Música contra o crime

Os policiais de Londres decidiram começar a tocar música clássica nas estações de metrô para combater a violência
-Publicidade-
Violino
Violino

A música tem o poder de influenciar no comportamento social. Em 2003, a polícia de Londres já não sabia o que fazer para diminuir os roubos e a violência que tomaram conta da estação de metrô de Elm Park. Os policiais decidiram começar a tocar música clássica contra o crime na estação. Em 18 meses, o número de roubos caiu 33%ç o de ataques aos funcionários, 25%; e os casos de vandalismo, 37%.

O exemplo de Elm Park se espalhou por 40 outras estações do metrô londrino. Uma pesquisa com 700 usuários, segundo o jornal britânico Independent, concluiu que eles se sentiam em sua grande maioria “felizes, menos estressados e relaxados”.

Por outro lado, ouvir a música de Vivaldi ou Mozart fazia com que jovens delinquentes acostumados a raps de exaltação ao crime ou ao peso do death metal se sentissem incomodados e se afastassem.

-Publicidade-

Música contra o crime no Burger King

As cadeias de lanchonetes Burger King e 7-Eleven passaram a usar a mesma estratégia em regiões mais tensas de cidades norte-americanas, como Dallas, Seattle e Portland. Os responsáveis pela campanha simplificam a questão. Dizem que os eventuais encrenqueiros apenas acham a música chata e se afastam.

(Neurologistas explicam essa reação de uma forma mais complexa: a música de que gostamos produz dopamina, um neurotransmissor que nos traz bem-estar e prazer. Músicas de que não gostamos cortam a produção de dopamina. Simples assim.)

Leia a reportagem completa na edição 111 da Revista Oeste

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.