STF, um partido político - Revista Oeste

Revista

STF, um partido político
Na vida real, o Supremo atua como agremiação partidária. Persegue os amigos do governo e protege os seus inimigos
21 ago 2020, 08:56

O Supremo Tribunal Federal do Brasil é hoje um partido político. Abandonou, já há um bom tempo, as aparências de uma corte de Justiça, e no momento funciona praticamente em tempo integral como um escritório de despachantes que se dedica a servir os interesses ideológicos, pessoais e partidários dos seus onze ministros. O ministro Edson Fachin acha que as eleições de 2018 para presidente não foram “legítimas”, e que as de 2022 também não vão ser, porque o seu candidato não ganhou a primeira e, a menos que seja dado um golpe jurídico, não vai ganhar a segunda. O ministro Gilmar Mendes sustenta que é preciso reduzir os poderes que a lei dá ao presidente da República, como se o país estivesse num regime parlamentarista — e que é possível fazer isso sem um plebiscito ou qualquer outro tipo de aprovação popular. O ministro Luís Roberto Barroso quer escolher o sistema econômico que o Brasil deve seguir; o “liberalismo”, segundo ele, tem de ser eliminado.

Não importa saber, realmente, se as eleições de 2018 vão ser mesmo anuladas e se o STF vai declarar vago o cargo de presidente da República. Também não vem ao caso perder tempo tentando adivinhar se o Brasil vai acabar com o regime presidencialista no tapetão — ou se os ministros baixarão uma liminar mandando adotar o socialismo na economia nacional. Nada disso está no mundo das coisas que são possíveis na prática e neste momento. O que é preciso registrar é a interferência aberta, abusiva e inconstitucional do STF na política brasileira, e o uso das suas funções legais como tribunal de Justiça para favorecer os propósitos das forças que hoje se colocam contra o governo federal. Essa conduta não sai de graça. Agride diretamente o Estado de Direito, o império da lei e a democracia no Brasil. Como resultado, a principal corte de Justiça brasileira é hoje, pela deformação patológica que lhe está sendo imposta por seus ministros, o principal fator de instabilidade política, econômica e social deste país.

“O STF está sendo utilizado pelos partidos de oposição para fustigar o governo”, disse dias atrás o ministro Marco Aurélio Mello. “Isso não é sadio. Não sei qual será o limite.” Quem está falando isso não é nenhum “blogueiro de direita” ou militante “contra a democracia”, desses que o ministro Alexandre de Moraes persegue com batidas policiais, apreensão de celulares e censura do que dizem nas redes sociais. É um ministro; supõe-se que o presidente Dias Toffoli e seus outros colegas não vão abrir uma investigação secreta contra o homem. Se ele, Marco Aurélio, não sabe qual é o limite, imagine-se então nós outros. Onde vai parar esse negócio? Não há precedentes, na história brasileira, de um tribunal supremo que tenha se comportado de forma tão abertamente ilegal quanto esse, nem abusado tanto dos poderes que a lei lhe confere, nem agido como uma organização política. Nunca tendo acontecido isso antes, também não dá para saber o que vai acontecer agora.

Fachin, como a maioria dos outros dez ministros, não aceita o Brasil como ele é

O que se tem de concreto são os fatos. O mais recente deles é o surto de manifestos do ministro Fachin a respeito de como o Brasil deveria ser governado, e por quem — e as suas sentenças de condenação contra o povo brasileiro, que ele considera uma gente insatisfatória, desprovida de virtudes cívicas e incapaz de votar direito para presidente da República. De acordo com o ministro, a eleição de 2018, que escolheu o atual governo, está com problemas. O ex-presidente Lula, segundo Fachin, tinha de ter sido candidato; o sujeito oculto da frase é que ele não participou porque foi uma vítima de “perseguição política”. A candidatura de Lula, que na ocasião estava preso num xadrez da Polícia Federal em Curitiba, cumprindo pena por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, teria “feito bem à democracia” e reforçado “o império da lei”. Como assim — “império da lei”? É o contrário: Lula não foi candidato, justamente, porque naquela ocasião a lei estava valendo. No caso, a Lei da Ficha Limpa, que proíbe que condenados pela Justiça em segunda instância como Lula (que, na verdade, acabaria sendo condenado em três) se candidatem a cargos públicos.

O que o ministro Fachin faz é mais do que uma falsificação da realidade. Ele está dizendo, simplesmente, que a eleição presidencial de 2018 não foi legítima. Se um candidato, de acordo com a sua opinião, foi “impedido” de concorrer, então a eleição não vale. Fachin não apresentou nenhuma sugestão prática sobre o que fazer a respeito desse problema. Tira o presidente do palácio? Deixa, uma vez que ele está lá mesmo? Não se sabe. Mas o ministro já avisa que a eleição de 2022 também pode estar “comprometida”. Pelo que se pode deduzir do que falou, Jair Bolsonaro teria laços “com milícias”, não condenou “atos de violência cometidos no passado” e faz a democracia viver “riscos”. Na sua opinião, o governo estaria fazendo nas intenções o que o STF faz todos os dias na prática: valer-se da legalidade para destruir o Estado de Direito. Para completar, o ministro diz que o povo brasileiro é culpado de “alienação eleitoral”. Nas últimas pesquisas de opinião, o presidente teve índices de aprovação muito altos — e Fachin acha que ser a favor de Bolsonaro é ser alienado. O eleitorado, em suma, não tem qualificação para eleger o presidente da República e se Bolsonaro ganhar em 2022 a eleição não pode valer.

É um espetáculo simultâneo de autoritarismo, pregação a favor de um golpe de Estado e desprezo explícito pelo povo brasileiro — a quem Fachin acusou de apatia e de contribuir para o que considera ser uma “bárbara progressão de desconfiança no regime democrático”. Não ocorre ao ministro perguntar por que, afinal, existe essa desconfiança em relação à democracia — e, especialmente, se a sua conduta, e a conduta dos seus colegas de STF, não tem nada a ver com isso. Como poderia ser diferente? Fachin, como a maioria dos outros dez ministros, não aceita o Brasil como ele é; quer, na condição de “editor” que lhe foi dada pelo colega Dias Toffoli, criar um modelo de país e encaixar nele o Brasil que existe; quer escolher o que o povo deve pensar, e em quem ele deve votar. Gente assim é capaz das coisas mais esquisitas. As presentes lamentações de Fachin têm como fato gerador a decisão de um comitê da ONU, que não tem autoridade para mandar num carrinho de pipoca, decretando que a Lei da Ficha Limpa não valia e que Lula tinha de ser candidato em 2018. O ministro ficou a favor desse disparate — e perdeu por 6 a 1 na reunião que manteve a validade da lei brasileira no Brasil e o veto a uma candidatura ilegal. Pior que isso, num plenário de sete votos, só mesmo perdendo de 7 a 0; mas Fachin acha que todos os outros estão errados e só ele está certo.

Em matéria de desrespeito por parte da população, o STF não pode piorar

Não adianta nada ficar dizendo que “respeita” a decisão; se ele de fato respeitasse não estaria dizendo por aí as coisas que diz. Mas o Supremo de hoje é isso mesmo. O que esperar de uma corte de Justiça presidida por um cidadão que foi reprovado duas vezes seguidas no concurso público para juiz de direito e, portanto, considerado oficialmente incapaz de ocupar um cargo de magistrado? Esse mesmo tribunal parece envolvido em atingir a meta de 100% de aproveitamento nas sentenças que dá para tirar bandidos ricos da cadeia. O ministro Moraes conduz há quase um ano e meio um inquérito inteiramente ilegal contra militantes políticos e jornalistas de direita; mas a ministra Cármen Lúcia não quer que o Ministério da Justiça investigue suspeitos de praticar banditismo político de “esquerda”. Quer dizer: o STF, na vida real, persegue os amigos do governo e protege os seus inimigos. É o modelo de imparcialidade da Justiça em vigor no Brasil contemporâneo.

O Supremo Tribunal Federal é hoje a entidade pública mais desprezada do país. Em matéria de desrespeito por parte da população, não pode piorar, da mesma forma que o morto não pode morrer mais do que já morreu. Como diria o ministro Marco Aurélio: “Não é sadio”.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

94 Comentários

  1. Pois é Guzzo, concordo 100% com você!
    Temos que achar um jeito de dissolver esse tribunal, a cada dia mais ilegítimo!
    Se ele não respeitam a constituição, por que nós devemos respeitar?
    Precisamos achar o jeito de fazer isso o mais breve possível.

    Responder
    • AI-5, ou nada!

      Responder
      • Caríssimo JRGUZZO. Obrigado pela verdade em fabulosa síntese Deus o guarde e a essa revista

        Responder
        • Mais claro do que isso para definir o que é hj esse prostíbulo chamado de STF é IMPOSSÍVEL, parabéns Guzzo!!!!

          Responder
      • NÃO VEJO O STF COMO UM PARTIDO POLÍTICO,É NÍTIDO QUE SUAS AÇÕES MAS PARECEM DE UMA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA.

        Responder
        • Concordo inteiramente. Talvez o Guzzo concorde também, mas acho que ele não pode dizer isso.

          Responder
        • Acho perfeita a exposição de JR Guzo fez sobre o prostibulo chamado STF, nunca pensei que um Tribunal da mais alta Corte de um pais, cujas decisões são irrecorríveis devia ser constituído de pessoas de caráter e não de pessoas que solta os bandidos que estão condenados a penas de até 40 anos ou mais. mas tudo na vida passa e este Tribunal também passará assim como seus ministros.

          Responder
    • Gosto muito de seus argumentos Guzzo. Pensando nas Instituições tem-se de arranjar um meio de resolver esse problema usando o artigo 142 da CF ou outro meio legal senão estaremos condenados a ficar apenas criticando, lamentando , atitudes que não nos darão solução. Parabéns pelos excelentes comentários.

      Responder
    • O STF está levando o Brasil a ser uma VENEZUELA e um país COMUNISTA onde os POLÍTICOS E JUIZES GARANTEM AS MORDOMIAS enquanto o povo se ferra. #StfDaVergonha HIPÓCRITAS

      Responder
    • Comentou-se acertadamente que o problema não é o STF. Quase nenhum juiz vêm reclamando do STF (tirando os magistrados que redigiram o livro ‘O Inquérito do fim do mundo – o apagar das luzes do Direito Brasileiro’, organizado pela promotora Piovesan). Nas faculdades ensina-se um Direito ‘de esquerda’: o juiz ‘progressista’ pode decidir contra a lei, se esta não for ‘progressista’. O mesmo vírus esquerdista que viceja nas faculdades de ciências humanas (Sociologia, História, Ciência Politica etc) se enraizou nas de Direito, e o resultado é o descalabro de o Judiciário desconsiderar a norma escrita. No curto prazo, só vejo uma solução: repetir, gritar, bradar que o STF vai destruir a Lava-a-Jato se o povo deixar.

      Responder
      • #StfDaVergonha militantes políticos de oposição. Um projeto do RATO LADRÃO

        Responder
    • Problema. A solução seria o Senado, que é refém do STF. Se aceitasse impeachment, se abrisse CPI … se tivesse vergonha na cara, poderia destituir uns três ou quatro Ministros. Mas e daí, os que assumirem processarão os Senadores poderosos.
      Revogação da EMENDA Constitucional da Bengala, voltando a aposentadoria compulsória aos 70 anos. Também reformaria bastante a casa. Mas cadê apoio do Congresso?
      Aposentadoria por motivo de saúde? Por desistência? Não se vê ninguém com o perfil, até o “Juiz de M…” prestes a se aposentar.
      Intervenção divina? É no que acredito.

      Responder
    • O STF é um braço do crime organizado eles são pagos por nós para defender o Lulopetismo maldito que destruio o nosso país os marginais e corruptos terroristas ladrões

      Responder
      • Excelente

        Responder
    • O grande problema é o Senado que não toma nenhuma atitude.

      Responder
  2. Perfeita análise !!!

    Responder
    • A solução que vejo é o povo ir às ruas e exigir dissolução desse tribunal da vergonha.
      Estão nos calando e oprimindo cada vez mais . Quem poderia resolver jamais fará algo pq estão enlameados até o pescoço.
      Desobediência civil já

      Responder
  3. Teu texto é um bálsamo na pandemia de ignorância e safadeza. Qualquer juiz do interior pode se dar por impedido em determinados processos, ou por conta própria ou confrontado com petições de advogados bem remunerados pelos seus clientes. No STF já abundam dezenas de casos que seguiria a mesma fonte do bom Direito, da Imparcialidade e da Ética: a suspeição e o impedimento para atuar são visíveis até para quem está no jardim da infância. Ministros que cantam de galo na imprensa e em lives planejadas para criticar e dizer besteiras (e não é fake) e pré-julgam não podem atuar, presidir seções, relatoriar ou até mesmo votar em casos que se manifestam contra uma parte. A maioria da população já sabe a causa desta afronta ao Estado do Direito proporcionado pelo STF: eles devem ter o rabo preso e determinadas investigações devem ter chegado neles. Seria uma máfia?

    Responder
  4. A culpa, em grande parte, é do Senado e do Presidente que indicou essas coisas. Compete privativamente ao Senado Federal, processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal. Os Ministros do Supremo Tribunal Federal serão nomeados pelo Presidente da República, depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Senado Federal.

    Responder
    • Paulo na verdade a culpa é da constituição que foi feita por esse grupo do antigo MDB ou seja , PT, PSDB, PMDB em causa própria. Se só um pode julgar o outro e só outro pode julgar um o mais ponderado e fácil é ninguém julgar ninguém. O nosso problema é como nos livramos disso aí.

      Responder
    • O Senado é igual, estamos em uma “sinuca de bico”

      Responder
  5. É chegada a hora da Desobediência Civil? Seria uma maneira de protestar contra o abuso desse tribunal. Tem respaldo legal tal atitude? A Desobediência Civil estará no mesmo patamar jurídico do direito do povo de resguardar sua soberania quando é ofendida?

    Responder
    • Guzzo está certo, o que nos resta é despreza-los.

      Responder
      • Não se pode desprezar aquilo que faz mal.

        Responder
    • Mais algumas gotas e o copo vai transbordar e aí quero ver. Será que o STF vai pagar pra ver?

      Responder
  6. O Sr. Guzzo está entre os melhores jornalistas do Brasil. Ponderado e firme em suas análises e esta, então, sobre o STF, teria que aparecer em toda a mídia nacional!
    Parabéns!

    Responder
  7. É desnecessário dizer da perfeição do texto, simples, direto e de fácil entendimento. Agora faço eu uma pergunta: Como devemos fazer para cassar o registro (licença) desse partido político? Isso é algo urgente, antes que destrambelhe de vez.

    Responder
    • Não há como cassar. O “sistema” perverso que foi criado pela tal constituição cidadã faz com que senadores, muitos com processos criminais parados no stf, jamais teriam caráter e coragem para iniciar um processo de impeachment contra quem vai julga-los. E pelos nomes que tem sido mencionados para futuros ministros, vê-se que o critério de escolha permanece o mesmo. Nenhum com passado decente pela magistratura. Só gente da turma da casa: major de polícia militar, pastor extremamente evangélico, etc.
      Guzzo (responsável por minha assinatura da Oeste) tem total razão. Será que tem esperança?

      Responder
    • Já destrambelhou faz tempo

      Responder
      • Guzzo, tu és um f*o*d*a*ç*o.
        Perfeito. Acabe com esse supremo ajuntamento de palhaços.

        Responder
        • Bota fodaco nisso

          Responder
  8. Analise perfeita ! Mas como quebrar o circulo vicioso, de que o Senado( onde pululam corruptos) não age porque o STF pode julga-lo a qualquer momento…

    Responder
    • Cassar, impossível. Caçar, proibido pelo Ibama. Tem jeito não…

      Responder
    • Pelo voto, mas fica difícil com o sistema nosso pois os políticos distribuem verbas “nosso dinheiro” e ganham votos de cabresto!

      Responder
  9. Como sempre a leitura de artigos desse jornalista nos enche de prazer e nos permite profundas reflexões. Apresentado com clareza deslumbrante permite aos leitores conhecerem de forma cristalina o que vem acontecendo com a corte mais elevada do nosso país. O diagnóstico apresentado é estarrecedor e demonstra os desvios e aberrações praticados pela maioria dos seus integrantes e também pela omissão de outros que silenciam em conivência com maus procedimentos. Precisamos de outra composição desa corte tão importante e essa transformação exige urgência para bem da nossa sociedade e para o bem do nosso país.

    Responder
  10. Um antro de canalhas. Esse é o stf.

    Responder
  11. Se o ministro Fachin entende que o povo brasileiro vive uma “alienação eleitoral” é porque, a “contrario sensu”, ele acredita que o povo tinha consciência eleitoral na época em que o PT governava este país. É triste ver o que o STF se tornou, mestre Guzzo.

    Responder
  12. Quando uma Corte Suprema rasga a Constituição e passa a perseguir, prender e calar a voz daqueles que ela considera incômodos isso tem um nome: ditadura.

    Responder
    • Concordo inteiramente. Talvez o Guzzo concorde também, mas acho que ele não pode dizer isso.

      Responder
  13. Para mim este supremo não cumpre mais seus objetivos e portanto seus membros devem ser substituídos como substituímos um empregado que não faz o trabalho para o qual foi contratado. Simples assim. Pena que o Senado que poderia resolver esse problema também não cumpre mais seus objetivos e muitos lá também devem ser substituídos pela mesma razão. Não podemos gastar nosso pobre dinheirinho com empregados tão incompetentes. Parabéns Guzzo por dizer o que temos vontade de dizer.

    Responder
    • Lamentável ….
      Vergonhoso a atuação do supremo ,
      De lúcido ,de impecável temos única e exclusivamente essa matéria assinada pelo JRGuzzo,
      Nossa única alternativa é berrar ,denunciar aos 4 cantos do país essa aberraçao que presenciamos todos os dias !

      Responder
  14. Onde esta o cabo e o soldado?

    Responder
  15. O diagnóstico foi dado. Qual a terapia?

    Responder
  16. PERFEITO!!!!
    Já compartilhei para a minha página do FB.

    Responder
  17. Texto irretocável daquele que, na minha opinião, é o mais importante cronista dos tempos atuais que estamos sofrendo – José Roberto Guzzo.

    Responder
  18. PERFEITO o texto do GUZZO, e a dúvida nossa é o que ainda o stf fará de ruim, será que teremos que ir as ruas para defender a democracia contra esse fascistas.

    Responder
  19. Paulo na verdade a culpa é da constituição que foi feita por esse grupo do antigo MDB ou seja , PT, PSDB, PMDB em causa própria. Se só um pode julgar o outro e só outro pode julgar um o mais ponderado e fácil é ninguém julgar ninguém. O nosso problema é como nos livramos disso aí.

    Responder
  20. O Guzzo diz bem articuladamente aquilo que todos dizem aos palavrões pelas ruas do país.
    Obrigado pelo texto perfeito.

    Responder
  21. Gosto de ler todos os comentários, na sua quase totalidade feito por pessoas de bom nível intelectual. Porém não dá pra entender por que a maioria ainda não chegou à unica conclusão possivel.
    Eessa esquerdalha maldita só entende uma linguagem, exatamente a que está usando por ora, e a mesma que utilizaria (ou utilizará) quando tiver o poder total nas mãos. A história conta o que aconteceu na extinta URSS, o que acontece em Cuba e na Venezuela.
    Indo direto ao ponto, o que é que o Presidente Bolsonaro, na condição de Comandante Supremo das FFAA, está esperando para invocar o Artigo 142 (ou na sua inexequibilidade outro qualquer) e acabar com essa festa macabra, removendo os pulhas daonde se encontram e instaurando no lugar JUIZES de verdade? Ahhh… mas aí será GOLPE!
    GOLPE é o que essa corja está dando contra o Brasil. Um GOLPE do mal.
    Que venha o GOLPE DO BEM.

    Responder
  22. Caro jornalista Buzzo. Os “despachantes” com que trato meus negócios e, também, seus “escritórios”, são de minha e de meus amigos, de altíssima confiança e honorabilidade!
    Nada tem a haver com esses Saberes Toscos Frágeis de Brasília.

    Responder
    • Parabéns J.R.GUZZO ,perfeita análise mas faltou dizer que toda à justiça Brasileira está nessa e não só o STF.
      Ainda não ouvi ninguém nenhum juiz ex-juiz ou mesmo algum tribunal se manifestar contar as atrocidades do STF então a coisa é muito pior que só o supreminho à justiçazinha nacional também não presta sem esquecer os esquerdinhas do ministério público que estão mais preocupados com eles do que com o povo.

      Responder
  23. A intolerância de um lado e de outro o medo, começam a ficar mais forte! Intolerância com o STF, bem abordada no seu artigo, é generalizada aos brasileiros com um mínimo de crítica política e cidadania. O medo é o que jornalistas como vocês da Revista Opinião, Pingo nos I´s, e alguns outros que ainda mantêm uma lucidez ética causam nesses ocupantes do alto judiciário nacional. Eles se recolhem e não ousam levantar as mãos contra essas vozes, simplesmente porque sabem que a briga será o estopim de uma convulsão social sem precedentes. Resumindo: senta o cacete!

    Responder
  24. Parabéns pelo excelente texto! Perfeito.

    Responder
  25. Excelente análise, JRGuzzo. Pergunto-lhe: em sua opinião é possível sair desse atoleiro “seguindo os ditames constitucionais” enquanto essa corte bufa os avilta tão ostensivamente?

    Responder
  26. Se nem um STF como este serve pra motivar o artigo 142, podem jogá-lo fora.

    Responder
  27. Excelente.

    Responder
  28. Ainda bem que temos o Mestre Guzzo para nos representar e dizer tudo o que pensamos.Infelizmente esse tipo de posição é exceção na imprensa brasileira atual, só nos restando mesmo ler a Oeste, que mostra as coisas como elas são.
    Obrigado, Mestre Guzzo !
    Parabéns pela coragem e por nos representar tão bem.

    Responder
  29. A pergunta é saber quem vai parar esses abutres?

    Responder
  30. Guzzo é muito bom. O negócio esta em freio. Tá feio.

    Responder
  31. Minha tristeza sem fim é não poder – com parcos os recursos que tenho- ir embora do Brasil e nunca mais voltar.E isso não tem nada a haver com o atual Governo.Todos nós sabemos que isso tudo nunca vai mudar,por mais que nos debatamos.É inútil tentar. Seria necessária uma mudança tão radical quanto impossível no cenário e nas conjunturas atuais, a começar por reformas que nunca sairão do papel.O sistema está fechado para nós.Não há como entrar. Talvez- talvez mesmo – a única saída fosse a desobediência. Demonstrar na prática o descontentamento, sem violência de espécie alguma. Como? Comparecer às eleições , mas não votar em nenhum parlamentar . A lei permite votar em branco e até anular o voto. É legítimo. Assim seria um grande recado aos atuais políticos. Infelizmente poucos bons políticos seria sacrificados, mas poderiam retornar.Os demais Expurgar todos.Com os novos, tentar as mudanças necessárias para o aperfeiçoamento das leis e seus marcos regulatórios.Caso algum Presidente queira se valer do falado Art 142 da Constituição será considerado Golpe, isso é sabido. Então o único “golpe” possível(usando indevidamente o termo) será dado pelos eleitores aos demonstrarem nas urnas o que realmente querem. Por quê sou cético? Porque infelizmente não é isso que os eleitores demonstram querer. Quando vejo algum jornalista atribuir alguma mudança à famigerada “pressão popular” me pergunto: pressão popular? Onde?Quando?Com que frequência e intensidade?Nada meus amigos. Nada.Essa é a dura e triste realidade.

    Responder
  32. Guzzo, tenho que agradecer pelos textos e opiniões. Minha opinião sobre o que se passa no Brasil, incluindo o 5TF, é o desespero de saber que as coisas estão mudando, e mudando para melhor.

    Responder
  33. Como sempre ,perfeito!

    Responder
  34. Tenho insistido em que jamais as regras deverão ser dedobedecidas, e apelando à IMPRENSA comprometida com o meu país, para ñ mais tergiversarem sobre o q realmente é a obrigação de todos nós brasileiros de bem: dar celeridade pós quarentena, ao q iniciamos em 2013 nas RUAS, afastando em 5 anos o EXECUTIVO do CONLUIO entre os 3 PODERES. A nossa prestação de contas é unicamente com o SENADO Federal, q acaba de nos decepcionar + 1 X, agora voltando às RUAS pela PRISÃO em SEGUNDA instância e fim do foro privilegiado. Já ficou tarde. É só acompanhar a frente de combate da VEZ. Se revezam os comunas nesta tentativa sórdida de manter o status quo de corrupção e ideologia, nefastas a 1 sociedade igualitária, ordeira, conservadora e cristã, valores tradicionais do sofrido POVO BRASILEIRO.

    Responder
  35. As transformações e decisões políticas sempre passarão por Minas Gerais. Ainda que FHC e Lula, eleitos pelos mineiros, tenha nos vilipendiado, já iniciamos a retomada, primeiro confirmando o “#nãofoigolpe” tirando dilmAnta da política, e ao mesmo tempo mostrando aos 2 facínoras citados, que ñ temos bandidos de estimação, descartando de 1 só vez ao governo do estado, Pilantrel e o isentão do Anastasia. Este senador e Rodrigo Pacheco estão com suas batatas assando, e certamente esta será a última legislatura desses patetas.
    Libertas quae será tamen, ordem e progresso, nossas bandeiras tem cor e mensagem.
    As bandeiras dessa gente apenas amarela. Ñ é Reinaldo Azevedo?

    Responder
  36. Exatamente, o STF é hoje a instituição pública mais desprezada do País, fruto de uma atuação desastrosa (por atecnia, por ações até delituosas, ou mesmo por omissão), dos seus ministros. Não salva-se nenhum. A questão é: o que fazer? Há somente duas opções, via Senado, ou, se não, via art. 142 da CF. Mas o Senado vem, reiteradamente, traindo a Pátria. Seu Presidente prevarica e comete improbidade administrativa ao não mandar para a Mesa Senatorial a tramitação de nada menos do que 51 pedidos de impeachment de ministros do STF, um daqueles subscritos por mais de dois milhões de cidadãos. E há ainda a “CPI da Toga”… Qual dos senadores ou partido político ou a silente OAB (aiii, defensora do estado de direito, conta outra) peitou isso para valer, ajuizando mandado de segurança no STF (essa, eu quero ver) e representando contra Alcolumbre junto ao PGR? A Lei 1.079/50 – inclusive o seu art. 9º – existe, ou não? Qual desses “representantes” (?) do povo adotou medida concreta para mudar o Regimento Interno daquela Casa, que confere (ou pensa-se, convenientemente, conferir) poderes autocráticos e quase absolutos ao seu Presidente? Senado, que deveria ser o fiel da balança em favor da sociedade, vem mostrando-se, isso sim, deletério à cidadania. Desse jeito, por quê sistema bicameral, tão oneroso e sem serventia factual??? Ficam debatendo o debate, dialogando o diálogo e discutindo a discussão, e não fazem nada de efetivo. O País sangra e está sendo vítima de um golpe branco de estado, diuturnamente perpetrado por quem tripudia a toda hora das garantias fundamentais, e nada é feito??? A quebra das liberdades basilares da Constituição, por quem mais deveria por ela zelar é muito mais séria do que a Pandemia (sobre isso, que vai dizer agora a catrefagem midiática e da OMS sobre a recomendação chinesa do uso da cloroquina?). E o Senado, onde se embuça? E os freios e contrapesos da nossa Lei Maior? Ah, não dá para fazer nada enquanto durarem as sessões virtuais… Como assim? Fosse em qualquer outro País mais esclarecido sobre o que significa democracia e liberdade de expressão, o que já teria acontecido? Quem poupa o lobo sacrifica as ovelhas. O Brasil professa uma cegueira deliberada, e está vivendo na gaiola dourada de La Boecy? Lembremo-nos de Churchill: “Conciliador é aquele que alimenta um crocodilo – na esperança de que ele o devore por último”. Senado, a tua hora já está dormida, de tão madura. Vais fazer o quê? Refestelar-se insidiosamente na mancomunação, ou mostrar claramente ao Brasil a que vieste? A outra é o Presidente ter coragem e invocar o art. 142 da CF (que está lá, na Carta Maior, sim, e por isso pode ser aplicado), e dar fim a essa bandalha.

    Responder
    • Caro SILVIO
      Muito obrigado pelos comentários. Achei o seu texto excelente. É mais um artigo para esta edição da OSSTE — é quem ganha são os leitores.

      Responder
    • Muito bom mesmo Sílvio. Juntos, ordeira e patrioricamente, concluirmos o que já iniciamos em 2013 é um dever de todos os brasileiros de bem. E somente as RUAS, numa PRESTAÇÃO DE CONTAS c o CONGRESSO, diretamente com quem nos trai acintosamente, haveremos de reconquistar esta linda NAÇÃO. Repito, Anastasia e Rodrigo Pacheco se arrependerão de serem traidores da Bandeira de Minas Gerais: LIBERTAS QUAE SERA TAMEN. Nos desvencilharmos dos trastes q golpeiam nossa nação, ainda que tarde: ESTE Ê O PLANO.

      Responder
    • A Revista Oeste pode contratar um novo articulista. Excelente texto do sr. Silvio Tadeu De Avila. Parabéns !

      Responder
  37. Muito bom, mas vc deveria, antes de finalizar o artigo, ouvir a opinião das FFAA. Tirar Bolsonaro da PR só por via de eleições SÉRIAS. Se tentarem algum golpe ou maracutaia, a coisa ficará feia.

    Responder
  38. Parabéns, Guzzo , por tuas opiniões fortes
    e corajosas !
    Tens o melhor texto do país hoje !
    É um dos motivos porque passei a assinar
    essa revista.
    Continua na luta !
    Abração !
    Érico Borowsky

    Responder
  39. Assino a revista porque é de direita e liberal.
    Além disso tem uma ótima equipe de jornalistas.
    Érico Borowsky

    Responder
  40. Triste Brasil.

    Responder
    • O texto acima do leitor Sílvio de Ávila merece ser replicado e usado como base para ações práticas contra esse STF atual (não a instituição, mas seus ocupantes hoje). Até o mestre JR Guzzo agradeceu e achou excelente. Sobre o uso do Artigo 142 da Constituição, é pra isso mesmo que ele serve, tirar ocupantes ruins de instituições boas. A esquerda vai dizer que é “golpe”, sim, mas isso vão dizer mesmo, SEMPRE que algo for contra eles, seja por eleições, seja por uso da lei, seja qual meio for.

      Responder
  41. Infelizmente estes ministros têm sido pouco criteriosos nas decisões que tomam não estão nem aí para os efeitos colaterais das mesmas agem como se fossem e entidades acima da razão, do bem e do mal ao chegarem ao lastimável ponto de desenharem a sociedade brasileira que lhes parece ideal e o pior querem a todo custo concretizarem sua obra modelada em sua obra de ficção. Não querem ver que milhões de brasileiros decidiram mudar o representante maior do país pois se fartaram do que estava sendo feito da nossa sociedade , por fim parece que a liberdade de escolha do nosso povo incomoda muito essa minoria que pelo que se tem visto através de decisões monocráticas que tomam estão distante da realidade do que nos povo brasileiros desejamos para a nossa nação.

    Responder
  42. STF , esta gang , só com uma baioneta na cara pra resolver, porque quem tem os votos nao manda e só eles , os escolhidos por DEUS é que sabem o que fazer,,,bando de safados…

    Responder
  43. E ao Guzzo meus cumprimentos por mais este brilhante texto e contribuição ao país…

    Responder
  44. Nosso brilhante Guzzo foi direto ao ponto, numa matéria publicada em 17/10/2019 (“A FILA ANDA”). Vejam só (trechos da matéria), fato tão presente na data de hoje: “Um dos grandes amigos do Brasil e dos brasileiros de hoje é o calendário. Só ele, e mais nenhum outro instrumento à disposição da República, PODE RESOLVER UM PROBLEMA QUE JAMAIS DEVERIA TER SE TRANSFORMADO EM UM PROBLEMA, POIS SUA FUNÇÃO É JUSTAMENTE RESOLVER PROBLEMAS – O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL.”
    ELES SÃO OS ONZE MINISTROS QUE FORMAM A NOSSA “CORTE SUPREMA”, E NÃO PODEM SER DEMITIDOS NUNCA DE SEUS CARGOS, NEM QUE MATEM, FRITEM E COMAM A PRÓPRIA MÃE NO PLENÁRIO. SÓ HÁ UMA MANEIRA DA POPULAÇÃO SE LIVRAR LEGALMENTE DELES: ESPERAR QUE COMPLETEM 75 ANOS DE IDADE. AÍ EM COMPENSAÇÃO, NÃO PODEM SER SALVOS NEM POR SEUS PRÓPRIOS DECRETOS. TEM DE IR EMBORA, NO ATO, E NÃO PODEM VOLTAR NUNCA MAIS. GLÓRIA A DEUS!”
    Espetacular, né! Recomendo àqueles que não
    leram apreciar na íntegra. Pois é, lamentavelmente, temos que nos abster à democracia; rezar para que o nosso presidente tenha coerência e ouça a voz do povo na nomeação dos sucessores. É o que nos resta…

    Responder
    • Prezado LUIZ ,

      Que bela memória, meu amigo !
      Muito obrigado pela lembrança… É isso o que temos.
      Um forte abraço
      G.

      Responder
  45. Parabéns pelo artigo.

    Responder
  46. Cuidado Guzzo, esta turma não gosta que digam verdades para eles. Vivem no mundo de Nárnia.

    Responder
  47. Tempos de TREVAS esses que vivemos…
    #ministrosdoSTFvergonhanacional

    Responder
  48. Guzzo, eu o seguiria pela Oeste, Leste, Norte ou Sul. Cancelei a Veja quando vc foi saído de lá. Graças a Deus tenho onde ler você, Muito obrigada pela lucidez, coragem e clareza com que lê nossas mentes e coloca o que pensamos e sentimos em textos tão perfeitos. Muito obrigada!

    Responder
    • Querida ANA LUCIA

      Muito obrigado !
      É uma honra ler as as palavras.
      Bjs +
      G

      Responder
      • … as suas palavras

        Desculpe nossa falha …
        G.

        Responder
  49. Tão nefasto quanto os onze soretes togados do STF é o comando das FFAA pusilânime e corrupto. Estes milicos traidores da pátria e povo sonham em submeter-se ao Grupo de Puebla e ser agraciado com o comando do narcotráfico no Brasil, podendo assim enriquecer como seus congêneres venezuelanos. Daí assistirem passivamente os desmandos da corja do STF. Transformaram as FFAA numa instituição moralmente podre que, ao invés de defender seu povo, patrocina seu genocídio.

    Responder
  50. Texto primoroso!

    Responder
  51. Parabens pelo artigo.Lucido com sempre. Muito bom ser assinante da unica revista isenta do Brasil

    Responder
  52. GUZZO !! Feliz comentário. Não é possível a sociedade manter um PODER da republica de advogados e Juízes , escolhidos por Políticos n maioria corruptos, que trabalham contra os direitos da maioria da sociedade. Faço uma pergunta : Não podemos dizer que vamos sujeitar essa imposição desses Ministros ,

    Responder
    • #StfDaVergonha militantes políticos de oposição. Um projeto do RATO LADRÃO

      Responder
  53. Honestamente penso que esses pseudos ministros estão querendo provocar uma guerra civil.

    Responder
  54. GUZZO !! Comentário perfeito, parabéns.
    Faça uma pergunta : A sociedade não é obrigada a manter um Poder da Republica , com advogados e Juízes colocados por um SENADO ,q pago por NÓS e trabalha contra o PAIS

    Responder
  55. GFUZZO !! Se o maior poder e o povo. Porque esse mesmo povo na sua maioria, não pode , com o respaldo das nossas FORÇAS ARMADAS, criar um ‘TRIBUNAL CONSTITUCIONAL ” e colocar esses Ministros para fora do PODER ?

    Responder
  56. Acordem, cordeiros!

    Responder
  57. 😔😔😔😔 tudo isso me deixa triste, uma sensação de impotência.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês