Seca afeta hidrovia e provoca demissão de 400 funcionários

A hidrovia Tietê-Paraná é considerada fundamental para o escoamento da produção agrícola
-Publicidade-
Hidrovia do rio Tietê-Paraná é uma das principais vias hidroviárias em funcionamento no país
Hidrovia do rio Tietê-Paraná é uma das principais vias hidroviárias em funcionamento no país | Foto: Divulgação/DNIT

Mais de 400 pessoas que trabalhavam em empresas de transporte de carga na hidrovia Tietê-Paraná foram demitidas em 2021 por causa da seca. O número inclui funcionários que trabalhavam em terra e embarcados. Ao todo, a hidrovia emprega cerca de 1,5 mil pessoas.

O dado é do Sindicato dos Armadores de Navegação Fluvial do Estado de São Paulo (Sindasp), que representa as empresas.

A hidrovia passa pelos Estados de São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais e é considerada fundamental para o escoamento da produção agrícola da região.

-Publicidade-

Obras paradas resolveriam o problema

O Sindasp alega que uma das demandas é a finalização de uma obra que vai retirar pedras do leito do rio na região de Nova Avanhandava, em São Paulo, o que aumentará a profundidade e viabilizará a navegação.

A obra foi autorizada Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil em 2017, mas está paralisada desde 2019.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura a execução foi interrompida porque o Departamento Hidroviário de São Paulo, do governo estadual, atualizou o projeto, mas os estudos apresentados “se mostraram insuficientes e incompletos”.

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes trabalha na análise do novo orçamento, apresentado somente em outubro deste ano, para viabilizar a contratação do que resta.

Segundo a Secretaria de Logística e Transportes do governo de São Paulo, a obra está parada porque o governo federal não repassou os R$ 320 milhões previstos.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Somente em 2023 para resolver muitos problemas de São Paulo com um governador e um senador indicado por Bolsonaro. Temos excelentes nomes Coronel Melo e Wentraub para Governadores e o Tarcisão do Asfalto para o Senado (porque precisamos dele no Ministério da Infra), quero ver a fuça de políticanalha atrapalhar o Presidente reeleito e depois pedir obras para seu estado.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.