Vamos tirar Maduro de lá, diz secretário de Estado de Trump no Brasil

Edição da semana

Em 19 set 2020, 10:15

Vamos tirar Maduro de lá, diz secretário de Estado de Trump no Brasil

19 set 2020, 10:15

Declaração foi dada em Roraima, onde se encontrou com refugiados venezuelanos e com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo

Secretário de Estado norte-americana, Mike Pompeo | Foto: Reprodução/Itamaraty

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, subiu o tom contra o ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, e disse: “vamos tirá-lo de lá”.

A declaração foi dada nesta sexta-feira, 18, durante visita ao Brasil. Ele foi à Boa Vista, em Roraima, onde se encontrou com refugiados venezuelanos e com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

LEIA MAIS: EUA proibirão ‘downloads’ de TikTok e WeChat no domingo

“Não devemos esquecer que ele está destruindo seu próprio país e também é um traficante de drogas. Está impactando na vida dos Estados Unidos, mas vamos tirá-lo de lá”, disse o secretário de Estado.

Pompeo afirmou que os Estados Unidos querem “representar as pessoas da Venezuela” e que a missão do país é “assegurar que a Venezuela tenha uma democracia”.

Em reação à visita, o ditador Nicolás Maduro afirmou que o secretário de Trump está em uma “viagem de guerra contra a Venezuela”.

US$ 30 milhões

Pompeo

Secretário de Estado norte-americana, Mike Pompeo | Foto: Reprodução/Itamaraty

Segundo a embaixada dos Estados Unidos no Brasil, o encontro deveria discutir a imigração venezuelana no país.

O governo Trump disse que o objetivo da visita é “ressaltar o apoio dos EUA aos venezuelanos” e que vai enviar ao Brasil mais US$ 30 milhões para auxiliar no acolhimento dos imigrantes.

Do Brasil, Pompeo seguiu para Bogotá, na Colômbia. Na visita à América do Sul ele visitou todos os países que fazem fronteira com a Venezuela.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Os princípios que movem o cerco a Maduro são nobres, contudo a atuação dos EUA no subcontinente lança uma sombra para o futuro: imaginemos um governo democrata comandando o grande irmão do norte, em um futuro talvez não distante, armando uma intervenção sobre a Amazônia brasileira baseado na histeria ambientalista. Pau que bate em Chico…

    Responder
    • Bom, se for negociar com imaginação eu também colocaria um monte delas na mesa!
      A cituação da Venezuela é real ñ imaginação e requer açôes!
      Acho q algo deve ser feito, mas dentro dos princípios democráticos.
      Ñ devemos tbem levar ao pé da letra o q falou aos venezuelanos lá presentes …

      Responder
    • When tiranny becomes law, rebellion becomes duty.
      Nenhum país no mundo a não ser os Estados Unidos da América tem o poder necessário para remover esse genocida que é o Maduro e devolver a dignidade para a Venezuela. Pena que não seja possivel aproveitar a ocasião para fazer uma limpeza na pocilga (“stf”) e no ninho de ratos (“congresso nacional”). Na verdade, é possível na prática mas jamais será feito. Não fizeram até hoje com Cuba, infelizmente.

      Responder
  2. Para aqueles q pensam q falar q maduro é um traficantes d drogas, e isso é um absurdo!!! não se preocupem, MARCOLA em breve será considerado preso político. A diferença entre maduro e Marcola é uma presidência, e o PCC vai ser considerado partido d libertação nacional. Só falta colocar o nome de MARIGUELA.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês