Revista Oeste - Eleições 2022

Esqueçam o Lula de 2002

O Lula 2022 é outro homem. Está decidido a ser quem ele realmente é — e não um presidente obrigado a fingir que gosta de democracia, quando gosta exatamente do contrário
-Publicidade-
O Lula de 2002 ficou para trás
O Lula de 2002 ficou para trás | Foto: Reprodução/Redes sociais

(J.R. Guzzo, publicado no jornal O Estado de S. Paulo em 19 de janeiro de 2022)

De uma coisa ninguém vai poder acusar Lula caso ele volte um dia à Presidência da República, como garantem as pesquisas eleitorais que no momento lhe dão 110% dos votos, com viés de alta: de ter escondido, durante a campanha, que queria criar uma ditadura no Brasil. Isso não. É raro passar um dia inteiro sem que ele diga, com todas as palavras, que quer governar com base num regime de força (ele chama de “regime forte”), em que só manda um “partido forte”, o PT, e em que tudo se subordina a um “Estado forte” — tudo isso, claro, comandado por um “homem forte” que naturalmente só pode ser ele próprio.

Lula não tem nenhum constrangimento em dizer essas coisas em público porque tem certeza absoluta de que é isso mesmo, exatamente, o que ele quer hoje — não tem mais interesse nem paciência, à essa altura, para ficar “negociando” cada portaria que tiver de assinar, cedendo isso ou aquilo “à direita” ou obedecendo regras que ele não criou. Ou é assim, ou então não interessa. Esqueçam o Lula de 2002, que queria tanto parecer um boa praça e seguia as instruções dos publicitários para fazer comerciais fofos na tevê. O Lula 2022 é outro homem. Está decidido a ser quem ele realmente é — e não um presidente obrigado a fingir que gosta de democracia, quando gosta exatamente do contrário.

-Publicidade-

Lula sempre foi um político dissimulado, ambíguo e sem espinha dorsal — chegou a beijar a mão de Paulo Maluf tempos atrás —, mas numa coisa nunca variou: em sua admiração sem limites por Fidel Castro e Cuba, e por Hugo Chávez e Venezuela. Sempre quis ser um deles, ou os dois juntos ao mesmo tempo — só não tentou porque tinha medo de não conseguir. Parece não ter mais essa preocupação; acha que “a esquerda” está levando tudo, no Chile, no Peru, na Bolívia, fora o que já levou, e que em novembro será a sua vez.

Para não deixar dúvidas, o candidato do PT e dos advogados criminalistas especializados em corrupção também está dizendo, com toda a convicção do mundo, que o Brasil deveria ser governado como a China. Pois é: além de Cuba e Venezuela, a China, ultimamente, foi promovida à condição de regime da sua preferência. O que deixa Lula fascinado, ali, não é o capitalismo selvagem praticado na economia, coisa que aliás nem entende direito o que seja — e sim a ditadura do Partido Comunista. Prepare-se, portanto, para ouvir falar muito de China, “modelo chinês” e mais do mesmo no palanque lulista de 2022.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.