Após reunião com evangélicos, Aras defende abertura de templos

Procurador-geral da República esteve com o pastor Silas Malafaia e o bispo Abner Ferreira em encontro fora da agenda
-Publicidade-
Nos bastidores, Aras é considerado um dos candidatos a vaga no Supremo Tribunal Federal
Nos bastidores, Aras é considerado um dos candidatos a vaga no Supremo Tribunal Federal | Foto: José Cruz/Agência Brasil

O procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu que igrejas e templos possam continuar abertos mesmo durante fases mais restritivas de isolamento social impostas em meio à pandemia de covid-19. Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, ele esteve reunido na segunda-feira 15 com dois líderes evangélicos, em encontro fora da agenda oficial.

Participaram da reunião, de acordo com a publicação, o pastor Silas Malafaia e o bispo Abner Ferreira. O encontro ocorreu na sede da Procuradoria-Geral da República (PGR).

-Publicidade-

Leia mais: “Aras diz que não abrirá inquérito sobre Bolsonaro por cloroquina”

“Nessa reunião, ele [Aras] declarou o que está na Constituição”, contou Malafaia. “Primeiro, lugar de culto é inviolável, ninguém pode fechar ou impedir um culto religioso. Segundo, que as religiões cumprem um papel que o Estado não consegue, têm um papel terapêutico nessa história. Ele disse para mim que apenas um procurador se contrariou. Todos os demais concordaram com a fala. Essa foi a palavra dele, que acha um absurdo, uma afronta.” Por meio de sua assessoria, Aras confirmou a reunião com os religiosos, na qual foram tratados “temas de interesse dos evangélicos”.

Nos bastidores, Augusto Aras é apontado como um dos candidatos à vaga do ministro Marco Aurélio Mello no Supremo Tribunal Federal (STF). O magistrado se aposenta em julho, o que abrirá espaço para uma nova indicação do presidente Jair Bolsonaro à Corte. O favorito, no entanto, é o ministro da Justiça e da Segurança Pública, André Mendonça.

Bolsonaro já disse publicamente, ainda em seu primeiro ano de governo, que gostaria de indicar ao STF alguém “terrivelmente evangélico”. Mendonça é pastor da Igreja Presbiteriana Esperança, em Brasília. “O André Mendonça tem a unanimidade da liderança evangélica. Mas quem vai bater o martelo é o presidente”, afirmou Malafaia. “Ninguém colocou faca no pescoço de Bolsonaro. O André tem apoio de 95% da liderança, ele é o cara que tem mais chance”.

Leia também: “PGR recorre de decisão de Fachin que anulou condenações de Lula”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 comentários

  1. Quem não souber orar em casa, coloca em dúvida a sua fé. Cultos religiosos não são atividades essenciais. Alimentação e saúde, sim.

    1. Deus merece não só o culto privado, mas também o culto público. E devemos amar a Deus mais do que a nós mesmos. Quem põe o temor da doença e da morte acima do amor a Deus não pode pretender dar lições de fé a ninguém.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.