Tereza Cristina calcula movimentos para se cacifar à presidência da Câmara - Revista Oeste

Edição da semana

Em 26 mar 2020, 08:00

Tereza Cristina calcula movimentos para se cacifar à presidência da Câmara

26 mar 2020, 08:00

Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pode ganhar uma importante aliada na Câmara em 2021. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, analisa com muita atenção o capital político acumulado à frente do governo — a ponto de não descartar a possibilidade de, posteriormente à crise do coronavírus, retomar o mandato de deputada federal para disputar as eleições para a presidência da Casa, em 2021.

A disputa pela presidência da Câmara não é para poucos. Mas Tereza não entraria sem força na disputa. Para a empreitada, a ministra tem o agronegócio nas mãos e, com isso, o apoio de boa parte da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), composta de 243 deputados dos mais diversos partidos.

A favor de Tereza, pesa, também, a análise de ela ser alguém com perfil adequado para conseguir abrir um diálogo melhor com o Palácio do Planalto. Partiu do próprio Congresso o interesse de que ela seja a sucessora do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ela foi procurada por deputados interessados em saber se aceitaria.

Parlamentares avaliam que, por ela estar no governo, Tereza teoricamente seria uma das poucas pessoas com abertura junto a Bolsonaro. A ministra costuma sempre acompanhar o presidente em viagens e reuniões estratégicas. Seria um movimento do Congresso para abrir o diálogo com o Planalto. Além disso, ela consultaria o chefe do Executivo federal antes de tomar qualquer decisão.

Coronavírus

O interesse de Tereza em assumir a presidência da Câmara existe. Contudo, ela está totalmente empenhada em superar o impacto do coronavírus no agronegócio. Na segunda-feira 23, por exemplo, ela se reuniu por videoconferência com ministros de países da América do Sul para debater normas que assegurem o trânsito de alimentos durante a pandemia.

Dessa forma, a ministra sabe da viabilidade e busca cacifar-se para uma possível disputa. Mas vem tomando cuidado em como se posicionar para transformar, de fato, uma probabilidade em realidade. E, só então, conduzir uma pré-candidatura. Tereza vem conversando até mesmo com o deputado Arthur Lira (PP-AL), um concorrente, para fechar algum tipo de parceria com o centro.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

7 Comentários

  1. Excelente opção. Acabar com o reinado fariseu do Maia e abrir diálogo com o governo! Que Deus ajude!

    Responder
    • Amém

      Responder
  2. Só haverá pacificação no Brasil quando Maia, Alcolumbre e Toffoli deixrem os cargos.

    Responder
  3. Até que em fim alguém da política (legislativo) toma a iniciativa para criar canais desobstruídos de ideologia para ajudar o Brasil, a Nação.

    Responder
    • Eu não vejo problema em defender uma ideologia, contanto que se permita a coexistência de outras. O grande problema no Brasil é que a esquerda se acostumou de tal forma à hegemonia, que não se tolera a existência da direita, sendo o tucanato o máximo de direitismo “permitido” no país pelos esquerdistas, e toda vez que alguém fala que o governo não deve seguir uma ideologia, está embutido aí o mesmo pensamento hegemônico de esquerda.

      Responder
  4. Excelente que o CN comeca a entender que o Brasil tem que estar acima de todos.

    Responder
  5. Interessante! E quem ficaria como ministro da agricultura?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

O Brasil na hora da verdade

Com o rombo nas contas públicas e o colapso da economia, a pauta das reformas ganha urgência, mas enfrenta as resistências de sempre

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

Por que há socialistas com mais de 30 anos

Duas razões: todos nós crescemos em famílias, que são pequenas comunidades socialistas; e na economia contemporânea é difícil estabelecer a conexão entre esforço e recompensa

O Ocidente em guerra com seu passado

O que está em jogo não são apenas estátuas e outros símbolos físicos do passado, mas a preservação do espírito que inspirou as conquistas civilizacionais da cultura ocidental

Fracasso governamental

“Os governos fracassaram de modo retumbante na crise do coronavírus. Mas também não há evidências de que o...

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês