‘Óbitos de crianças estão no patamar’, diz Queiroga sobre a covid-19

Ministro da Saúde afirmou que a informação ajudará as autoridades a decidirem sobre a vacinação com base em evidências
-Publicidade-
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, conversou com os jornalistas nesta quinta-feira, 23
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, conversou com os jornalistas nesta quinta-feira, 23 | Foto: Reprodução/YouTube

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quinta-feira, 23, que não há urgência para se decidir sobre a vacinação contra a covid-19 de crianças na faixa etária de cinco a 11 anos.

De acordo com ele, o público é que tem menos óbitos em decorrência do vírus. “Os óbitos de crianças estão dentro de um patamar que não implica em decisões emergenciais”, disse a jornalistas.

Segundo Queiroga, o dado ajudará as autoridades a decidirem sobre a vacinação de crianças com base em evidências. “Isso favorece que o ministério possa decidir baseado na evidência científica de qualidade, na questão da segurança, na questão da eficácia”, observou.

-Publicidade-

“Cada vida é importante. Nós lamentamos por todas as vidas. Agora, o Ministério da Saúde tem que tomar as suas decisões com base nas evidências científicas”, defendeu Queiroga.

Dados da Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19 mostram que 2,9 mil diagnósticos por covid ocorreram em crianças de 5 a 11 anos, com 156 mortes, em 2020.

E em 2021, já foram registrados 3,1 mil casos nessa faixa etária, com 145 mortes, totalizando 6,1 mil casos e 301 mortes desde o início da pandemia.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Óbvio que 301 mortes em dois anos é importante, mas vacinar com uma vacina experimental um contingente de 20 milhões dd crianças que nem se sabe quais comorbidades tem é temerário. Efeitos adversos futuros nem a futurologia da médica cantora ou de Joãozinho Doria previram. Então é preciso CUIDADO. Informem sobra s vacina conforme o fabricante e deixem os pais decidirem.

    1. O cidadão comum tem dificuldade em entender a bula da dipirona, do xarope do dia a dia. Agora esse cidadão irá avaliar a bula de uma vacina e decidir sobre seus riscos e eficácia?

      Os principais cientistas do mundo, os principais comitês científicos do mundo, as principais agências de saúde do mundo, as principais sociedades médicas do mundo atestaram a segurança e eficácia da vacina.

      Países referências em serviços medidos já vacinam suas crianças.

      Mas aqui os pseudo patriotas, que defendiam cloroquina e invermectina, posicionam-se contra a vacinação de crianças.

      É muita falta de amor, de compaixão, de seguir os ensinamentos de Deus, de patriotismo, atrapalhar, retardar, ser contrário à vacinação de quaisquer pessoas, principalmente crianças .

  2. Cerca de 5% dos casos foram à óbito, pelos dados da matéria.

    Com a vacina esse percentual será reduzido significativamente, ou seja: SERÃO MENOS CRIANÇAS, CRI-AN-ÇAS, MORTAS por COVID.

    Quanta crueldade desse governo genocida!

    Quanta crueldade daqueles que gritam “mito” e falam em “deus” e em “família”, mas são cúmplices dessas decisões que geram mortes de crianças!

    1. Tenha compaixão dos pais que enterram seus pequenos!

      Quando se fala em liberar acesso à armas, onde está esse discurso pobre de interesse comercial?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.