Os dois ministros convenceram o presidente que um posicionamento mais ameno sinalizaria que o governo busca conciliação nacional