Cidade de Santa Catarina teve apenas 2 mortes relacionadas à covid-19

A letalidade está em 0,5% dos casos confirmados — o que é cinco vezes menos que a média nacional (2,5%)
-Publicidade-
Entrada de Rancho Queimado (SC)
Entrada de Rancho Queimado (SC) | Foto: Secretaria Municipal de Saúde de Rancho Queimado (SC)

Com cerca de 3 mil habitantes, Rancho Queimado, cidade no interior de Santa Catarina, registrou dois mortos infectados com a covid-19 desde o começo da pandemia. A primeira vítima morreu em julho, com 83 anos, e a segunda em setembro, com 73 anos.

A covid-19 atingiu 387 moradores locais. A letalidade está em 0,5% dos casos confirmados — o que é cinco vezes menos que a média nacional (2,5%). De acordo com a prefeitura da cidade, 376 pacientes foram curados e nove restam em tratamento. O governo estadual atribui um terceiro óbito ao município. Entretanto, a Secretaria Municipal de Saúde não reconhece o número, alegando que essa vítima residia havia anos em Florianópolis, a capital do Estado.

-Publicidade-

Em meados do ano passado, a rede de saúde municipal adotou o tratamento precoce contra a doença. A depender da necessidade do paciente, os médicos locais prescrevem algumas medicações — entre elas, a ivermectina.

Segundo a prefeita local, Cleci Aparecida Veronezi (MDB), a economia do município segue sem restrições maiores que as implantadas pelo governo estadual. O comércio, por exemplo, pode funcionar até as 20 horas. Cleci está em seu segundo mandato consecutivo — ela se reelegeu com 74% dos votos válidos.

Leia também: “Em Portugal, grupo de médicos pede uso de ivermectina no tratamento da covid-19”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. O Tratamento precoce evitou mortes. Por total ignorância, questões políticas e(ou) radicalismos, ainda há resistências a este tratamento que já se provou eficaz em diversos lugares.

  2. A receita é a mesma, basta a justiça e os governadores deixarem os médicos prescreverem. Parece paixão né, mas não é. No Brasil é o juiz, o ministro, o governador ou o desembargador que decide se o médico pode ou não prescrever tratamentos precoces.

    1. ….que a não ciência (segundo eles) aplicada em Porto Feliz, Porto Seguro e Rancho queimado. Parem com isso, vocês estão matando pessoas, não adianta negar são números, o Brasil já perdeu mais ou menos 100 mil vidas pela postura adotada por vocês

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.