Servidores públicos não podem ser demitidos a partir deste sábado

Edição da semana

Em 15 ago 2020, 15:21

Servidores públicos não podem ser demitidos a partir deste sábado

15 ago 2020, 15:21

Lei eleitoral protege funcionalismo e proíbe transferências, cortes salariais e nomeações até a posse dos candidatos eleitos em novembro

funcionalismo público, eleições 2020, proibição, demissão, transferência, nomeação

Servidores públicos não podem ser demitidos a partir deste sábado | Foto: Marri Nogueira/Agência Senado

A partir desde sábado, 15, nenhum servidor público pode ser demitido, de acordo com a lei eleitoral.

A regra foi criada para que os funcionários de governos não pudessem ser cooptados por campanhas nem sofressem sanções por cumprirem com suas obrigações, caso estas fossem de encontro aos interesses de candidatos que ainda exerçam papel público.

Da mesma maneira, até que todos os eleitos tomem posse em 1º de janeiro, ficam vedadas as transferências e cortes salariais de funcionários públicos, bem como novas nomeações por parte de candidatos em campanha.

As exceções previstas são raras. Ficam fora das regras, por exemplo, contratações de funcionários para serviços públicos essenciais e situações de emergência, como o combate à pandemia.

Definir o limite entre a necessidade das contratações para a emergência sanitária e os abusos será um dos grandes desafios a ser enfrentado pela Justiça Eleitoral neste ano.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Funcionário público é, ou não, uma classe superprivilegiada? Ganham bem, produzem pouco, e não podem ser demitidos. É só nessa republiqueta de bananas mesmo.

    Responder
  2. Eles não podem ser demitidos nunca.Sugestão de pauta: pesquisem e irão constatar um grande número de servidores candidatos a Vereadores Brasil à fora. Ao se candidatarem devem “legalmente” serem dispensados de seus cargos e ficarem sem trabalhar recebendo seus salários. A maioria sabe que não tem chance nenhuma de eleição, mas estão na verdade interessados na “folga” de três meses em casa, sem fazer absolutamente nada e recebendo pagamento integral. Que país é esse? Perguntem ao Cazuza ou ao Francelino Pereira(autor da frase).Abraços!

    Responder
  3. Qual a data limite para demitir funcionários públicos durante as eleições? Sei que pela lei são 03 meses antes e 03 meses depois, mas a dúvida é a seguinte:

    – qual o dia e mês exato, tipo do dia X até o dia Y

    – quem não é necessário cumprir aviso prévio e a empresa paga pelo aviso, então a data pra tal ato e do dia X ao dia Y….

    OBRIGADO!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Supremas safadezas

Como os ministros do Pretório Excelso, o promotor da minha infância se julgava onipresente, onisciente e onipotente

A Suprema Corte e o abuso do poder

Quando juízes se tornam “superlegisladores”, as instituições se fragilizam e a sociedade perde a fé no sistema democrático

David Hume cancelado

Está em curso uma espécie de eugenia intelectual que conta com a simpatia ou covardia de reitores e professores de prestigiadas universidades internacionais

Vacina contra ditadura

Na ONU, Trump fez o que todo mundo com juízo deveria ter feito — e não fez, sabe-se lá por que mistério das escrituras empáticas

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

E chegamos à era dos ciborgues

Teremos nosso potencial mental multiplicado e nossas ações serão, literalmente, rápidas como o pensamento. O que faremos com esse novo poder?

Os intelectuais e a sociedade

Intelectuais ignoram que há mais sabedoria na população em geral do que num indivíduo qualquer, por mais inteligente que ele seja

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 27 — 25/09/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês