Senador confirma que eleições serão adiadas para novembro - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 17 jun 2020, 12:12

Senador confirma que eleições serão adiadas para novembro

17 jun 2020, 12:12

Segundo Lasier Martins (Podemos-RS), líderes do Congresso concordaram que as eleições municipais fossem adiadas para dois finais de semana de novembro

Eleições adiadas para novembro

Decisão foi confirmada pelo senador Lasier Martins (Podemos-SC) | Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

O senador e segundo vice-presidente do Senado, Lasier Martins (Podemos-RS), confirmou que as eleições municipais deste ano serão adiadas para novembro. O acordo vinha sendo costurado nos últimos dias entre o Congresso e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Segundo o senador, o primeiro turno irá ocorrer no feriado de 15 de novembro. Portanto, o segundo turno, para cidades com mais de 200 mil habitantes, será em 29 de novembro. O adiamento ocorre por causa da pandemia do novo coronavírus.

Congresso

Agora, para definir a alteração do calendário eleitoral, o Congresso deverá aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Portanto, nesta terça-feira, 16, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu que a matéria comece a tramitar em duas semanas.

“Acho que o presidente Davi [Alcolumbre] vai conseguir coordenar esse trabalho. O ideal é que se comece em no máximo duas semanas a votação”, disse.

Maia também disse considerar positiva uma proposta de aumentar o tempo diário de propaganda eleitoral na TV, a fim de evitar aglomerações nas campanhas de rua.

Leia mais: “Congresso estuda dobrar o número de colégios eleitorais neste ano”

“Acho que é uma boa ideia. Nós vamos ter mais dificuldade, mesmo no momento de queda da curva, mesmo com a eleição adiada para a queda da curva, de aglomeração, de proximidade. Talvez ampliar não o prazo da televisão, mas o tempo de televisão durante o dia. Ou aumentar mais cinco dias a televisão. Talvez seja um caminho que possa ajudar”, afirmou.

Para ele, o impacto da renúncia fiscal das emissoras de televisão, em caso de ampliação do tempo de propaganda eleitoral, não “seria nenhum valor absurdo em relação à importância do eleitor poder conhecer os seus candidatos”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Em vez de estar estudando dobrar o número de colégios eleitorais os senadores deveriam estar agindo na superação da crise que se aprofunda. Ou estão favoráveis a ela? Até admiro o senador lasier Martins mas neste momento não escuto sua voz se erguer em defesa da liberdade e da constituição. Não queremos saber agora das eleições municipais e sim, de apaziguamento do país e valorização da constituição brasileira

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês