Governadores, prefeitos e parlamentares aproveitam-se da crise para entrar num regime de farra fiscal