Barros estaria envolvido em um esquema no setor de energia entre 2011 e 2014 e operação não envolve o período em que ele é líder do governo