Senado gasta R$ 424 milhões por ano com pensionistas - Revista Oeste

Edição da semana

Em 25 set 2020, 10:30

Senado gasta R$ 424 milhões por ano com pensionistas

25 set 2020, 10:30

Viúvos e filhos recebem privilégios de até R$ 35.000 mensais; dados foram repassados por meio da Lei de Acesso à Informação

Senado

Senado Federal: histórica “caixa-preta” da República | Foto: Crédito: Ana Volpe/ Senado

Há décadas ouve-se no Brasil que o Senado é uma “caixa-preta”, o paraíso dos benefícios a políticos, familiares e servidores. Quando exerceu mandato, Darcy Ribeiro disse que a Casa “era o céu, com a vantagem de não precisar morrer para estar nele”. Em 2009, por exemplo, descobriu-se que o ex-presidente José Sarney tomava decisões administrativas por meio de atos secretos. Também já povoaram o noticiário inúmeras irregularidades envolvendo contratações de serviços superfaturados, notas fiscais irregulares, nepotismo e assessores nomeados nos redutos eleitorais dos parlamentares sem que se soubesse o tipo de trabalho (ou nenhum) que exerciam.

Há 20 dias, Oeste mostrou que os brasileiros pagam caro pelos planos de saúde de senadores — incluindo os que já não detém o cargo — e seus familiares. Nesta semana, um outro dado vem à tona: a Casa gastou no ano passado R$ 423.916.561,10 com pensionistas. São viúvas ou filhas que seguem recebendo valores, de R$ 522 a R$ 35.000 — como um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) –, incluindo 13º salário, depois que os ex-funcionários morreram.

A informação foi oficializada por meio da consulta da Oeste número 45.697, com base na Lei de Acesso à Informação. A busca pelos nomes dos beneficiados pode ser feita no portal do Senado (clique aqui) e fornece 1.904 lançamentos. Os repasses, a maioria em caráter vitalício, estão amparados no artigo 217 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990.

Filhas solteiras

Em janeiro, uma reportagem de O Estado de S.Paulo revelou que a Câmara e o Senado pagam pensões mensais para filhas solteiras de ex-parlamentares e ex-servidores. O privilégio atinge mais de 190 mulheres como base numa lei de 1958, do governo Juscelino Kubitschek. Trata-se de um custo de R$ 30 milhões por ano aos cofres públicos. Detalhe: nenhuma das duas Casas fiscaliza se, de fato, essas mulheres continuam solteiras — o cadastro só é atualizado se elas mesmas enviarem a notificação para a suspensão do benefício.

O Tribunal de Contas da União (TCU) chegou a pedir o fim do privilégio em diversos órgão públicos, mas o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), manteve os pagamentos mensais em decisão no ano passado.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. Da muita raiva desses pilantras!!!

    Responder
  2. Outras publicações deveriam seguir o excelente exemplo da Oeste em nos fornecer estas informações.

    Responder
  3. Uma sugestao.

    Devia somente ter o seguinte :

    11 deputados federais por estado.
    11 deputados estaduais por estado.
    11 vereadores por municipio.
    5 senadores por regiao.
    Voto distrital puro.

    Ja economizaria horrores. Mas nao. Querem agir como bestas que sao promovendo a farra com o dinheiro publico. Por isso que esse pais nao vai pra frente.

    Responder
    • Quando falo regiao, se refere a norte, nordeste, centro-oeste, sudeste e sul.
      Seriam apenas 45 senadores. Ta bom demais!
      Seriam 297 deputados federais no total. (11×27 contando o distrito federal, claro.) Ta bom demais!

      E apenas 7 juizes do STF e 7 no STJ pra economizar ainda mais. Assim acaba com a farra de uma vez.

      Responder
      • Correcao : Seriam apenas 25 senadores. Desculpe a gafe.

        Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês