Tratamento com hidroxicloroquina reduz em 7 vezes internações por covid

Edição da semana

Em Em 29 out 2020, 19:03

Tratamento com hidroxicloroquina reduz em 7 vezes internações por covid

29 out 2020, 19:03

Estudo publicado no ‘International Journal of Antimicrobial Agents’ registra que combinação do medicamento com azitromicina e zinco também reduz a mortalidade de pacientes

hidroxicloroquina, estudo, covid-19, coronavírus, tratamento

Hidroxicloroquina | Foto: Divulgação/EMS

Uma pesquisa publicada no International Journal of Antimicrobial Agents da última segunda-feira, 26, registra que o tratamento precoce de pacientes com uma dose baixa de hidroxicloroquina, em combinação com zinco e azitromicina, mostrou eficácia no tratamento da covid-19.

Com esse tratamento, sete vezes menos pacientes precisaram de internação em comparação com aqueles que não receberam o combo medicamentoso.

A mortalidade também caiu bruscamente: houve uma morte no grupo que tomou os remédios contra 13 naquele que não os recebeu.

Nenhum dos pacientes tratados com a medicação teve efeitos colaterais relacionados ao coração, a principal preocupação dos médicos quando se trata do uso da cloroquina e seus derivados.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

33 Comentários

  1. Pra turma da ladainha: “não tem comprovação científica!”

    Responder
    • Então a cura era a cloroquina. O resto do mundo só tava morrendo de pirraça.

      Responder
      • A interpretação e com você, o estudo tá aí?

        Responder
    • Com o passar do tempo está ficando escancarado o mal que Ministros e Governadores fizeram à população com suas políticas do “fica em casa” e “só vá a um hospital qdo não conseguir respirar”.

      Responder
    • Eu acho bom recorrer a fonte o artigo diz o seguinte em sua terceira frase no destaques:

      Esses resultados indicam que a administração de hidroxicloroquina em pacientes criticamente enfermos não seria útil.

      Responder
      • Criminosa está notícia, vcs não tem vergonha????

        Responder
      • Todo mundo já sabe que essa doença se apresenta em três fases, a hidroxicloroquina só vai ter benefício na primeira fase da doença, enquanto ela estiver como um estado gripal nas vias aéreas superiores, ajudando o sistema imunológico a combater o vírus e não haver piora do quadro e “descer” para os pulmões. Não generalizem a doença, o tratamento precoce (na primeira fase da doença) cura mais da metade das pessoas. Depois que a doença se instalou nos pulmões (por causa do “Fique em casa e só procure o hospital se tiver falta de ar), aí a coisa fica muito mais complicada e é necessário o uso de diversos outros medicamentos como corticóides, anticoagulantes e antibióticos. Na primeira fase da doença o uso de corticóides só vai piorar a doença por baixar a produção de anticorpos. Esse estudo é para médicos e ajudam cada dia mais a entender a evolução da doença para melhorar cada vez mais a sobrevida das pessoas. Leigos nem deveriam ler esses trabalhos porque vão tirar conclusões totalmente equivocadas.

        Responder
    • Os resultados do estudo são muito significativos e favoráveis à HCQ, junto com o Zn e a azitromicina,, mas o número de membros do grupo considerado ” controle” era bem maior, portanto não é correto falar em 1 e 13, mas numa taxa de mortalidade no grupo que recebeu o combo de 0,7% x 3,5% para o grupo que não recebeu o combo.,

      Responder
    • Desde março, que o Presidente Bolsonaro aponta para CloroQuina associada a azitromicina e outros, como a ivermectina, annita…Em março Dr Uip e Dr Kalil, c/ lágrimas nos olhos,foram obrigado admitir q tomaram cloroquina. Muitos outros hipócritas, como Bruno Covas e afins vêm tomando e negando ao povo.
      A medicação taí desde sempre. Mais de 10 mil médicos recomendam só no Br. Os canalhas genocidas, sabotaram e proibiram para o povão

      Responder
  2. E quem seriam estes medicos cuja ¨principal precaução ¨ são os Efeitos colaterais relacionados ao coração ?
    Devem ser aqueles que acham que o Dr. Roult ( infectologista mundialmente conhecido!) e´um charlatão !.

    Responder
  3. Pois é né…parece que era tudo orquestrado contra e com outros interesses, inclusive a vacina.

    Responder
  4. Muitos morreram por pura briguinha ideológica da imprensa vermelha.

    Responder
    • A questão é quem vai ser responsabilizado e punido para que isso não ocorra novamente

      Responder
    • Imagino que têm relação direta com o aumento de sofrimento e mortes os Ministros do STF, pois que optaram, levianamente e irresponsavelmente, pelas pautas dos seus patrões de esquerda.
      Demonstraram serem marginais, militantes, despreparados e desajustados, se sobrepuseram ao Poder competente e delegado por nós para as decisões quanto à economia e saúde, entre outros, para maldosamente, como leigos que são fora do assunto processual do Direito, seguirem os anseios dos corruptos e marginais, i.e., Doria, Witzel, governadores do Nordeste e partidecos de esquerda, bem como da Globo, estadão, folha, artistas top e esquerda caviar da beira da Lagoa do Rio de Janeiro e da USP.
      A meu ver, esses têm responsabilidade direta e deverão serem julgados criminalmente!

      Responder
    • Estudo mambembe!… qual foi o universo da pesquisa?
      Este blog é mais um da rede de FAKE NEWS DO ASNO!

      Responder
  5. Qual o nome do estudo?

    Responder
      • O grupo cujos parâmetros serviram de controle é bem maior, portanto os números de óbitos 1 e 13 não deveriam ser mecionados sem que o tamanho e a taxa de mortalidade dos dois grupos também fossem, mas não se trata de 10%. A taxa de mortalidade no grupo que recebeu o combo foi de 0,7% e do grupo que não recebeu 3,5%., portanto a taxa de mortalidade no grupo que recebeu o combo é 5 x menor. 7 x menor é o número de internações do grupo que recebeu o combo, como está claro no texto

        Responder
        • A resposta que escrevi acima era dirigida ao Science, mas acho que escrevi no lugar errado

          Responder
  6. Fake news. O estudo só mostra que a taxa de mortalidade é 10% menor em quem recebeu o tratamento (muito longe de 7x).
    Além disso, a taxa de internação foi MAIOR em quem recebeu o tratamento.
    Deveria ser preso o autor disso por nem ler o artigo e fazer conclusões desse tipo.

    Responder
    • Se é verdade o que você está falando, deveria ao menos se identificar. Tem medo de que ? Agora, se é mentira, onde estão os entendidos de MERDicina que se posicionaram contra a hidroxicloroquina ? Onde ? Onde ? Onde ? O que está em jogo, é a vida de milhões de pessoas. Não se deveria politizar coisa tão séria. A Esquerda jamais se endireita.

      Responder
      • Quem de vcs que estão aqui comentando sobre o estudo, já cheios de teorias, realmente leu o estudo e conseguiu interpretar (ou pediu ajuda a alguém que saiba interpretar)?
        Pq quem escreveu a matéria definitivamente não leu o estudo (ou não sabe interpretar).
        Vamos estudar pessoal. Sair falando do que não sabe sem ter a preocupação de entender e aprender o que é verdade é um desserviço pra vcs mesmo e pra sociedade.

        Responder
    • Caro pseudônimo, é difícil de acreditar que ainda existem pessoas como o amigo com tamanha falta de sensibilidade ou até mesmo capacidade intelectual para chamar de fake um fato obtido cientificamente que, se salvos apenas 10% como afirmas, teriam sido salvas no País mais de 15.900 vidas.
      Imagino que dada a dupla moralidade, amoralidade, esse número que demonstra a integridade do atual governo, não é de seu interesse comentar.
      É de todo lamentável existirem pessoas com esse tipo de procedimento, independentemente dos danos evidentes que trazem à nós!

      Responder
    • Os resultados do estudo são muito significativos e favoráveis à HCQ, junto com o Zn e a azitromicina,, mas o número de membros do grupo considerado ” controle” era bem maior, portanto não é correto falar em 1 e 13, mas numa taxa de mortalidade no grupo que recebeu o combo de 0,7% x 3,5% para o grupo que não recebeu o combo.,

      Responder
  7. Só sei que na minha família todos os contaminados, inclusive os do grupo de risco , foram tratados com hidroxicloroquina e internamos um por precaução mas não houve intubação e saiu com 4 dias.
    Minha esposas trabalha na área de saúde todos os seus colegas foram infectados no início da pandemia se trataram quase que por conta com hidroxicloroquina inclusive mandaram manipular, pois a prefeitura recolheu dos postos de saúde e depois proibiu a prescrição, impedindo a manipulação em farmácias. Resumindo não houve óbitos e nem internações ” só de birra”.

    Responder
    • Pelo que eu li, é um teste não-randomizado, não sei até que ponto reflete a eficácia.

      Responder
      • Estudos randomizados funcionam melhor porque partem de amostras representativas da população e com 2 grupos controlados que são muito semelhantes. Ex: se ha 20 mulheres e 10 homens no grupo tratado, deve haver 20 mulheres e 10 homens no grupo tratado. Se houver 3 diabeticos em um, deve haver 3 diabeticos no outro e assim por diante.
        Estudo nao randomizafo é pois eles lidaram com o que chegou ao hospital na belgica. Outro fstor é que a dosagem é muito menor que o habitual prescrito, e o estudo se deu no ambito hospitalar. Não é para ser usado em casa.

        Responder
        • Os pacientes do grupo que recebeu o combo receberam tratamento ambulatorial. Só foram internados,qdo houve necessidade.

          Responder
  8. Sou do grupo de risco e entreguei pra Deus. Uso máscara somente vou a algum lugar, caso contrário nao me deixam entrar. Acredito que o virus exista e seja letal para algumas pessoas..Depois do espetáculo tragicômico representado pelo medico Davi Uip conclui que a classe médica não tem preparo algum para enfrentar uma pandemia como esta. Daí meu descaso total com a classe médica e com o que eles afirmam

    Responder
  9. Não entendo nada do assunto, não sou formado nessa ciência, sou do grupo “haja risco – mais de 75 e outras encrencas ” e passo mal só de entrar em hospitais, mas, tenho irmã e filha médicas que tem opiniões diferentes.
    No inicio da pandemia pudemos observar no noticiário, que o grupo PREVENT (ainda não estou nele) de saúde, potencialmente de idosos, utilizou essa medicação e observou que obteve sucesso quando do inicio da tratamento, e não posteriormente pós internação com quadros graves.
    Lembro que o ministro da saúde Mandetta, ao invés de apoiar esses estudos clinica e financeiramente, ao contrario fez criticas a Prevent pela formação de um grupo de saúde para idosos, e que a hidroxicloroquina provocava arritmias fatais.
    Assistíamos quase diariamente, a imprensa em frente a unidade hospitalar referencia para covid da Prevent (Paraíso), mostrando veículos da fiscalização da saúde tentando encontrar problemas. Parecia que a Prevent tratava pacientes com covid, com profissionais da saúde desqualificados e expunha seus profissionais a enormes riscos. Bom, passados 7 meses pelo jeito a Prevent continua com sucesso, o mesmo inicio de tratamento e o adequado para os casos graves, e o Mandetta se foi, e até agora não entendeu qual droga deve ser utilizada enquanto não tiver a vacina.
    Nesse período foi muito noticiado pela imprensa, que notáveis médicos teriam se utilizado pessoalmente e também prescrito a pacientes, a hidroxicloroquina. Ora, entendo o necessário sigilo da conduta médica para os pacientes, mas, sem individualizar, é incompreensível que se omita o sucesso ou não dessa terapia, que na minha opinião deveria ser informada ao Conselho Federal de Medicina e ao Ministério da Saúde, e estes conjuntamente divulgarem os resultados obtidos com essa droga isolada ou associada às outras, por faixa etária, em que fase da doença, ou comorbidade. Não só com essa droga, mas também com as outras que obtiveram sucesso. Há melhor estudo que esse?

    Responder
    • O Sr Antônio Carlos Neves no comentário acima te toda razão. Isto é uma pouca vergonha. Não se tem leis , não se tem justiça e na opção de querermos tomar a hidroxicloroquina também não podemos pois atualmente tem que ter receita que os médicos não dão.
      Parabéns a Prevent Senior que tive a oportunidade de poder pagar para minha esposa e para mim. Atualmente não tenho mais.
      Tive a COVID e passei bem, perto de muitos que vejo o relato. Mas minha esposa não está passando tão bem quanto eu, e fui atrás desta hidroxicloriquina E não consigo comprar pois não tem receita. Pedi para A médica que atendeu não dão a receita . Dão azitromicina ,predizan e dipirona. Mas qdo vc vê sua esposa passando mal com falta de ar, tosse e dores nas costas eu e toda família queremos ter a opção de incluir o tão famoso Hiroxicloroquina . Se no mundo não tem vacina para esta peste tenho que tentar qq outra coisa. E quero este remédio.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês