Venda de máquinas agrícolas deve crescer 10% ainda este ano

Edição da semana

Em Em 21 out 2020, 18:43

Venda de máquinas agrícolas deve crescer 10% ainda este ano

21 out 2020, 18:43

Dado se refere à comercialização direta aos agricultores. Vendas às concessionárias também devem aumentar 5%

máquinas agrícolas, agronegócio, crescimento

Vendas de máquinas agrícolas direto aos agricultores devem crescer 10% ainda este ano
Foto: dlohner/Pixabay

Após um período de incertezas com a crise do coronavírus, a indústria de máquinas agrícolas deve fechar o ano com lucros, com alta de 5% a 10% nas vendas ao agricultor, advindas da necessidade de renovação na frota de tratores e colheitadeiras, e pela retomada de investimentos do setor de grãos.

É o que estima o vice-presidente da New Holland Agriculture para a América do Sul, Rafael Miotto, que acredita em uma “recuperação consolidada” na venda direta aos agricultores.

Para as vendas a concessionárias, porém, o vice-presidente entende que o  processo será mais lento e o avanço, mais modesto no desempenho anual, em torno de 5%. “Temos uma base de demanda e necessidade de renovar o parque de máquinas [para atualizar a tecnologia] e esse momento de remuneração muito boa, com a safra sendo vendida antecipadamente, e bons preços”, comemorou ele.

De acordo com Miotto, 2020 era visto como um ano de recorde nas vendas de máquinas, considerando o cenário atual de preços das commodities. No entanto, os impactos da covid-19  no exterior limitaram a ampliação de investimentos. “A pandemia não afeta o produtor, mas afeta todo o entorno dele. Ele está sendo cuidadoso”, destacou.

Segundo a  Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), entre janeiro e setembro, foram vendidas 33,28 mil unidades de máquinas agrícolas e rodoviárias no Brasil, aumento de 0,9% ante mesmo período do ano anterior. Até o primeiro semestre, a comercialização teve queda de 1,3% na comparação com o mesmo período de 2019, para 19,64 mil unidades, pressionada pelos meses de pico da pandemia.

Se por um lado o coronavírus trouxe incertezas no primeiro semestre, por outro, o surto da doença deu forças ao dólar que, por sua vez, tornou as commodities agrícolas mais competitivas para exportação. A isso se junta uma forte demanda, principalmente da China por soja, e o agricultor teve forte demanda antecipada — fator determinante para a reação no mercado de máquinas.

“Este cenário mostra que já temos potencial para crescimento no ano que vem. Temos que ter um pouco de cautela, mas minha opinião é de otimismo. Não consigo ver forma de não melhorar”, afirmou o executivo, sem arriscar um número para 2021.

No Brasil, maior produtor e exportador de soja do mundo, as lavouras estão em fase de plantio, com mais da metade da produção esperada já comercializada. Em Mato Grosso, principal fornecedor do grão no país, as vendas chegam a 60%.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

O custo e o valor de ser ‘contrariador’

Prêmios como o ‘Contrarian Prize’ servem para aplacar o medo que muitos têm de se manifestar em defesa daquilo em que acreditam e assim reduzir o poder social do cancelamento cultural

Mentir e trancar é só começar

“Se você começar a proibir aglomeração em ônibus, vai faltar povo pra abastecer a quarentena vip, né?” / “Aí você captou tudo. Vidas doces importam”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Não é erro, é viés!

Não é uma tese conspiratória imaginar que há, sim, esquema nas pesquisas. Essa é uma possibilidade plausível

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O ex-mártir

O ex-mártir

"O antigo santo da luta anticorrupção, bandido para a esquerda e traidor para os bolsonaristas é um homem como qualqu...
A descoberta do ano

A descoberta do ano

"Desde o primeiro caso de covid-19, boa parte dos políticos viram na epidemia uma belíssima oportunidade para tirar pr...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 37 — 04/12/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês