-Publicidade-

Argentina ganha alívio temporário de sua dívida

Reestruturação de débitos foi conseguida após negociação com três principais credores privados do país, segundo Ministério da Economia.
O ministro da Economia da Argentina, Martín Gúzman: alívio com renegociação | Foto: Ministério de Economia da Argentina
O ministro da Economia da Argentina, Martín Gúzman: alívio com renegociação | Foto: Ministério de Economia da Argentina | argentina, dívida, credores, renegociação, bônus

Reestruturação de débitos foi conseguida após negociação com três principais credores privados do país, segundo Ministério da Economia

argentina, dívida, credores, renegociação, bônus
O ministro da Economia da Argentina, Martín Gúzman: alívio com renegociação | Foto: Ministério de Economia da Argentina

A Argentina e seus três principais grupos de credores privados chegaram a um acordo para a reestruturação de dívida que garantirá um “alívio significativo” ao país, segundo comunicado divulgado pelo Ministério de Economia na madrugada desta terça-feira, 4.

Pelo acordo, que envolve o Grupo Ad Hoc de Bonistas Argentinos, o Comitê de Credores da Argentina e o Grupo de Bonistas del Canje e outros detentores da dívida, o governo “ajustará algumas das datas de pagamento” dos novos bônus estabelecidos na oferta de troca anunciada em 6 de julho.

Para que o acordo seja válido e os detentores de bônus formalizem sua adesão, a Argentina ampliou a data de sua oferta de troca até 24 de agosto, na tentativa de reestruturar dívida no valor de cerca de US$ 66,2 bilhões.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Pode fazer o arranjo que for, a Argentina não gerará riqueza para pagar esses empréstimos. Os gestores dos fundos estão ganhando tempo para dar uma satisfação aos investidores.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês