira. As faíscas atingiu a espuma de isolamento acústico do estabelecimento, material altamente inflamável e que liberou gases tóxicos, como o cianeto. A maioria das vítimas morreu por inalação da fumaça tóxica. Segundo investigações, o local não contava com saídas de emergência e não tinha quantidade suficiente de extintores.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.