O ataque de Renan Calheiros à liberdade de imprensa

Político com nove processos penais nas costas é hoje o 'herói' da mídia nacional
-Publicidade-
Guzzo: objetivo de Renan Calheiros é 'ocultar os verdadeiros crimes de corrupção cometidos durante o combate à epidemia'
Guzzo: objetivo de Renan Calheiros é 'ocultar os verdadeiros crimes de corrupção cometidos durante o combate à epidemia' | Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

(J. R. Guzzo, publicado no jornal O Estado de S. Paulo em 4 de agosto de 2021)

Processa-se praticamente em segredo, e sob a indiferença quase completa dos órgãos de comunicação, a pior agressão à liberdade de imprensa feita no Brasil por uma entidade oficial desde o fim da censura no governo militar. O autor do ataque é o senador Renan Calheiros, político com nove processos penais nas costas e hoje o herói da mídia nacional, desde que armou a “CPI da Covid” com o duplo propósito de fazer guerra ao governo Bolsonaro e, juntando o agradável ao útil, ocultar os verdadeiros crimes de corrupção cometidos durante o combate à epidemia.

O senador, como se noticiou, fez um requerimento para quebrar o sigilo bancário da Rádio Jovem Pan, desde o ano de 2018, sob a alegação de que a emissora publica “fake news” e, supostamente, se beneficia financeiramente disso – daí, pelo que deu para entender, o pedido de quebra do sigilo. Na verdade, trata-se de um ataque direto, grosseiro e mal-intencionado a um veículo de imprensa que não fez absolutamente nada contra a lei; seu único crime é recusar-se a aceitar a situação de submissão que a CPI de Renan e de seus associados exige hoje da imprensa e dos jornalistas brasileiros.

-Publicidade-

De que forma a Jovem Pan poderia ter publicado notícias falsas sobre a covid em 2018, quando não havia covid nenhuma em 2018? Mais ainda: quais são exatamente, uma por uma, essas notícias? E que raios as contas bancárias da rádio teriam a ver com “fake news”? A verdade é que nada disso tem qualquer contato, mesmo remoto, com a realidade dos fatos. É vingança pura e simples de um político descontente com o noticiário publicado pela rádio sobre a CPI – uma voz quase isolada no oceano de obediência a Renan que a mídia brasileira adotou como regra de conduta desde a subida do senador ao papel de líder da esquerda e da oposição brasileiras. Renan e seu grupo são hoje os principais editores do noticiário político deste país.

Imagine-se, por um minuto, o escândalo desesperado que estaria havendo no Brasil e no mundo se o presidente Bolsonaro pedisse, por exemplo, a quebra do sigilo bancário da Rede Globo, ou qualquer outro dos seus inimigos na mídia. Desde que está no Palácio do Planalto, e até agora, o presidente não quis quebrar o sigilo bancário de ninguém, e muito menos de um órgão de imprensa. Mas Bolsonaro é acusado por uma entidade de monitoramento de liberdades, em denúncia publicada recentemente com o completo aval da mídia brasileira, de ter cometido “464” atos de agressão à imprensa e aos jornalistas desde que tomou posse. Quais? Nenhum que se compare ao ataque do senador contra a Radio Jovem Pan, com certeza? Não há o menor risco de que essa pergunta seja respondida um dia.

Leia também: “A mídia brasileira vive no meio de uma mentira gigante”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários

  1. Entenda Oeste, a mídia tradicional não sustentou e apoiou de graça a intentona comunista desde 1.988.
    Fora toda comprada, e seus repórteres mal criados em seus lares mas vitaminados nas escolas Paulo Freire e porões de universidades fétidas, sequer vislumbram perder o “cocho” a eles destinado.
    Pululam como o randolfe, de band para tv cultura, esta que vive com dinheiro público; de globolixo para CNN e vice-versa.
    Símbolo maior desse jornalismo é a crítica às várias bandeiras do Brasil hasteadas na ponte do Morumbi em 19/11, dia da bandeira. Eu sou testemunha da reportagem logo cedo na Globo SP. Nunca mais sintonize na emissora.
    Não tenho que ouvir Renan Calheiros. Se a coisa assim está, tudo dominado, faremos a revolução.

  2. Deveria citar também os outros que também tiveram o pedido de quebra de sigilo requisitados, pois dessa forma no futuro até a Oeste corre esse risco

  3. E O QUE ESTÁ FAZENDO A ABI – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMPRENSA????????????? E O QUE ESTÃO FAZENDO AS ENTIDADES INTERNACIONAIS DE IMPRENSA, QUE NÃO SE CANSAM DE DAR PALPITES ONDE NÃO SÃO CHAMADAS?????????????????? POR QUE AINDA HÁ ELEITORES QUE VOTAM EM CRIATURAS COMO AZIZ, RENAN E RANDOLFE?????????????????????? REALMENTE, HÁ MAIS MISTÉRIOS ENTRE OS CÉUS E O REINO DE PINDORAMA ALÉM DAQUILO QUE NOSSA INDIGNAÇÃO POSSA ALCANÇAR!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro