Procurador-geral da República, Augusto Aras, deve argumentar que um deputado petista não tem respaldo legal para propor essa ação contra o presidente