Para não ser acusada de censura, Microsoft decide não rotular fake news

Segundo a big tech, o objetivo é permitir que os usuários tenham seu próprio julgamento sobre os conteúdos
-Publicidade-
A Microsoft é controladora da rede social LinkedIn e do buscador Bing
A Microsoft é controladora da rede social LinkedIn e do buscador Bing | Foto: Divulgação

A Microsoft anunciou que não vai rotular publicações na rede social profissional LinkedIn e no buscador Bing como fake news. A big tech informou que, com essa medida, pretende fugir das acusações de estar “censurando” o discurso on-line.

“Não acho que as pessoas queiram que os governos lhes digam o que é verdadeiro ou falso”, disse o presidente da Microsoft, Brad Smith, à agência de notícias Bloomberg. “E não acho que a população esteja realmente interessada em que as empresas de tecnologia definam isso.”

Smith disse que a Microsoft tem como foco o rastreio e a divulgação de campanhas de desinformação que visam seus clientes do setor público e privado. O objetivo, segundo ele, é fornecer mais informações sobre quem está falando e o que estão dizendo como forma de permitir que os usuários tenham seu próprio julgamento se o conteúdo é verdadeiro.

-Publicidade-

“Temos de ser muito cuidadosos, porque — e isso também é verdade para todos os governos democráticos — fundamentalmente as pessoas querem, com razão, tomar suas próprias decisões. E deveriam fazer isso”, afirmou.

O presidente da Microsoft argumentou que a companhia prefere fornecer mais informações às pessoas em vez de colocar selos que indicam fake news. “Não podemos tropeçar e usar o que outros podem considerar censura como tática”, afirmou.

A decisão pode ser uma resposta à reação negativa enfrentada pelo Facebook e pelo Twitter depois das tentativas de sinalizar e remover posts com informações rotuladas como enganosas.

Leita também: Fake news por um mundo melhor”, texto publicado na edição 129 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Facebook e Twitter vivem na linha entre o limite jurídico e o lucro, Microsoft sempre andou na linha da racionalidade, até porque ela nem precisa disso por ser praticamente um monopólio em alguns campos como OS mas extremamente competitiva em outros ramos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.