-Publicidade-

Ministro do TCU é denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro

Operação Lava Jato apurou que ministro Vital do Rêgo recebeu R$ 3 milhões da OAS enquanto presidia CPI da Petrobras.
O ministro do TCU Vital do Rêgo foi denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro pela Operação Lava Jato | Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
O ministro do TCU Vital do Rêgo foi denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro pela Operação Lava Jato | Foto: Geraldo Magela/Agência Senado | vital do rêgo, tcu, operação lava jato, cpi da petrobras, oas, propina corrupção lavagem de dinheiro, leo pinheiro, delação premiada, denúncia

Operação Lava Jato apurou que ministro Vital do Rêgo recebeu R$ 3 milhões da OAS enquanto presidia CPI da Petrobras

vital do rêgo, tcu, operação lava jato, cpi da petrobras, oas, propina corrupção lavagem de dinheiro, leo pinheiro, delação premiada, denúncia
O ministro do TCU Vital do Rêgo foi denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro pela Operação Lava Jato | Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

A força-tarefa da Operação Lava Jato denunciou nesta terça-feira, 25, o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo por corrupção e lavagem de dinheiro. Em nova fase da operação deflagrada hoje, ele teve R$ 4 milhões em bens bloqueados.

O ministro é investigado por receber propina da empreiteira OAS enquanto presidia a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, em 2014, no Senado, de acordo com informações do Ministério Público Federal (MPF).

Ainda segundo a denúncia, Leo Pinheiro, então presidente da OAS, pagou R$ 3 milhões a Vital do Rêgo para que ninguém da empreiteira tivesse de prestar depoimento à CPI.

O dinheiro foi pago por meio de doações ao MDB e a empresas na Paraíba.

Batizada de Ombro a Ombro, a 73ª fase da Lava Jato cumpre 15 mandados de busca e apreensão em Cabedelo, Campina Grande e João Pessoa, na Paraíba, além de Brasília.

Além do ministro do TCU, um então assessor dele, Alexandre Costa, também está na lista da força-tarefa e teve R$ 2 milhões bloqueados, porque, segundo o MPF, ele era intermediador das propinas.

A operação se baseia na delação premiada de Leo Pinheiro.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 comentários

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês