-Publicidade-

Traficantes invadem favelas e criam ‘Complexo de Israel’

Em junho deste ano, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Edson Fachin proibiu operações policiais em comunidades

Em junho deste ano, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Edson Fachin proibiu operações policiais em comunidades

traficantes
O ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Edson Fachin | Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Uma quadrilha de traficantes está invadindo favelas na Zona Norte do Rio de Janeiro para criar o “Complexo de Israel”. No processo de expansão, os criminosos deixam rastros de violência e terror. Pessoas estão desaparecendo, moradores são obrigados a seguir uma nova religião e barricadas foram construídas à beira da Avenida Brasil, uma das principais vias de acesso à cidade.

O chefe do bando é o traficante Álvaro Malaquias Santa Rosa, conhecido como Peixão. Tem 34 anos e 35 crimes no prontuário. Ele já foi investigado, indiciado e denunciado, mas nunca preso.

Cidade Alta, Vigário Geral, Parada de Lucas, Cinco Bocas e Pica-pau são as cinco favelas que compõe o novo complexo. Juntas, somam mais de 130 mil pessoas, que vivem em situação de extrema vulnerabilidade social, conforme noticiou o G1. A Justiça investiga ainda a expansão da quadrilha para duas localidades que nunca foram dominadas por traficantes: a Estrada do Porto Velho e a Rua Lyrio Maurício da Fonseca, na região de Brás de Pina.

Em 5 de junho, conforme publicou Oeste, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin proibiu operações policiais em favelas. Neste mês, o presidente do STF, Dias Toffoli, manteve a decisão do magistrado.

Quer saber sobre as despesas do Supremo? Leia a reportagem “O dossiê completo dos gastos do STF”, reportagem publicada na edição n° 15 de Oeste

-Publicidade-
Envie-nos a sua opinião, sugestão ou crítica! Fale conosco
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês