The New York Times se tornou propagador de fake news, defende autor inglês - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 18 jul 2020, 18:43

The New York Times se tornou propagador de fake news, defende autor inglês

18 jul 2020, 18:43

Para Douglas Murray, editor liberal da revista The Spectator, The New York Times foi cooptado por princípios meramente da esquerda

Times Hong Kong

Sede do jornal em Nova York | Foto: tacskoo/Pixabay

Em artigo publicado essa semana, o autor britânico e editor associado da revista britânica The Spectator, Douglas Murray, criticou o viés ideológico que vem sendo adotado pelo jornal americano The New York Times. Para ele, ao mesmo tempo em que publicações tradicionais criticam notícias falsas são esses os principais meios de veiculação das chamadas fake news.

Crise da imprensa: Ex-editora do ‘NYT’ denuncia parcialidade e censura no jornal

Para o escritor, publicações como o Times “acabam sendo os maiores fornecedores sobre o que reclamam”. “E os jornalistas em campanha, imaginando que estão agindo em nome da decência, acabam se comportando tão indecentemente que intimidam uma minoria, discordando da opinião de suas fileiras (em tradução livre)”, critica Murray.

Registro

Segundo Murray, por várias décadas, o Times foi considerado uma espécie de registro histórico da América. Contudo, para ele, ao calar as chamadas vozes liberais, a publicação perdeu a pluralidade de pensamento, tornando-se, essencialmente, “um órgão de opinião para determinadas posições políticas (em tradução livre)”. “Você pode ter apreciado alguns aspectos do jornal mais do que outros, mas era uma publicação confiável; necessária até. Entretanto, com o tempo, seus relatórios e artigos tornaram-se pouco confiáveis ​​e suas páginas de comentários, monótonas. O jornal tornou-se cada vez mais ilegível”, descreveu o escritor.

A crítica ocorreu após a divulgação do pedido de demissão da ex-editora do jornal The New York Times Bari Weiss. Segundo ela, o veículo fugiu dos princípios editoriais que, por anos, tornaram o jornal um bastião da democracia e da pluralidade de ideias. Já a revista The Spectator é uma das mais tradicionais publicações da Inglaterra. Foi publicada pela primeira vez em 6 de julho de 1828.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. O times virou um pasquim de esquerda. Não tem mais credibilidade. Faz parte do mecanismo norte americano. Vai afundar cada vez mais.

    Responder
  2. Lá como cá. Tudo se repete, tudo se copia.

    Responder
  3. Infelizmente, para os americanos, o NYT está se tornando a Folha de S. Paulo deles. Lá como cá, redações e editorias tomadas pela ideologia esquerdopata. Lastimável!

    Responder
  4. O processo está se repetindo aqui, guardadas as devidas proporções. A Folha de São Paulo é o melhor exemplo: acabou. O Globo vai pelo mesmo caminho: está sendo exaurido pelos blogueiros de lá. Em pouco tempo, não teremos mais jornalismo, apenas panfletos monotemáticos e obtusos.

    Responder
  5. A grande imprensa está tomadas pelos globalistas/progressistas.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês