Witzel se envolveu em esquema de corrupção quando ainda era juiz

Edição da semana

Em 15 set 2020, 16:53

Witzel se envolveu em esquema de corrupção quando ainda era juiz

15 set 2020, 16:53

Nova delação feita à PGR por empresário aponta recebimento de R$ 980 mil por governador afastado antes de ser eleito

wilson witzel, juiz, corrupção, governo do rio de janeiro, edson torres, secretaria de saúde

Segundo delação, Witzel já recebia dinheiro de corrupção quando era juiz
Foto: FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, já recebia dinheiro para fazer parte de esquema de corrupção quando era juiz federal.

A denúncia foi feita na delação premiada do empresário Edson Torres à Procuradoria-Geral da República.

Nela, Torres afirma que, depois de a Operação Lava Jato avançar sobre o grupo do ex-governador Sérgio Cabral, os empresários que esquematizavam a corrupção começaram a procurar novos rostos para voltar ao poder. Foi assim que chegaram a Witzel, ainda em 2017.

Após várias reuniões, ficou acertado entre Torres e o Pastor Everaldo, presidente do PSC e “padrinho” político do governador afastado, que Witzel receberia R$ 980 mil em cinco parcelas, para ter “conforto” e “segurança”, já que seria obrigado a largar o cargo e o salário de juiz federal para se candidatar.

A última prestação foi paga em abril de 2018. Wilson Witzel elegeu-se em novembro daquele mesmo ano.

A partir daí, foi criada uma “caixinha da propina” na Secretaria de Saúde, com a cobrança de 3% a 7% do total dos contratos fechados. O dinheiro conseguido era dividido entre Edson Torres, o ex-secretário de Saúde Edmar Santos, o doleiro Victor Hugo Cavalcante e 40% do lucro das operações ilegais era “rachado” entre Witzel e Everaldo.

Tanto o governador afastado quanto o presidente do PSC negam qualquer envolvimento no esquema de corrupção.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Pode bater no Rio, mas aqui a rapaziada vai p xilindró. Moreira Franco, garotinho, rosinha, Cabral, pezão e agora witezel. Aqui a jiripoca pia firme. Agora são Paulo……

    Responder
    • Verdadw, aqui parece haver um gde entrosamento entre o MPE e os governos tucanos

      Responder
  2. “Pau que nasce torto, não tem jeito. Morre torto.”

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês