Senado aprova lei que acelera recuperação de empresas - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 26 nov 2020, 09:20

Senado aprova lei que acelera recuperação de empresas

26 nov 2020, 09:20

Medida é prioritária para o ministro da Economia, Paulo Guedes, que enxerga cenário positivo para o empreendedor

plano de saúde especial do Senado

Governo estima que 3.513 empresas possam entrar em recuperação judicial nos próximos meses
Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Para permitir que as recuperações judiciais de empresas no Brasil sejam mais rápidas, o Senado aprovou mudanças na Lei das Falências, na quarta-feira 25. A medida define parcelamentos de dívidas tributárias em dez anos e três anos para pagar débitos trabalhistas. A matéria já recebera a chancela da Câmara dos Deputados e, agora, foi aprovada pelos senadores simbolicamente. O texto vai à sanção do presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o projeto, a venda dos ativos da companhia que pediu falência será feita em 180 dias. O relator da proposta no Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), sustenta que a medida ajuda os empreendedores.

“Ao prever prazo máximo de 180 dias para a venda dos ativos da massa falida e consequente encerramento da falência, o projeto resolve um dos grandes gargalos jurídicos do Brasil, pois visa a reduzir o tempo de conclusão dos processos de falência no Brasil, fomentando assim o reempreendedorismo”, argumentou Pacheco, no relatório. A proposta aprovada pelo Senado é uma das medidas prioritárias do ministro da Economia, Paulo Guedes, de modo a ajudar na retomada econômica. O governo estima que 3.513 empresas possam entrar em recuperação judicial nos próximos meses em razão do vírus chinês. Contudo, o número pode ser maior.

Principais pontos da nova lei

1) Evitar que a empresa em recuperação judicial apresente um plano fora da realidade, em desfavor dos credores, ou fique postergando o cumprimento de suas obrigações, correndo o risco de dilapidar seu patrimônio.

2) Proíbe penhora ou busca e apreensão durante a fase de recuperação judicial.

3) Permite a inclusão de créditos trabalhistas ou por acidente de trabalho na recuperação extrajudicial se houver negociação coletiva com o sindicato da categoria.

4) Amplia as possibilidades de financiamento das empresas em recuperação judicial, permitindo que os donos deem seus bens pessoais em garantia de empréstimos para tentar salvar a empresa da falência.

5) Estimula negociações com credores fora da Justiça, a chamada recuperação extrajudicial.

6) Permite que o empresário que faliu e não foi condenado por crime possa voltar em menos tempo ao mercado.

7) Amplia as possibilidades de desconto e parcelamento de dívidas tributárias.

8) Possibilita aos credores apresentação de plano de recuperação judicial para a empresa devedora caso o plano apresentado por essa empresa não seja aceito na assembleia de credores.

9) Prevê liquidação mais célere dos ativos da empresa que foi à falência, antes que eles se depreciem.

10) Produtores rurais poderão pedir falência.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

Os novos senhores do mundo

Os gigantes da tecnologia censuram Trump, fazem o que bem entendem e exercem um poder global desmedido. Isso é justo?

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Macron e a soja

Macron e a soja

Sua última ideia a respeito do assunto é acabar com a “dependência” que a França teria da soja brasileira – in...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês