Vacina da Oxford contra a covid-19 é produzida em massa - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 8 jun 2020, 06:41

Vacina da Oxford contra a covid-19 é produzida em massa

8 jun 2020, 06:41

Quatro países iniciaram a fabricação do imunizante desenvolvido pela universidade britânica, que firmou parceria com a farmacêutica AstraZeneca

vacina

Produção em larga escala de vacinas contra a covid-19 | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

A vacina contra o coronavírus desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, está sendo produzida em larga escala. Fábricas do Reino Unido, da Índia, da Suíça e da Noruega deram início à produção do imunizante, cujos resultados dos testes devem sair em setembro.

Depois de firmar parceria com a empresa AstraZeneca, a instituição acadêmica ganhou aporte financeiro suficiente para dar início à fabricação do medicamento. Espera-se que, até 2021, pelo menos 2 bilhões de doses da vacina em questão alcancem o munto inteiro.

O movimento é audacioso.

Tanto a farmacêutica quanto a universidade estão cientes do prejuízo que terão, caso os resultados do imunizante deem negativo. Contudo, apostam que a vacina é eficaz e vai funcionar. Até o momento, dos diversos estudos em andamento, é uma das pesquisas mais avançadas.

O executivo-chefe da AstraZeneca, Pascal Soriot, afirmou ao Daily Mail: “Estamos começando a fabricar esta vacina agora. E temos que tê-la pronta para quando tivermos os resultados. É claro que existe o risco financeiro, se a vacina não funcionar. Descobriremos isso no final de agosto”.

Testes no Brasil

Conforme noticiou Oeste, o imunizante também será testado no Brasil. Sendo assim, duas mil pessoas participarão dos experimentos em São Paulo e no Rio de Janeiro. Os testes contam com o apoio do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Em São Paulo, os testes serão conduzidos pelo Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e contarão com ajuda financeira da Fundação Lemann.

A Unifesp, portanto, irá recrutar mil voluntários que estejam na linha de frente do combate à covid-19.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Segue o dinheiro!
    Financiado pelo Bill Gates.
    Oxford contra Hidroxicloroquina.
    Estudo mal conduzido.
    Lucro a caminho…

    Responder
    • ASTRA ZENECA-OXFORD-BILL GATES ??? Quem quiser que tome, mas eu estou fora, xará !

      Responder
  2. Esta vacina da Universidade de Oxford é a grande esperança da Humanidade contra o novo Coronavirus, Covid-19.
    Muitas vidas já se perderam e é preciso que a vacina seja logo testada e distribuida, caso seja eficaz na prevenção contra o flagelo chinês.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês