Os conflitos entre milícias e os Black Lives Matter: “Cenas do Velho Oeste”

Dylan Stevens, líder do Angry Viking, argumenta que seu grupo está preenchendo um vácuo de segurança "após um verão de violência"
-Publicidade-

Dylan Stevens, líder do Angry Viking, argumenta que seu grupo está preenchendo um vácuo de segurança “após um verão de violência”

Dezenas de homens e mulheres armados com espingardas e fuzis, vestindo roupas pretas ou camufladas. Poderia ser um campo de batalha. Era uma rua qualquer de Louisville, no Kentucky, Estados Unidos. De um lado, militantes do movimento de esquerda Black Lives Matter. Do outro, integrantes de milícias de direita, como os Angry Viking. Surpreendentemente, a polícia não estava presente.

-Publicidade-

Uma reportagem da ITV News, rede inglesa independente de televisão, afirma que desde que explodiram os protestos antirracismo nos Estados Unidos, “as milícias estão se sentindo fortalecidas e encorajadas e estão saindo das sombras de uma forma nunca antes vista”, afirmam da descrição do vídeo. “Era como uma cena do Velho Oeste, mas sem um xerife na cidade”, acrescentam, ao destacar a ausência da polícia, da Guarda Nacional e dos líderes civis.

Dylan Stevens, líder do Angry Viking, argumenta que seu grupo está preenchendo um vácuo de segurança “após um verão de protestos e violência em várias cidades dos EUA”. Por outro lado, Nadia Ford, dos Black Lives Matter, rebate: “Nós tentamos a paz por anos, mas isso não nos levou a nada. Eles nos assassinaram por sermos pacíficos”, diz. “Apenas quando nos levantarmos eles nos levarão a sério e é o que vamos fazer”. Tanto Stevens quanto Nádia estavam armados quando deram essas declarações.

Em seu artigo publicado na mais recente edição de Oeste, Frank Furedi começa relatando uma viagem que fez pelos Estados Unidos em 2019, na qual uma garçonete no Maine afirma que em breve o país viveria uma guerra civil. “Na época, achei que ela estivesse exagerando”, escreve Furedi. “Os eventos dos últimos dois ou três meses indicam que a mulher meio que tinha razão. Infelizmente, as divisões dentro dos Estados Unidos endureceram a ponto de pessoas demais sentirem que a violência é um meio aceitável de fazer uma manifestação política”.

O vídeo abaixo mostra que infelizmente as coisas parecem estar indo para esta direção.

Leia também o artigo de Frank Furedi: Uma guerra civil nos EUA?

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. No final assim como lá, se utiliza as ideologias p poder impor seus interesses, porém quando a resposta é no mesmo tom, sempre o lado oponente é radical. A ideologia naxista surtiu efeito quase q no mundo todo. Dividiu pessoas p conquistar o poder. Os Estados Unidos estão sofrendo o mesmo mal q o Brasil sofreu durante décadas, criando minorias para poder controlar o poder. Espero q a resposta para esse conflito venha das urnas.

  2. “Nós somos pacíficos. Por isso eles nos matam.” Que bela mentira. O lobo nunca precisou de argumentos para matar a ovelha. Século XX está cheio de exemplos do pacifismo da esquerda. A esquerda sempre totalitária. Sempre mentirosa, assassina e maligna.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site