Ministério da Saúde recomenda suspender vacinação em adolescentes

Entre as justificativas, a pasta ressaltou que a Organização Mundial de Saúde não indica a imunização para pessoas entre 12 e 17 anos
-Publicidade-
"Os benefícios da vacinação para os adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos", informa a nota do MS | Foto: João Gabriel Alves/Enquadrar/Estadão Conteúdo
"Os benefícios da vacinação para os adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos", informa a nota do MS | Foto: João Gabriel Alves/Enquadrar/Estadão Conteúdo

O Ministério da Saúde (MS) publicou uma nota informativa em que recomenda a suspensão da vacinação contra a covid-19 de adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidade ou deficiência permanente. O documento foi elaborado ontem à noite, quarta-feira 15, e assinado pela Secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid, Rosana Leite de Melo. As informações são da rádio CBN.

Assim, a nova recomendação do MS para essa faixa etária fica restrita a três perfis:

• adolescentes com deficiência permanente

-Publicidade-

• adolescentes com comorbidades

• e adolescentes privados de liberdade.

O MS voltou atrás, contrariando uma outra nota em que recomendava a vacinação para adolescentes. Para justificar a nova orientação, a pasta ressaltou que a Organização Mundial de Saúde não recomenda a imunização de crianças e adolescentes, com ou sem comorbidades. Ainda, “a maioria dos adolescentes sem comorbidades acometidos pela covid-19 apresentam evolução benigna, apresentando-se assintomáticos ou com o poucos sintomas”.

“Os benefícios da vacinação para os adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos”, informa a nota.

Custo x benefício

Para o médico clínico geral e doutor em imunologia Roberto Zeballos, a vacinação em menores de 18 anos não se justifica. “O ponto é que a letalidade da covid-19 já é baixíssima em pessoas com menos de 50 anos. Para quem é menor de 18 anos, então, são tão poucas as mortes que não vale a pena correr o risco de tomar a vacina e ter um efeito adverso grave. A questão é matemática, custo-benefício.”

O médico infectologista Francisco Cardoso também não concorda com a vacinação contra a covid-19 de crianças e adolescentes. Ele afirma que essa faixa etária não é alvo da doença e são raros os casos de menores de 18 anos que sofrem com a covid na forma grave. Quando isso ocorre, é geralmente em razão de doenças como obesidade mórbida, cardiopatias e síndromes genéticas. “Estudos com crianças e adolescentes são escassos, não são bem controlados e não demonstram a eficiência da vacina em reduzir doença e morte nessa população”, afirma Cardoso.

Conforme Oeste noticiou, a jovem italiana Giulia Lucenti, de 16 anos, sofreu um infarto e morreu 16 horas após tomar a segunda dose da vacina da Pfizer. O caso está sob investigação.

 

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.