-Publicidade-

Desigualdade social cai a menor patamar da História

Auxílio emergencial do governo federal reduziu a pobreza, mas o alto custo torna sua manutenção inviável
Desigualdade social caiu a menor patamar histórico com auxílio emergencial | Foto: Alicia Nijdam/Flickr
Desigualdade social caiu a menor patamar histórico com auxílio emergencial | Foto: Alicia Nijdam/Flickr | desigualdade social, auxílio emergencial, coronavoucher, renda brasil, ministério da economia, paulo guedes, jair bolsonaro, governo federal

Auxílio emergencial do governo federal reduziu a pobreza, mas o alto custo torna sua manutenção inviável

desigualdade social, auxílio emergencial, coronavoucher, renda brasil, ministério da economia, paulo guedes, jair bolsonaro, governo federal
Desigualdade social caiu a menor patamar histórico com auxílio emergencial
Foto: Alicia Nijdam/Flickr

Pesquisa comandada pelo sociólogo da Universidade de São Paulo (USP) Rogério Barbosa aponta que, com o auxílio emergencial — popularmente conhecido como coronavoucher — distribuído pelo governo federal durante a pandemia, o Brasil alcançou o menor patamar de desigualdade social da História.

De acordo com especialistas, sem o benefício, a crise provocada pelo coronavírus teria feito o Brasil retroceder aos mesmos níveis de concentração de renda de 50 anos atrás.

“Foi uma queda (da desigualdade) sem precedentes. Se não houvesse o auxílio, todo o esforço redistributivo dos últimos 25 anos teria se perdido”, reflete Barbosa.

Segundo dados do governo, 60 milhões de brasileiros receberam o coronavoucher, entre desempregados e trabalhadores informais, a quem o ministro da Economia, Paulo Guedes, costuma chamar de “trabalhadores invisíveis”.

Contudo, o custo de manutenção do auxílio emergencial é alto, cerca de R$ 50 bilhões mensais.

Para não permitir que a desigualdade retorne com o fim dos recursos, Guedes apresentou, na reforma tributária levada ao Congresso, maneiras de implementar rapidamente um novo programa social federal, o Renda Brasil, que substituirá o Bolsa Família.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês