Vacinação sem vacina - Revista Oeste

Revista

Vacinação sem vacina
Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?
23 out 2020, 10:20

A discussão sobre a vacina contra covid-19 está avançada. Muito mais avançada que a própria vacina, mas isso é detalhe. O debate está tão acelerado, com autoridades já anunciando seus planos de imunização, que é capaz de, quando a vacina chegar, já estar todo mundo vacinado.

Eis aí uma excelente proposta: chega de espera, vamos vacinar a população antes da vacina. Mas como isso funcionaria exatamente? Muito simples: é só pegar as manchetes, os discursos, as profecias, as bravatas, comprimir tudo numa seringa e mandar pra dentro do povo. Adeus, covid.

A vacina desenvolvida mais rapidamente na história foi a da caxumba — que levou quatro anos para ficar pronta. A do sarampo levou dez anos. Mas naquela época não tinha internet, Tedros, Doria e outras maravilhas da ciência. Hoje em dia o papo é de seis meses e vamos arregaçando as mangas, ou baixando as calças, para resolver logo isso. É só uma picadinha, depois a gente estuda com calma o que foi injetado em você.

Na gripe suína, a vacina gerou enfermidades piores do que a própria doença — para ficar num exemplo histórico mais recente. Um dos trunfos para tentar acelerar a vacina contra covid é o uso de uma técnica inovadora — o RNA mensageiro, que atua na base genética do indivíduo. A ação consiste em induzir o organismo a uma produção imunológica artificial, sem que se precise inocular o vírus atenuado (método tradicional).

Ninguém sabe se isso funcionará e o que vai causar às pessoas. Mas você está ouvindo autoridades falando em iniciar a vacinação neste ano — e já pode começar a ficar na dúvida se vai ter que chamar o médico ou a polícia.

Vamos tentar decifrar o RNA mensageiro dos hipócritas?

Tudo isso se dá num ambiente de total transparência — com vacinas relâmpagos brotando das ditaduras chinesa e russa. Vai tomar a Sputnik do Putin? Com essa divertida temática espacial é possível você nem sentir a picada. “Olha o foguetinho…” E quando viu já tomou. Se o pessoal está curtindo máscara personalizada, tipo “I love my dog”, por que não entrar na onda da vacina estilizada? Estética é tudo.

Já a vacina chinesa se antecipou às marchinhas carnavalescas. Laboratórios incapazes de conter um vírus que se espalhou pelo planeta inteiro são naturalmente as instituições mais confiáveis para oferecer uma vacina. Esse seria o refrão do bloco mais debochado do Carnaval 2021 se a realidade não tivesse roubado a cena e caído no samba antes da hora.

O Ministério da Saúde entrou na disputa com os governadores mais afoitos para ver quem faz a promessa mais leviana. As “projeções” para o início da vacinação andam oscilando entre o final deste ano e o começo do próximo — sacramentando como única certeza científica o fato de que os cidadãos estão sob o comando de autoridades irresponsáveis. A rigor, já há uma segunda certeza científica: a de que isso não pode acabar bem.

E, já que a irresponsabilidade foi oficializada, os tiranetes mais tarados, como João Doria, resolveram declarar que a vacina será obrigatória para todos. Nada de mais. Para quem já inventou número de vidas salvas tentando justificar seus surtos totalitários, um disparate a mais contra a população não faz diferença. A não ser que a população desista de ser o brinquedo predileto de Joãozinho Tranca Rua e seus colegas.

A letalidade da covid-19 abaixo dos 70 anos é inferior à da gripe sazonal, como acaba de confirmar um estudo produzido na Universidade Stanford. Neste cenário, falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Mais uma marchinha roubada? Um negócio da China? O tão aguardado surto fascista?

Responda aí você, que estamos ocupados decifrando o RNA mensageiro dos hipócritas.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

40 Comentários

  1. Na mosca, mais uma vez. O Fiuza pratica tiro ao alvo contra essa gente cara de pau desde o tempo em que era dilmólogo. Parabéns!

    Responder
    • Pessoas que rejeitavam hidroxicloroquina agora querem utilizar uma vacina que utiliza RNA mensageiro !! Só o terror pra explica isso !! Ótimo texto do Fiuza !

      Responder
      • Isso mesmo Denise, a hidroxicloroquina que já existe a 70 anos e é eficaz para diversas doenças, não querem liberar para o povo, agora a vacina que nem existe já querem empurrar goela abaixo. Estranho isso, não.

        Responder
        • Correto.

          Responder
        • Bem isso, um duplo padrão de conduta de acordo com interesses próprios.

          Responder
        • Gostei do comparativo! Hidroxicloroquina não, mas a vacina chinesa que nem os chineses tomaram , SIM. . .

          Responder
      • A vacina patrocinada pelo Governo Federal (Oxford) é que utiliza técnica inovadora de adenovirus, similar a mRNA. A vacina Sinovac utiliza técnica de virus inativado.

        Responder
    • Afiadíssimo como sempre! Perfeito!

      Responder
    • Muito bom!
      Temos um Dória, é verdade. Mas temos Fiuza então continuo acreditando que o ser humano vale a pena.

      Responder
    • FIUSA comentario perfeito

      Responder
  2. Joãozinho Tranca a Rua só pensa no Din-din e em ser presidente. Imaginem esse incompetentemente Presidente, ele se acha muito, e que o povo é burro o suficiente para acreditar nisso. Na minha opinião ou a vacina será água na seringa, ou será letal pelo tempo do desenvolvimento em muitos….Excelente artigo Fiuza…

    Responder
    • São muitos anos de tirania à lá FHC, o mais pernicioso comunista do Brasil, pois se travestiu de social democrata, neste mecanismo sórdido. Tentou e faz o mundo em torno dele liberar o ópio. A serviço de quem mais estaria o “príncipe” , agora representado pelo crápula Dória, o VAGABUNDO que no carnaval em Paris costurou com a prefeita comunista a dizimação da classe média dos povos ocidentais. Jornalistas têm viés de esquerda é certo. Mas qdo se tornam políticos são avassaladores, põem em prática os fundamentos mais profundos de práticas genocidas. Às favas TUDO o que vem desses incautos estudantes mal formados pelos pais

      Responder
  3. O que espanta é a profusão de falas, opiniões, pitacos espalhadas por tudo mundo se pode acreditar mais em nada. Os políticos brigam, os cientistas brigam, a imprensa briga e nos obriga a não ver mais tv, lives, redes sociais.
    Por incrível que pareça o presidente parece o mais lúcido no contexto todo:
    “Parece que a OMS esta começando me ouvir” é ótimo.

    Responder
  4. Hahaha, muito bom, divertido e incisivo

    Responder
  5. O único remédio contra o atual surto de burrice e mandonismo é esse mesmo: vamos ridicularizar e achincalhar os dorias, dinos, ruis, camilos e tantos outros. Sem esquecer os prefeitos fecha tudo e jornalistas hipocritamente apavorados.

    Responder
    • Fiúza mais uma vez preciso! A que ponto chega um sujeito como o Doria e assemelhados. Perderam não só a noção de ridículo como a vergonha na cara.

      Responder
  6. Sensacional! Excelente! Como sempre.

    Responder
  7. Fiuza, seu artigo é uma excelente vacina contra a hipocrisia e estupidez. Sem contar que já temos o levandowhisky já remetendo o pedido histérico do tranca rua apoiado pelo senador dpvat da mesma estirpe, que já mandou o assunto pra o pretório excelso decidir em nome do povo. Há uma chance enorme do povo literalmente mandar todos esses palhaços se auto vacinarem e suas respectivas famílias- porque não há como forçar ninguém a tomar a vachina, e então seus promotores vão ficar sem a comissão pela venda. Podem preparar a pipoca pra assistir o circo.

    Responder
    • Parabéns pelo texto, realmente a única forma de aturar os nossos “donos” totalmente debilóides é com muita ironia.

      Responder
  8. Excelente Fiuza . A briga no vácuo da inexistência da vacina está grande

    Responder
  9. Alô SP !!! Até quando…?

    Responder
  10. Genial Fiúza… Parabéns pela habilidade de sempre!
    Mas vamos falar sem rodeios: esse crápula do covidoria está ganhando – e muito – dinheiro da chinesada…
    Que coincidência ele ter estado lá na china em Agosto do ano passado… não?Vendendo sp…e sabe-se lá mais o que, se comprometeu a comprar máscaras, respiradores, vacinas e a vender tudo o que a chinesada quiser comprar ….a preço de banana, é claro!
    Esse safado além de mentiroso contumaz, como já sabemos, também é um traidor vagabundo, e um corrupto de mão cheia.
    Relembrando, esse cidadão enriqueceu com um instituto cuja atividade principal é aproximar políticos de empresários…precisa dizer mais alguma coisa?
    Só não percebeu quem é estúpido, ou cego, ou tem o rabo preso em alguma dessas patifarias, e joga em seu próprio interesse!
    Fiúza, abração…! Falou tudo!

    Responder
  11. Meu caro Guilherme Fiuza,
    Tua ironia já faz escola no Brasil. Tomara que teu livro faça escala em todas as cidades brasileiras. Estou degustando o FAKE BRAZIL: a epidemia de falsas verdades, da Avis Rara, selo de Faro Editorial. Estou na página 124 e pergunto com você: “Se for preciso, onde eu arranjo uma retroescavadeira?”. Bom, ardiloso Fiuza, sou professor e dou uma dica aos teus milhares de leitores: o contato é um dos ex-ministros da Educação da ex-presidente Dilma Rousseff. Veja que esta partícula, ex, sempre pode trazer alguma alegria para a memória das fake news. Foi tudo verdade. Inclusive a sessão fake do Congresso para servir a cassação do mandato como bolo: em fatias.

    Responder
  12. Estou otimista. 200 milhões de brasileiros sabem tudo sobre vacinas! Só tenho uma dúvida caro Wilhelm. Os paulistas serão os primeiros brasileiros a receber a vacina? Depois qual Estado será privilegiado? Dizem as más línguas que a Globo já se ofereceu para realizar um sorteio, com auditoria independente e técnicos da loteria da CEF para ajudar a planejar a sequência de regiões que receberão o remédio chinês. Em segundo lugar… o Maranhão… em terceiro lugar, o Rio Grande do Norte, em quarto lugar, o Rio de Janeiro… e assim por diante. Só espero que sobre alguma coisa para o Rio Grande do Sul. Afinal também estou otimista, pois a China pretende produzir e distribuir em seis meses 5 bilhões de doses. Até a Argentina parece que vai entrar no sorteio chinês que já disse que a bolinha dos EUA não entra na rifa.
    O Lula será convidado para ser o primeiro brasileiro a receber a vacina chinesa em cadeia nacional… ôps.

    Responder
  13. Belo artigo como de costume!

    Responder
  14. Não é por motivação humanitária que Dória deseja a vacinação obrigatória, mas tão somente de olho no próximo carnaval, a fim de faturar com as ruas apinhadas de crédulos se acotovelando, aviões e cruzeiros aportando cheios de turistas, como permitiu no último, quando o vírus já havia chegado ao país!!! Na ocasião o interesse monetário falou mais alto. Agora, certamente pretende vender a ideia de que com todos já vacinados não haverá mais o risco de contaminação! E pensar que ainda há boquirrotos quem dão crédito a essa criatura!!! Em respeito à própria imagem, o melhor que faria seria se retirar da vida pública brasileira e ir gerir seus negócios na China, numa viagem só de ida!!!

    Responder
    • Quero ver qual será o Dr. Josef Mengele que vai me obrigar a tomar essa vacina. Esse “bicho de goiaba” que, desgraçadamente, (des)governa o meu Estado de São Paulo, sonha com os píncaros da glória, em Brasília, mas seus arroubos totalitários evidenciam o quanto é pequeno e medíocre. É uma nulidade. Só uma criatura com atributos tão negativos conseguiria conceber essa ideia de obrigatoriedade de uma vacina que ainda é apenas e tão somente uma esperança/promessa, transformando-a em uma ameaça!

      Responder
  15. Qual o tamanho da irresponsabilidade de quem quer obrigar a tomar a vacina? E ainda acham que vivemos numa democracia! Espero que os paulistanos eliminem a cria do DoriANA da prefeitura, e em 2022 acabem com a “carreira” politica desse cara que envergonha o estado que nasci.

    Responder
  16. Do que exatamente trata esse escritório de São Paulo na China, aberto em agosto de 2019, pelo João Agripino Jr?

    Responder
  17. Excelente texto e com a fina ironia que o Fiuza sabe trabalhar como um literato. Parabéns

    Responder
    • Parabéns Fiuza. Fico sem vacina e prefiro confiar na Cloroquina e ivermectina há mais de 70 anos no mercado brasileiro e usado no tratamento em países pobres como India e África e já com resultados comprovados em pacientes que estao no estagio inícial da Covid 19.

      Responder
  18. Dou nota 9,9 para o seu texto, Fiúzza, porque você deixou de dizer uma frase que julgo muito pertinente: “Um movimento alonga o erro, quando o intento do destino não decide”.

    Responder
  19. Grande Fiuza! Parabens pelo texto. O Dória vacininha, não pode ser levado a sério, o cara é um folclore Brasileiro, só essa velha imprensa, e outros caras que ainda não perceberam o quão medíocre o homem é, continuam apoiando essas bobagens que ele fica dizendo; e mais, sua figura com essa máscara e sua voz delicada, fica dificil suportar.

    Responder
  20. Ele que tem ambições de chegar a presidência cada dia que passa mostra que o presidente tinha razão “é um b****”. Só faz “M” todos os dias. Ou tem algum comprimi$$o com PCC que ninguém sabe. Fato é que não será eleito nem pra sindico de prédio.

    Responder
  21. Grande Fiuza, excelente artigo.

    Responder
  22. Otimo texto Fiuza. Parabéns.

    Responder
  23. “Vai tomar a Sputnik do Putin? Com essa divertida temática espacial é possível você nem sentir a picada. “Olha o foguetinho…” E quando viu já tomou. ”

    Você é genial Fiuza!

    Responder
  24. Prezado e estimado Fiuza, gosto muito de ouvi-lo, pois consegue retratar absurdos de uma forma, aonde conseguimos passear pela passarela da realidade, com fantasia de “otários”, mais pelo menos, esclarecidos. Admiro-o em suas colocações – sou filho de fotojornalista (in memoriam) do jornal Folha de S. Paulo, formado em comunicação, desenhista e fotógrafo – e o Sr. João Holofotes Palanque Dória, obedecesse o que consta no brasão da cidade de São Paulo, ou seja: “NON DVCOR DVCOR” – “Não sou conduzido, conduzo”; em relação a esse assunto da vacina, pois o mesmo, ignora a nossa inteligência. Parabéns, mais uma vez, pela bela explanação do assunto. Forte abraço!

    Responder
    • No início, não fui muito claro, pois comentei utilizando-me do verbo ouvir, pois além de ouvi-lo, agora, tenho o prazer de ler seus artigos. Forte e grande abração!

      Responder
  25. A verdadeira pandemia ditatorial sequestrou a racionalidade e o bom senso, o covid é um mero coadjuvante!!!!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês