Monumento a Marighella amanhece coberto de tinta vermelha

Secretaria de Segurança Pública de São Paulo ainda não se manifestou sobre o caso
-Publicidade-
Monumento a Carlos Marighella em São Paulo foi coberto de tinta vermelha
Monumento a Carlos Marighella em São Paulo foi coberto de tinta vermelha | Foto: Reprodução/Redes Sociais

Um monumento que homenageia o terrorista Carlos Marighella, em São Paulo, amanheceu coberto de tinta vermelha nesta sexta-feira, 30. A pedra em memória a Marighella foi instalada na Alameda Casa Branca, no bairro dos Jardins, em 1999.

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo ainda não se manifestou sobre o caso. Até o momento, não se sabe quem foi o responsável por jogar a tinta vermelha no monumento.

Leia mais: “Justiça de SP determina prisão de homem que incendiou estátua de Borba Gato”

-Publicidade-

A morte de Marighella, em 1969, foi reconhecida como assassinato pela Comissão de Mortos e Desaparecidos da Câmara dos Deputados, em 1996, durante o primeiro mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). A família do terrorista foi indenizada.

Leia também: “Ataque contra estátua de Borba Gato reacende debate sobre lei antiterrorismo na Câmara”

O episódio ocorre dias depois de a estátua de Borba Gato ter sido incendiada por vândalos na capital paulista. Na quarta-feira 28, a Justiça de São Paulo determinou a prisão de Paulo Roberto da Silva Lima, conhecido como Paulo Galo, que confessou ter praticado o ato de vandalismo.

Luta armada

Marighella defendeu abertamente a violência como método de combate ao regime militar no Brasil (1964-1985). Ele foi um dos principais líderes de guerrilhas que encamparam a luta armada, como a Ação Libertadora Nacional (ALN).

A ALN teve participação no sequestro do embaixador dos Estados Unidos Charles Burke Elbrick, em 1969, e do então embaixador da Alemanha Ocidental, Ehrenfried von Holleben, em 1970. O grupo terrorista pedia a libertação de presos políticos de esquerda.

São atribuídos ao grupo, entre outros crimes, os assassinatos do executivo dinamarquês Henning Boilesen — que financiava ações do DOI-Codi, órgão repressor do Exército —, de Márcio Leite de Toledo, um militante da própria ALN, e de um capitão infiltrado das Forças Armadas.

Leia também: “A mais recente tentativa de cancelar o passado”

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro