Em crise, Livraria Cultura reduz lojas e cria serviço de assinatura

Empresa está em recuperação judicial há três anos
-Publicidade-
Companhia tenta se reinventar
Companhia tenta se reinventar | Foto: Divulgação/Livraria Cultura

A Livraria Cultura pôs as fichas em uma nova estratégia: lojas menores, poucas unidades físicas, o lançamento de um sistema que garante o pagamento aos fornecedores no momento da venda do livro e um clube de assinaturas de R$ 14,90 por mês. A empresa está em recuperação judicial faz três anos. Em novembro deste ano, a livraria vai reinaugurar a unidade do Shopping Market Place, em São Paulo. Pequena, será destinada a ajudar o cliente a encontrar o livro que procura, evitando a perda da venda por limitações de estoque.

Batizado de Cultural Pass, o serviço de assinaturas permite que o cliente leve qualquer livro pagando R$ 14,90 por mês. Se devolver a obra em 30 dias, pode pegar outra. Caso não retorne o livro, a pessoa paga pelo item com 20% de desconto. A empresa também criou uma operação de livros usados, o Sebo Cultura. Em 2017, a livraria adquiriu a Estante Virtual, mas vendeu em 2020 para pagar credores. Chegou a assumir a operação da Fnac, recebendo R$ 130 milhões no processo, porém a companhia deixou o Brasil em razão da crise.

Leia também: “Guedes defende que o governo venda ações da Petrobras para ajudar os mais pobres”

-Publicidade-
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.