TSE firma parceria com WhatsApp e Facebook

Edição da semana

Em 30 set 2020, 14:01

TSE firma parceria com WhatsApp e Facebook

30 set 2020, 14:01

Presidente do Tribunal disse que esta é uma tentativa de eliminar a circulação de notícias falsas e uso indevido de robôs nas eleições 2020

Barroso

Ministro Luís Roberto Barroso durante reunião com Facebook, Instagram e WhatsApp | Foto: Reprodução/ASCOM/TSE

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anunciou nesta quarta-feira, 30, uma parceria com o Facebook e o WhatsApp para combater a desinformação e abusos durante as eleições 2020.

O acordo faz parte de uma série de medidas tomadas pelo tribunal para incentivar a circulação de informações oficiais sobre o processo eleitoral.

LEIA MAIS: Eleitor poderá justificar ausência nas eleições pelo aplicativo do TSE

Segundo o TSE, as plataformas ofereceram produtos e serviços, sem custo aos cofres públicos.

“Agradeço o espírito de cooperação e enfatizo a importância dessa parceria para o TSE, para a democracia brasileira e para o país de uma maneira geral”, disse o presidente do tribunal, ministro Luís Roberto Barroso.

Barroso disse que esses meios são utilizados com maus propósitos para obter vantagem ilícita, para difamar pessoas, desconstruir componentes essenciais da democracia que é a informação verdadeira.

Ele afirmou que a parceria é uma tentativa de eliminar a circulação de notícias falsas, uso indevido de robôs, impulsionamentos ilegais e uso de perfis falsos.

Facebook Brasil

A parceria com o Facebook prevê a disponibilização da ferramenta “Megafone” para divulgação, nos dias anteriores à eleição, de mensagens aos usuários brasileiros no Feed de Notícias sobre as eleições de 2020, especialmente acerca da organização e das medidas de segurança sanitária no dia da votação.

Instagram

No Instagram, os usuários vão contar com figurinhas com a temática das eleições municipais. A plataforma também vai se aliar ao TSE para divulgação da campanha sobre mais mulheres na política, que será apresentado em outubro.

WhatsApp

O acordo de cooperação com o WhatsApp apresenta uma série de medidas, como a criação de um chatbot para ajudar na circulação de dados oficiais do TSE sobre o processo eleitoral e a votação.

Basta adicionar o número +55 61 9637-1078 na lista de contatos para iniciar uma conversa com o canal interativo, que disponibiliza as principais informações das eleições.

Também será estabelecido um canal de comunicação específico com o TSE para denunciar contas suspeitas de realizar disparos em massa, o que não é permitido nos Termos de Serviço do aplicativo nem pela legislação eleitoral.

Recebidas as denúncias, o WhatsApp conduzirá uma apuração interna para verificar se as contas indicadas violaram as políticas do aplicativo e, se for o caso, bani-las. O canal será desativado em 19 de dezembro com o fim do processo eleitoral deste ano.

Com informações do TSE

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Grande palhaço – como se FB fosse um exemplo de idoneidade contra informações distorcidas. O que vc quer é impedir pessoas normais de trocar informações que sejam contra seus amigos da esquerda. Lamento, pois agora é tarde; o povo não é mais tão bobo.

    Responder
  2. É uma boa medida. As eleições municipais são marcadas por violência física e verbais e notícias e pesquisas falsas contra adversários, não parece mas é uma eleição sui generis onde os candidatos não medem esforços para destruir o adversário, especialmente nos cargos majoritários, como de prefeito. Então é bem vindo.

    Responder
  3. Quem é o responsável pela tesoura?

    Responder
  4. Só se for pacto de sangue, adoração a animais e sacrifício de bebês!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês