Aliado de Merkel adverte que Reino Unido precisará estender transição do Brexit - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 26 abr 2020, 14:57

Aliado de Merkel adverte que Reino Unido precisará estender transição do Brexit

26 abr 2020, 14:57

Negociações para definir regras de comércio e aduana com a União Europeia sofreram forte atraso devido à pandemia de coronavírus

Elionas2/Pixabay

“Pensar que você poderia então adicionar a esta situação extraordinária [a negociação de acordos comerciais do Brexit] uma saída muito desordenada, para mim não é imaginável”, aponta o presidente de Relações Exteriores do Bundestag (equivalente à Camara dos Deputados da Alemanha), Norbert Röttgen. “Acho que todo mundo dirá que isso não é do interesse britânico nem de qualquer um de nós.” O discurso sintetiza o que pensa o aliado de Angela Merkel sobre uma possível transição do Brexit ainda em 2020.

Apesar de oficialmente marcada para 31 de dezembro, a negociação pode ser adiada por mais dois anos. Isso porque, ficou acordado que a saída seria feita mediante reuniões de transição entre o Reino Unido e os países pertencentes à UE. Porém, com a chegada da pandemia do coronavírus, as autoridades tentaram manter os encontros virtualmente. Foram malsucedidos.

“Antes da atual crise do coronavírus, acho que seria possível ter um acordo mínimo com o Reino Unido sobre as linhas gerais para evitar um colapso [do Reino Unido, sem um acordo], com negociações mais detalhadas ocorrendo depois”, explicou Röttgen. “Agora não consigo imaginar que isso seja possível, considerando que todos os países da UE, Bruxelas e Londres estão tão absorvidos pela pandemia”. Por isso, o legislador vê como única solução a extensão no prazo de transição do Brexit.

A transição começou quando o Reino Unido deixou a UE em 31 de janeiro. O acordo – segundo o qual o Reino Unido está fora da União Europeia, mas continua sujeito às suas regras e membro do mercado único e da união aduaneira – foi negociado pelos dois lados para facilitar a saída do Reino Unido.

Ela também foi projetada para permitir que o Reino Unido continuasse grande parte de seu relacionamento anterior com a UE, enquanto os detalhes de um futuro relacionamento comercial e cooperação de segurança eram negociados.

Autoridades da UE disseram que concluir acordos sobre questões tão complexas – já um processo demorado e tortuoso – é muito mais difícil sem as reuniões presenciais.

O Reino Unido também transferiu alguns de seus funcionários que foram destacados para as negociações comerciais da UE para a resolução de problemas com o  coronavírus, desde que a pandemia da covid-19 se desenvolveu.

A questão de pedir uma extensão agora está emergindo como um enorme problema adicional para o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que se orgulha de ter “feito o Brexit”. Até agora, Downing Street disse que não pensava em solicitar uma extensão à UE sob nenhuma circunstância.

Para fazer isso, Johnson teria que reverter a legislação que o impede de estender o prazo, e teria de concordar com contribuições financeiras adicionais à UE para pagar por essa extensão. Por tudo isso, as negociações se transformaram em uma enorme dor de cabeça para o Reino Unido, que terá de tomar decisões duras tão logo o primeiro-ministro se recupere, ele mesmo tendo sido infectado pelo coronavírus.

Cabe notar que qualquer pedido de extensão do prazo de transição deve ser feito ate 1º de julho. Depois disso, é a legislação da União Europeia que deixa de permitir que o prazo seja mais longo.

Se a pandemia não tivesse existido, a transição já estaria em sua quinta etapa. No entanto, ela chegou apenas até sua segunda reunião.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês