-Publicidade-

EUA: Biden derruba veto a transgêneros nas Forças Armadas

A medida era uma promessa de campanha do democrata
Joe Biden quer a presença de pessoas transgênero nas Forças Armadas norte-americanas
Joe Biden quer a presença de pessoas transgênero nas Forças Armadas norte-americanas | Foto: Reprodução/Twitter

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, derrubou a proibição que seu antecessor, Donald Trump, havia colocado para transgêneros nas Forças Armadas do país. A medida adotada nesta segunda-feira, 25, era uma promessa de campanha do democrata.

“O presidente Biden acredita que a identidade de gênero não deve ser uma barreira para o serviço militar e que a força da América está em sua diversidade”, escreveu a Casa Branca em comunicado.

“Permitir que todos os norte-americanos qualificados sirvam ao seu país é melhor para os militares e melhor para os EUA”, aponta o documento. “É a coisa certa a fazer e é do nosso interesse nacional.”

As Forças Armadas dos EUA têm cerca de 1,3 milhão de soldados na ativa, segundo o Departamento de Defesa. Não há dados oficiais sobre o número de transgêneros, mas o instituto de pesquisas políticas Rand Corp estimou, em 2016, que eram cerca de 2.450 na ativa.

Leia também: “Globalistas assanhados com Biden”, artigo de Rodrigo Constantino publicado na Edição 43 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

  1. Que coisa, hein! Próximo capítulo: Gaiola das Loucas nas forças armadas americanas. No primeiro conflito real com um inimigo, os marginaizinnhos de esquerda conseguirão humilhar o próprio país.

  2. Pessoas com disforia de gênero têm problemas psicológicos importantes e maior propensão ao suicídio, independentemente de realizarem a transição ou não. Não acho que uma carreira militar, com amplo acesso a armas, seja a profissão mais indicada neste caso.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês