Uma Corte infestada de bobos - Revista Oeste

Revista

Uma Corte infestada de bobos
Os atuais ministros do Supremo ameaçam expropriar o asterisco hoje ocupado pela Junta dos Três Patetas
31 jul 2020, 08:59

No começo dos anos 50, os alunos da 4ª série do Grupo Escolar Domingues da Silva foram submetidos a uma prova que incluía a seguinte questão: quais são os três Poderes da República? A professora Mathilde Menon compreendeu que uma resposta tecnicamente errada fora a mais verdadeira, sensata e sincera. Não só decidiu considerá-la certa como guardou para sempre a folha de papel em que o menino de 11 anos rabiscara os três Poderes: Baixinho, GordinhoSimpático. Duas características físicas e um traço de personalidade bastaram para que todos identificassem a figura descrita com admirável concisão: Getúlio Vargas, eleito em 1950. Para aquele garoto de Taquaritinga, o ardiloso gaúcho mandava no Brasil desde sempre. Mandava mais que todos os Poderes juntos.

Getúlio era naquele momento o chefe do Executivo de um Brasil redemocratizado em 1945, quando a queda do Estado Novo resgatou o Judiciário e o Executivo da UTI onde agonizavam desde a decretação em 1937 da abjeção autoritária. Transformado em ditador, o líder da Revolução de 30 manteve o Congresso fechado por oito anos e reduziu o Supremo Tribunal Federal a puxadinho do Palácio do Catete. Nenhum governante nomeou tantos ministros do STF quanto aquele gaúcho risonho, de baixa estatura e silhueta implorando por jejuns: 21. Os nomeados foram dispensados pelo padrinho de sabatinas no Senado — e também da tarefa de eleger o presidente da Corte, escolhido pessoalmente por Getúlio. Quem foi criança naquela época tinha o direito de acreditar que todo o poder emanava daquele homem baixinho, gordinho e simpático. E por ele era exercido.

Confrontado com a mesma pergunta, o que responderiam hoje os brasileiros que vão chegando à pré-adolescência? Caso dessem a resposta oficialmente certa, estariam todos errados. Seguem em funcionamento os três Poderes inerentes ao Estado Democrático de Direito, mas o Supremo Tribunal Federal se acha mais poderoso que os outros. Pelo que anda fazendo o Timão da Toga, sobretudo seus mais impetuosos artilheiros, a Junta que assumiu o comando do país entre o derrame sofrido por Costa e Silva e a posse de Emilio Medici terá logo expropriado o asterisco que ocupa nos livros de História. A trinca de ministros militares ficou conhecida como os três patetas. O STF tem meia dúzia de idiotas juramentados. Os outros vivem derrapando no perigoso terreno da galhofa.

Só existem figuras perfeitas em autobiografias desprezíveis ou panegíricos redigidos por vassalos

Já tratamos aqui de Celso de Mello — o Decano, o Pavão de Tatuí, o Rui Barbosa em compota —, no momento empenhado em consolar-se da aposentadoria com a decretação do impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Gilmar Mendes, a Maritaca de Diamantino, retomou a quarentena depois do troco que levou das Forças Armadas por acusá-las de cúmplices do genocídio promovido por Jair Bolsonaro em aliança com o vírus chinês. Ricardo Lewandowski também está na muda. Mas falam e agem por eles e todos os outros dois bucaneiros de capa preta: Dias Toffoli e Alexandre de Moraes. Esses não perdem uma única chance de mostrar que no Brasil qualquer nulidade pode virar superjuiz.

Há alguns anos, a direção da revista Veja acrescentou aos critérios que regiam contratações de profissionais a exigência embutida numa pergunta singela: se o candidato à vaga se juntasse a uma roda, a conversa ficaria melhor ou pior? A partir daí, só foram anexados à redação os que melhoravam a conversa. Anexei outro quesito num jornal que dirigi. Só entrava quem soubesse rir de si próprio, tratar-se com ironia, entender que só existem figuras perfeitas em autobiografias desprezíveis ou panegíricos redigidos por vassalos. Quem se levava a sério o tempo todo que procurasse algum panteão. O clima na redação ficou bem melhor.

Temos no STF, portanto, um defeito de fabricação insanável: os ministros se acham de tal forma predestinados ao Egrégio Plenário que muitos só pararam de chorar no berçário quando alguma enfermeira substituiu a fralda por uma toga em miniatura. Nenhum deles sequer desconfia que, em nações civilizadas, só entrariam numa Corte Suprema se caprichassem no papel de réu. Essa disfunção, somada ao cotidiano confinado numa realidade paralela, ajuda a entender a existência de um inquérito das fake news. Parteiro da maluquice que pretende erradicar a mentira do que se divulga no Brasil, Alexandre de Moraes hoje acumula quatro funções: é o detetive que tudo descobre em dois minutos, o delegado que só prende, o promotor que invariavelmente acusa e o juiz que não absolve ninguém.

Os participantes do teatro do absurdo fingiram entender o que significa “ser editor da nação”

Surgido o Ministro da Verdade, faltava o Editor do Brasil. Não falta mais. Nesta semana, numa conversa inverossímil com jornalistas, Dias Toffoli protagonizou uma aula magna de imbecilidade. “O Judiciário existe para dirimir conflitos”, recitou a platitude para desandar na decolagem. “O Supremo atua como editor de uma nação inteira no caso do inquérito das fake news”. Como é que é?, deixaram de exclamar os jornalistas. Toffoli animou-se com a docilidade da plateia. “Todo órgão de imprensa tem censura interna”, mentiu. “O seu acionista ou o seu editor, se ele verifica ali uma matéria que ele acha que não deve ir ao ar porque ela não é correta, ela não está devidamente checada, ele diz: ‘Não vai ao ar’. Aí o jornalista dele diz: ‘Mas eu tenho a liberdade de expressão de colocar isso ao ar’. Entendeu?”

Os participantes do teatro do absurdo fingiram que sim. Também fizeram de conta que não estavam testemunhando uma selvagem sessão de tortura imposta à língua portuguesa. “Não é à toa que todas as empresas de comunicação têm códigos de ética, de compromisso. Nós, enquanto Judiciário, enquanto Suprema Corte, somos editores de um país inteiro, de uma nação inteira, de um povo inteiro.”

Não é pouca coisa. Não estranhem se o Editor do Brasil começar a reforma do país com a transferência do Supremo para o Palácio do Planalto.

Leia mais sobre o STF na entrevista com o jurista Modesto Carvalhosa, capa desta edição, e nos artigos de J. R. Guzzo e Guilherme Fiuza

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

46 Comentários

  1. Impagável, parabéns, Augusto Nunes!

    Responder
  2. Parabéns e obrigado pelo trabalho e pela coragem de nomear os presunçosos.

    Responder
  3. Parabéns Augusto

    Responder
    • Augusto Nunes é o Mestre! Parabéns!

      Responder
    • Baixinha ou gordinha ou simpática ?

      Responder
  4. Cheguei a pensar na minha inocência e honestidade que Ministros do STF eram pessoas acima de qq suspeita. Quanta ingenuidade, esses senhores que ai estão são piores que delinquentes do PCC, esses fazem porque são o que são. Os outros fazem porque vestem aquela capa ridícula, e se cobrem de imunidade, para fazer o que bem entendem. Pobre Pais o nosso. Augusto gosto de você pela sua coragem em mostrar quem são esses sujeitos. Nunca tivemos um Judiciário tão ruim ou mal intencionado, qualquer desses adjetivos é péssimo. Até isso o PT conseguiu….

    Responder
    • Bom demais, Augusto, mas me responda : como eles conseguem transformar o mundo todo num quintal do stf?

      Responder
      • O bom jornalismo, praticado por Augusto Nunes, Guilherme Fiuza, Rodrigo Constantino, José Maria Trindade, Alexandre Garcia, JR Guzzo e alguns outros profissionais sérios tem a obrigação de tratar desses desacatos praticados pelos togados do STF contra o povo, diariamente. em Suas colunas e comentários ajudarão a colocar um freio nesse abuso de autoridade do STF. Só uma sociedade bem informada dessa realidade poderá sair da inércia e por um fim a esse descalabro, ao autoritarismo inconstitucional da atual Côrte.

        Responder
  5. Parabéns Augusto Nunes. Além de acompanhá-lo diariamente no Pingo nos Is, também vale muito à pena le-lo aqui.
    Só me preocupa onde isso vai parar. Temos um “efeito tostines” dos infernos aqui: somente o congresso pode enfrentar os sinistros do STF. Mas a maioria do congresso tem o rabo preso no departamento de propinas da Odebrecht, ou outras falcatruas. Quem julgará esses ladrões? Os sinistros do STF. Então, estabeleceu-se uma sinistra relação simbiótica entre os senadores e os sinistros.

    Responder
  6. Caro Augusto Nunes….como sempre, impecável!
    A sua metáfora dos “bobos” que infestam a corte é perfeita, o que prova que até nisso o Brasil consegue inovar…quando todas as cortes que existiram normalmente tinham um “bobo” só, a nossa por aqui foi logo arrumando uma penca deles…
    Mas também não era mau se o título fosse: ” Uma corte infestada de LOBOS”…também definiria corretamente o que se passa por lá nos dias de hoje!

    Responder
  7. Augusto, deliciosa matéria e brilhante ilustração da chamada. Sensacional… Parabéns a voce e a equipe da Oeste.

    Responder
  8. O diagnóstico está feito.Completo. Dissecado. O texto sempre de fácil digestão e compreensão de Augusto Nunes deu cores definitivas à comédia do absurdo que o STF IMPÕE AO PAÍS. A questão é : feito o diagnóstico, qual o remédio?Qual o tratamento? O país vai sucumbir à insanidade constitucional e mental de 11 “juízes” que se arvoraram os ditadores das necessidades e desejos da pátria?
    Pela Constituição o remédio cabe aos senadores. Os mesmos que estão com o rabo preso no próprio STF que tem o poder de fazer andar processos que podem levar à cassação de uma gama imensa de senadores.
    O que fazer? Como cessar esta violência que a pátria sofre a partir de uma corte que se degenerou? De um Senado que não sabe nem pode cumprir suas meras obrigações?
    Quem tem a resposta?

    Responder
    • Só o TERROR resolverá…

      Responder
    • Caro Saab, a resposta é só uma, todos a conhecemos de cor e salteado. O problema é que, aos que devem aplicá-la, falta os devidos culhões.
      Os atropelos à Constituição estão se tornando coisa corriqueira e como quem deveria nada faz para que isso acabe, os canalhas estão tomando gosto.
      O “senado”federal, presidido por um crápula saído lá do orifício retal da Amazonia, e composto por 44 pulhas que recentemente aprovaram a PL das Fake News, não é capaz de honrar o compromisso assumido nas urnas em 2018.
      A esperança está no Presidente Bolsonaro em fazer o que é imperativo, invocar o Artigo 142 da Constituição e, na condição de Comandante em Chefe nas FFAA, fazer com que as mesmas coloquem essa corja no devido lugar. O melhor mesmo seria a sua completa dissolução e a instituição de um Supremo Tribunal Militar.
      Golpe? dirá a esquerdalha maldita. Bem… antes nosso “golpe”do que o deles.

      Responder
  9. É bom de mais ler Augusto Nunes. Dou muitas risadas com seu sarcasmo pra lá de inteligente e a maneira de colocar o dedo na ferida em assuntos tão importantes. Sem dúvidas, um dos jornalistas que mais admiro e tenho o prazer de acompanhar diariamente. Abraço, Augusto!

    Responder
  10. Até que enfim encontramos jornalistas de verdade. Que alívio!

    Responder
  11. Prezado Augusto Nunes, vamos fazer o quê? O tal do Toffoli pensa que é o próprio doutor Roberto Marinho à frente das organizações Globo de outrora, quando ele, como dono “supremo” editava até – e inclusive – o Jornal Nacional.
    O presidente do STF pensa que é dono do Brasil. Só pode ser isso, senão, como explicar tamanha estultice? Talvez seja porque Brasília é uma cidade “fake” e, “enquanto” cidade não tem nem mesmo povo nas ruas. Estivesse esse “supremo ” em uma cidade normal, não poderia sair às ruas depois de falar e fazer tantas bobagens.
    Brasília tem de se tornar um cassino, para o bem do Brasil.

    Responder
  12. Estamos (com as exceções, por exemplo, da Revista Oeste), alimentando o crocodilo, na esperança de que ele nos devore, mas por último. Cadê o presidente do Senado, ou a sua mesa Diretora, para dar seguimento aos processos de CPI da Toga e de impeachment que estão lá, para tirar pelo menos quatros dos ministrecos que lá estão, e que deslustram a sociedade brasileira frente ao mundo? O bom seria tirar todos, e que são deletérios à Corte, por ação ou por omissão. Como pode uns fisiológicos como o Maia e o Alcolumbre terem tanto poder dados pelos respectivos Regimentos Internos, sem eles mesmos ser “impichados” até por improbidade administrativa??? STF (logo ele, que deveria defender a Constituição, e não conspurcá-la), vergonha e indignação nacional.

    Responder
  13. Muito bom. Maravilhoso.

    Responder
  14. Que sacada!

    “só entrariam numa Corte Suprema se caprichassem no papel de réu.“

    Responder
  15. Excelente matéria! Augusto Nunes, como sempre, cirúrgico!!

    Responder
  16. Para desopilar o fígado. Mas até quando teremos que suportar esses imbecis de toga?

    Responder
  17. Sensacional!

    Responder
  18. Parabéns Augusto… ter a oportunidade de ler seus artigos foi um dos motivos pelo qual assinei a Oeste.

    Responder
    • Augusto Nunes, excelente artigo.

      Responder
  19. Augusto Nunes, excelente artigo.

    Responder
  20. Augusto Nunes, como sempre, colocando os Pingos nos Is.
    Parabéns pelo excelente artigo !
    Nosso país está mal de editor, né ? Parafraseando nosso editor, nós, “enquanto” povo , não temos mais o direito de ler e ver tudo o que quisermos na internet, só podendo ter acesso àquilo que a editoria deixar.
    Uma piada.

    Responder
  21. Nós temos o senado para impeachar esses deuses togados? Mas porque não o fazem? A grande maioria tem o rabo preso ! Simples assim! E tudo continua e continuará igual. Nojento e triste!

    Responder
  22. O mais triste é saber que, mesmo diante de tantos absurdos (para não dizer crimes), nada vai acontecer com nossas “vossas santidades” …

    Responder
  23. Mais um artigo excelente de Augusto – mas como dito por outros acima, o mais triste é vermos que o patético Senado nada fará para corrigir esses desmandos. Talvez uma nova junta não seja tão ruim after all.

    Responder
  24. Artigo fabuloso. Obrigado Augusto, o rei da chacota elegante!

    Responder
  25. Excelente artigo, como sempre. Pergunto: E as dezenas de associações de juízes e afins , nada falam? Só se manifestam quando for para reclamar por aumento dos próprios vencimentos?

    Responder
  26. Parabéns pelo artigo. Tenha minha admiração.

    Responder
  27. Artigo impecável, corajoso e explícito. Queria saber do ilustre jornalista, a quem cabe dar um fim a esta barbaridade. A câmara e o senado estão em cumplicidade com esses senhores do STF. O presidente Jair Bolsonaro mostra-se enfraquecido e tem recebido decisões ilegítimas do STF sem dar uma resposta à altura. Portanto, ficarão esses ministros casando e batizando sem ter um poder ou autoridade que impeça essas excrescências? Queria ouvi-lo sobre a solução, se é que tem.

    Responder
  28. Penso que o grande jornalista não quis ofender os famosos artistas que faziam os papeis dos três patetas ao compara-los aos nefastos ministros ( ou seriam sinistros) do STF.

    Responder
  29. Parabéns a REVISTA OESTE. Souberam juntar o que á de melhor com esses profissionais, que nos brinda com esses artigos em cada volume editado. Esperamos que não cansem de mostrar para essas autoridades, ( incompetentes )dos Poderes da Republica , que estão na luta em defesa da sociedade.

    Responder
  30. Grande Augusto Nunes, excelente artigo.
    Parabéns à equipe Oeste pelo belo trabalho de informação e posicionamento político.

    Responder
  31. Mestre Augusto Nunes, excelente artigo!
    Deve ser mesmo dilacerante para um jornalista com vasta experiência como a sua, tendo passado por vários jornais, revistas, etc., ter que gastar muito do seu tempo falando o que deveria ser óbvio para a (restrita) massa pensante do Brasil: a democracia é o regime mais difícil de manter, porque se é obrigado a ter imprensa livre, a opinião livre, e toda história tem mais de um lado que deve, no mínimo ser ouvido.
    Triste a geração que possui hoje mais de 60, que viu regimes militares e ditaduras em plena ação atuando barbaramente nos países asiáticos, continente africano, Europa oriental e em uma ilha bem ao lado dos EUA. A tristeza maior é conviver com uma geração que abraça as ideias mais reacionárias e totalitárias, travestidas de amor, liberalismo e “empatia”.
    Tenho fé nas crianças (sempre temos), porque igual ao menino do seu artigo, em cada nova geração tudo pode ser mudado, inclusive para melhor (também tenho fé na estatística).

    Responder
  32. Mestre,como sempre brilhante.”Seria cômico, se não fosse trágico”. Triste e assustada com o caminhar dos acontecimentos.

    Responder
  33. Supremo é o povo! Dito isso, e lembrando que quem paga as contas do serviço público, inclusive, o do Poder Judiciário, são os contribuintes, veremos que no dia que a sociedade tomar consciência da importância de termos Altas Cortes não politizadas e constituídas pelo mérito e pelos melhores do país no ramo do direito, exigirá de seus representantes no Congresso Brasileiro que seja pré-requisito para se tornar um Ministro de uma Alta Corte, o notório saber, ” verdadeiro” ( possuir no mínimo um Doutorado na área e alguns livros escritos e reconhecidos pela comunidade acadêmica em alguma especialidade ou ramo do Direito), apenas, curso de graduação como vemos é reduzir a importância das Cortes e menosprezar aqueles que detém maior saber jurídico em um país continental e lá não estão por não terem padrinhos políticos. O mais correto, penso, seria haver uma seleção por mérito (concurso público) e após a seleção de alguns a escolha pelo Presidente e Congresso de forma alternada, com tempo de mandato como ocorre nos países desenvolvidos.

    Responder
    • Corte da insanidade. E

      Responder
  34. Uma das colunas mais bem redigidas do país, senão a melhor! Parabéns, Augusto, por ser o maior prosador vivo brasileiro!

    Responder
  35. Prezado Augusto Nunes, por acaso tenho o prazer de ter um sobrenome igual ao seu.
    Vc já provou ser o maior analista político do Brasil, claro existem outros maravilhosos, não posso citar pois vou esquecer alguém, estes outros estão próximos de vc ou já deram entrevistas ao PI. Para esta equipe só tenho elogios, Vcs vão deixar o STF doido e a gde mídia de joelhos devido a creditibilidade da JP e de vcs.
    Vcs desmascaram o STF, os ladroes, o Lulupetismo, a cambada de ladroes do PSDB de SP Serra Alckmin e sócios.
    O lado assassino do PT, vcs desmascaram todos os fora da lei.
    Eu não tenho dúvidas q a banda podre do STF morre de medo de vcs, o Bandido Gilmar o ladrao Toffoli a safada escondida Carmen Lúcia o comunista Lewandovsky enfim todos eles merecem a prisão perpétua.
    Certos estavam os peruanos q pegaram os seus próprios bandidos da suprema corte de lá, mas brasileiro é muito bonzinho.

    Responder
  36. Acaba de sair a confirmação de que a PGR está monitorando os comentários sobre o STF feitos por leitores de uma outra Revista eletrônica.Sim pasmem , mas foi confirmado.Isso é censura pura, clara, objetiva e descarada. Tenho certeza de que a Oeste também será alvo desse tipo de desfaçatez da PGR.É preciso que a imprensa reaja, pois isso é intimidação, invasão de privacidade, cerceamento do direito de opinião, cerceamento da liberdade de expressão e um chorume democrático sem precedente.A imprensa precisa reagir rapidamente junto ao STF(não há outra alternativa) ou junto ao Congresso(?) ou até à órgãos internacionais para pelo menos denunciar essa barbaridade.

    Responder
  37. Obrigada, Augusto. Me ensinou, dentre outras coisas, uma palavra nova: panegírico. Aliás, muito bem colocada nesse texto recheado de bom humor, apesar da seriedade do assunto. Parabéns.

    Responder
  38. Estes ministros que aí estão, estão folgados assim, porque tem um senado que está de cócoras, do Alcolumbre então nem se fala, todos temem que um inicio de processo de impeachment, possa desencadear um processo de prisão contra qualquer senador com rabo preso e pelo jeito a maioria está, devem pensar, “não serei eu a repetir a besteira de Cunha, que hoje está preso e nem uma covid lhe garantiu uma domiciliar”.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês