Tesla mira na África para reduzir dependência com a China

A montadora de carros elétricos fechou parceria com uma empresa que atua na extração de grafite em Moçambique
-Publicidade-
A fábrica da tesla na Califórnia, nos Estados Unidos
A fábrica da tesla na Califórnia, nos Estados Unidos | Foto: Steve Jurvetson/Flickr

A Tesla — montadora de carros elétricos — está recorrendo ao continente africano para diminuir a dependência com a China na produção dos veículos.

A empresa de Elon Musk assinou um acordo com a companhia australiana Syrah Resources, que opera uma das maiores minas de grafite do mundo em Moçambique, na África. O mineral é essencial para as baterias de íon-lítio usadas nos carros da Tesla.

A montadora elétrica, com sede nos Estados Unidos, planeja comprar 8 mil toneladas de grafite por ano, o equivalente a 80% da produção da empresa australiana. O acordo deve começar a partir de 2025. O valor do negócio não foi revelado.

-Publicidade-

O contrato faz parte do plano da Tesla de aumentar sua capacidade de fabricar as próprias baterias, para reduzir a dependência com a China, que domina os mercados globais de grafite na atualidade.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.