Trump atua para reduzir poder das empresas de mídia social

Edição da semana

Em Em 2 dez 2020, 14:30

Trump atua para reduzir poder das empresas de mídia social

2 dez 2020, 14:30

Presidente quer rescindir da Lei das Comunicações trechos que beneficiam as donas de redes sociais

Trump - adiar - encontro - G7

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump | Foto: Shealah Craighead/Casa Branca

O presidente Donald Trump afirmou que vetará o projeto de lei de defesa dos Estados Unidos, caso o congresso norte-americano não retire a imunidade das empresas de mídia social. Hoje, elas possuem proteções legais sobre o conteúdo postado em suas plataformas. O republicano quer rescindir trechos da Lei das Comunicações. Os dispositivos asseguram a essas companhias o direito de não serem processadas por postagens difamatórias publicadas por usuários. De acordo com Trump, o Facebook, o Twitter e similares perseguem e censuram usuários conservadores. Não é de hoje que o presidente defende pôr fim aos benefícios. A tensão entre o mandatário e as big techs aumentou depois de as redes sociais anexarem às postagens de Trump alertas de checagem de fatos, induzindo internautas a pensarem que as publicações seriam fake news.

Leia também: “A obsessão da imprensa por Donald Trump”, artigo de Ana Paula Henkel publicado na edição n° 36 da Revista Oeste

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. O Trump esta certíssimo. Essa turma esta com poder demais. Aqui também.

    Responder
    • (…)”induzindo internautas a pensarem que as publicações seriam fake news.” Como é que é? Só rindo mesmo…

      Responder
      • Demorouuuu!!! Essas mídias ULTRAPASSARAM todos os limites da isenção profissional! ! Mostrou o dinheiro, comprou! Devem ser responsabilizados com multas elevadíssimas SIM!!

        Responder
  2. Deveria ser feito o mesmo em todos os países do mundo, as mídias sociais são hoje, uma ameaça a democracia e as liberdades individuais.

    Responder
  3. Se essas mídias praticam a censura de conteúdos e postagens, não são meras plataformas, mas editores de conteúdo. Devem, portanto, ser responsabilizadas por postagens com conteúdo ofensivo, uma vez que decidem o que fica na plataforma e o que deve sair. Na verdade, essa é uma adequação da lei à realidade de como essas plataformas vêm se portando. Podem editar e censurar, mas daí perdem a imunidade. Se são livres para fazer o que querem, devem responder por isso na mesma medida. O Trump está certíssimo.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

O ataque

A baderna no Capitólio é mais um sintoma da crise da democracia do que a causa de novos problemas

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês