Witzel: do sonho de ser presidente à possibilidade de pedir asilo político

Edição da semana

Em Em 28 out 2020, 21:25

Witzel: do sonho de ser presidente à possibilidade de pedir asilo político

28 out 2020, 21:25

Governador afastado do RJ dispara ataques à família Bolsonaro

wilson witzel - sonho em ser presidente - realidade mira asilo político

Wilson Witzel: sonho na Presidência; realidade aponta para pedido de asilo político
Foto: Divulgação

Wilson Witzel (PSC) admite que almeja realizar voos maiores no cenário político brasileiro. Isso apesar de ter entrado para o meio há apenas dois anos, quando se candidatou (e se elegeu) governador do Rio de Janeiro. Nesta semana, ele falou até em se tornar presidente da República.

Leia mais: “Processo de impeachment contra Witzel chega ao plenário do STF”

“Minha missão na política está apenas começando. Tenho ainda o sentimento patriótico de ser presidente”, comentou Witzel em entrevista ao site da revista Veja. Apesar do sonho de chegar ao Palácio do Planalto, ele está fora do poder desde agosto. Na ocasião, a Justiça determinou seu afastamento do Executivo fluminense por 180 dias. Desde então, o governo é conduzido por Cláudio Castro (PSC). Além disso, ele encara processo de impeachment na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) — onde não conta com o apoio de nenhum parlamentar.

“Wilson Witzel: a síntese do político abandonado” — por Silvio Navarro

Relembre: “Quem é Cláudio Castro e como ele se tornou governador do RJ”

Fora o ponto em que revela sonhar com o cargo atualmente ocupado por Jair Bolsonaro, Witzel fez declarações mais realistas para seu cenário. Colocando-se na condição de vítima, afirmou ser um perseguido político. Com isso, levantou a possibilidade de deixar o Brasil no decorrer dos próximos meses.

“Se perceber que há perseguição política e cooptação das instituições contra mim e minha família, pretendo pedir asilo político no Canadá”, disse na entrevista, sem explicar por quais razões pensaria em se mudar para o país da América do Norte. “Consigo emprego em qualquer lugar do mundo”, afirmou Witzel, que é ex-juiz federal.

Família Bolsonaro

Wilson Witzel ainda afirmou que Jair Bolsonaro o vê como adversário político e foi ao ataque contra o filho mais velho do presidente da República. “Não é exagero dizer que a República gira hoje em torno da proteção a Flávio Bolsonaro [senador pelo Republicanos do Rio de Janeiro]”, acusou o governador, que está afastado do cargo por suspeitas de envolvimento em crimes relacionados a fraudes de contratos na área da saúde em plena pandemia de covid-19.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 Comentários

  1. Este está prontinho pra ser declarado com insanidade mental. Talvez este seja o ponto desde o início.

    Responder
  2. Esse falastrão é o retrato de 99,9% dos políticos brasileiros: corrupto, vaidoso, ganancioso e incompetente.

    Responder
  3. Quero ver qual país concederá asilo político a um psicopata desses aí. Francamente ainda não sei como que um tipo desses conseguiu se tornar um juiz federal. Deveriam fazer um teste de sanidade mental para se ocupar um cargo desses, onde se julgam outras pessoas. Imaginem ser julgado por um doido!

    Responder
  4. Bolsonaro 2022, simples assim.

    Responder
    • Não será tão simples assim depois da indicação do novo Ministro do STF.

      Responder
    • Deveria pedir asilo num desses maravilhosos que existe aqui no país, principalmente no Rio de Janeiro!

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês